Pular para o conteúdo principal

Björk anuncia Cornucopia, a próxima fase de Utopia nos palcos


Para quem duvidou, a Utopia está realmente só começando... Após o fim das apresentações da primeira parte da turnê em julho na Europa, Björk anunciou o próximo passo da divulgação de seu disco mais recente. Como parte da nova edição do The Shed, a islandesa apresentará em Nova Iorque, Cornucopia, um novo concerto criado pela própria artista e dirigido em parceria com a cineasta argentina Lucrecia Martel, internacionalmente reconhecida como uma das mais importantes peças do cinema latino-americano. Entre os seus elogiados trabalhos, o filme Zama foi sucesso de crítica, em 2017.

"Estou muito animada em anunciar que farei parte da temporada de abertura do The Shed em Manhattan na próxima primavera. Neste inverno, prepararei meu show mais elaborado nos palcos, onde o ambiente acústico e o mundo digital vão estar de mãos dadas, com a ajuda de uma equipe de colaboradores sob medida!".

Lucrecia e a Rei Cine, produtora argentina que a representa, emitiram uma declaração à imprensa destacando a grande emoção dessa união de artistas tão inspiradoras: "Eu me sinto muito orgulhosa em estar trabalhando com uma das mulheres mais inovadoras do mundo da música. Colaborar em um show de Bjork é um passaporte para o século XXII".

The Shed é um centro cultural que reúne em eventos obras de arte, em todos os campos, para todos os públicos. Esse lugar que receberá a mini residência promete ser um dos espaços culturais mais importantes da cidade, principalmente por ter a capacidade de se transformar fisicamente ao criar ambientes dinâmicos de acordo com as visões dos artistas que ali aparecem nos próximos anos.


A grande equipe ainda inclui Tobias Gremmler, media artist, que contribuirá com o design digital no lado visual da apresentação no ambiente idealizado pela cenógrafa Chiara Stephenson. Viibra, o conjunto de sete flautistas estará novamente ao lado de Björk, junto de Katie Buckley (harpa), Manu Delago, (percussão) e Bergur Þórisson (eletrônica). O show também terá o THE HAMRAHLÍÐ CHOIR, coral do álbum Utopia; coreografia de Margret Bjarnadóttir, maquiagem de Hungrydesign de iluminação assinado por Bruno Poet, ensaio e preparação de partituras por Matt Robertson, figurino de Iris Van Herpen e Olivier Rousteing, design de som de Gareth Fry, o engenheiro de som John Gale, e o colaborador de Björk, James Merry, responsável pelas máscaras da cantora e de suas flautistas.

(Foto: Warren Du Preez & Nick Thornton Jones)

Cornucópia é um símbolo representativo de fertilidade, riqueza e abundância

O novo show terá duração de 100 minutos e acontecerá no maior espaço das instalações do The Shed, o The McCourt, que pode acomodar, dependendo da configuração do show, 1.250 espectadores sentados ou 2.700 em pé.

Confira as datas da temporada de oito concertos:

6 de maio de 2019
9 de maio de 2019
12 de maio de 2019
16 de maio de 2019
22 de maio de 2019
25 de maio de 2019
28 de maio de 2019
1 de junho de 2019

A venda dos ingressos será iniciada a partir de 20 de fevereiro.

Cornucopia será também uma turnê mundial! As primeiras apresentações acontecerão no México nos dias 17, 20, 23 e 27 de agosto no Parque Bicentenario.


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…