Pular para o conteúdo principal

Björk anuncia Cornucopia, a próxima fase de Utopia nos palcos


Para quem duvidou, a Utopia está realmente só começando... Após o fim das apresentações da primeira parte da turnê em julho na Europa, Björk anunciou o próximo passo da divulgação de seu disco mais recente. Como parte da nova edição do The Shed, a islandesa apresentará em Nova Iorque, Cornucopia, um novo concerto criado pela própria artista e dirigido em parceria com a cineasta argentina Lucrecia Martel, internacionalmente reconhecida como uma das mais importantes peças do cinema latino-americano. Entre os seus elogiados trabalhos, o filme Zama foi sucesso de crítica, em 2017.

"Estou muito animada em anunciar que farei parte da temporada de abertura do The Shed em Manhattan na próxima primavera. Neste inverno, prepararei meu show mais elaborado nos palcos, onde o ambiente acústico e o mundo digital vão estar de mãos dadas, com a ajuda de uma equipe de colaboradores sob medida!".

Lucrecia e a Rei Cine, produtora argentina que a representa, emitiram uma declaração à imprensa destacando a grande emoção dessa união de artistas tão inspiradoras: "Eu me sinto muito orgulhosa em estar trabalhando com uma das mulheres mais inovadoras do mundo da música. Colaborar em um show de Bjork é um passaporte para o século XXII".

The Shed é um centro cultural que reúne em eventos obras de arte, em todos os campos, para todos os públicos. Esse lugar que receberá a mini residência promete ser um dos espaços culturais mais importantes da cidade, principalmente por ter a capacidade de se transformar fisicamente ao criar ambientes dinâmicos de acordo com as visões dos artistas que ali aparecem nos próximos anos.


A grande equipe ainda inclui Tobias Gremmler, media artist, que contribuirá com o design digital no lado visual da apresentação no ambiente idealizado pela cenógrafa Chiara Stephenson. Viibra, o conjunto de sete flautistas estará novamente ao lado de Björk, junto de Katie Buckley (harpa), Manu Delago, (percussão) e Bergur Þórisson (eletrônica). O show também terá o THE HAMRAHLÍÐ CHOIR, coral do álbum Utopia; coreografia de Margret Bjarnadóttir, maquiagem de Hungrydesign de iluminação assinado por Bruno Poet, ensaio e preparação de partituras por Matt Robertson, figurino de Iris Van Herpen e Olivier Rousteing, design de som de Gareth Fry, o engenheiro de som John Gale, e o colaborador de Björk, James Merry, responsável pelas máscaras da cantora e de suas flautistas.

(Foto: Warren Du Preez & Nick Thornton Jones)

Cornucópia é um símbolo representativo de fertilidade, riqueza e abundância

O novo show terá duração de 100 minutos e acontecerá no maior espaço das instalações do The Shed, o The McCourt, que pode acomodar, dependendo da configuração do show, 1.250 espectadores sentados ou 2.700 em pé.

Confira as datas da temporada de oito concertos:

6 de maio de 2019
9 de maio de 2019
12 de maio de 2019
16 de maio de 2019
22 de maio de 2019
25 de maio de 2019
28 de maio de 2019
1 de junho de 2019

A venda dos ingressos será iniciada a partir de 20 de fevereiro.

Cornucopia será também uma turnê mundial! As primeiras apresentações acontecerão no México nos dias 17, 20, 23 e 27 de agosto no Parque Bicentenario.


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Em turnê pela Europa, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 
- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?
Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.
- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?
Sim, seria incrível se os sites de streaming f…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …