Pular para o conteúdo principal

"The Juniper Tree", filme estrelado por Björk, será relançado


The Juniper Tree é um filme islandês com um pequeno elenco de cinco atores, incluindo Björk quando ela ainda fazia parte do Sugarcubes. Foi escrito, produzido e dirigido por Nietzchka Keene baseado no conto de mesmo nome dos Irmãos Grimm. Rodado no verão de 1986 com um orçamento extraordinariamente baixo, o filme só foi lançado em 1990 dentro do Sundance Film Festival. Filmado em preto e branco na paisagem de cinzas vulcânicas da Islândia para destacar seu conteúdo dramático, além de um recurso para ambientar a história como parte da Idade Média, este filme se tornou popular entre os admiradores de Björk depois que ela ganhou fama internacional. 

A boa notícia é que a obra foi restaurada em 4K por órgãos especializados no arquivamento e preservação de materiais do cinema, televisão, rádio e teatro; Wisconsin Center for Film & Theatre Research, com financiamento fornecido pela The Film Foundation e pela George Lucas Family Foundation

Os direitos do longa foram adquiridos pela distribuidora Arbelos, que exibirá o filme em cinemas norte-americanos, começando no Metrograph New York de 15 a 21 de março de 2019, antes de um eventual lançamento digital, VOD (Video on Demand), em DVD e em Blu-Ray em setembro.


A edição totalmente restaurada já havia estreado no renomado festival cinematográfico AFI Fest em 10 de novembro de 2018. O longa também será apresentado em maio na França. Ainda não foi divulgado se será distribuído para mais países. Em julho do ano passado, o Björk BR publicou uma versão legendada em Widescreen de The Juniper Tree como um episódio de 23 minutos da Websérie Björk. Assista AQUI.


A cada ano, o AFI Fest dedica uma parte de sua programação à uma retrospectiva de filmes antigos que merecem ser redescobertos. Em 2018, esta seção foi dedicada inteiramente a obras dirigidas por mulheres, incluindo cineastas menos conhecidas como Nietzchka Keene, cuja carreira foi interrompida quando morreu vítima de um câncer de pâncreas em 2004. Subestimada, Keene fez filmes com orçamentos extremamente baixos, mas com composições de imagem impressionantes.

Sinopse:
The Juniper Tree retrata a história de duas mulheres, Margit (Björk Guðmundsdóttir) e sua irmã mais velha Katla, que escapam de casa depois que a mãe delas é apedrejada e queimada acusada de bruxaria. As duas acabam em um lugar no qual ninguém as conhece, e encontram Jóhann, um jovem viúvo que tem um filho chamado Jónas. Katla usa seus poderes mágicos para seduzir Jóhann e eles começam a viver juntos. Margit e Jónas se tornam amigos. No entanto, Jónas não aceita Katla como sua madrasta e tenta convencer seu pai a deixá-la. O poder de Katla é muito forte e mesmo Jóhann sabendo que deveria deixá-la, ele não consegue. Enquanto isso, a mãe das duas aparece para Margi em visões, e a mãe de Jónas surge como um corvo que entrega a ele uma espécie de amuleto de proteção.


Assista ao trailer da edição remasterizada de The Juniper Tree:


Postagens mais visitadas deste blog

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes

Leila Arab fala sobre colaboração com Björk

"Quando eu era mais jovem, realmente não gostava de música pop, mas no momento que vi Björk na TV com os Sugarcubes fiquei totalmente chocada. Ela é extraordinária! Depois de três anos, a conheci pessoalmente, em Londres. Na época, ela estava em busca de pessoas para tocar em sua nova banda.  Alguns amigos recomendaram o meu nome, embora eu realmente não soubesse como fazer música direito. Björk me ligou e lhe expliquei que eu não sabia ler partituras, mas ela me disse que não se importava. Isso não era tão importante.  Fotos: Divulgação.  Fiquei responsável pelo teclado na turnê do  Debut . Se eu te contar o que custou a ela cada nota que toquei. Aposto que milhões de libras por minuto, pois eu tive que tocar várias coisas! Na turnê do Post , ela me ofereceu o trabalho que eu queria: mixar as músicas ao vivo, embora eu ainda não tivesse muita experiência. Pensando agora, foi uma loucura, pois ela poderia ter contratado qualquer outra pessoa, sabe? Mas está sempre pronta para d

Conheça as histórias de todas as canções do álbum "Utopia"

Lançado em 24 de novembro de 2017 , o álbum Utopia é um dos trabalhos mais incríveis da carreira de Björk .  Reunimos em uma matéria especial detalhes de todas as faixas do projeto. Confira:  Foto:  Jesse Kanda (2017).  1. Arisen My Senses: "A primeira faixa que escrevi para o álbum Utopia foi justamente a de abertura. A melodia é como uma constelação no céu. É quase uma rebelião otimista contra modulações com narrativa "normais". Não há apenas uma. Tem umas cinco e eu realmente amei isso. Adicionei um arranjo de harpa junto de um texto, e enviei essa música de presente para a Arca . Ela mal podia acreditar, pois sentiu que bati de algum jeito em seu inconsciente! Criei a partir de um trecho de uma mixtape no SoundCloud dela, um trabalho feito uns três anos antes. Vi aquilo como o seu material mais feliz. Nem comentei com ela, apenas reeditei e mandei. Desta vez, estávamos fazendo juntas, de igual para igual, o oposto de Vulnicura . E esse foi o ponto de partida par

Hamrahlíð Choir anuncia lançamento do álbum Come and Be Joyful

Em 4 de dezembro, o lendário Hamrahlíð Choir , que participou de vários concertos do espetáculo Cornucopia , lançará o álbum Come and Be Joyful .  O disco traz canções tradicionais e também duas versões de músicas de Björk apresentadas na abertura do show: Sonnets e Cosmogony , completamente repaginadas. Um link para pré-venda já está disponível, confira clicando AQUI .  Além disso, a interpretação da faixa do álbum Biophilia , com produção de Björk nos arranjos, chegou nas plataformas digitais:  O coral Hamrahlíð é conhecido por seu som único, formado por 52 integrantes . Seus membros são ex-alunos da Hamrahlíð College , de Reykjavík . Mais de 2.500 adolescentes islandeses tiveram contato com a música por meio dessa experiência. Muitos deles sem nenhum treinamento anterior e, por meio de prática cuidadosa (característica do grupo), passaram a participar de produções da mais alta qualidade.  No ano de 2017, Björk os convidou para participar do álbum Utopia . A colaboração continuo

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R