Pular para o conteúdo principal

Cineasta argentina Lucrecia Martel dirigirá novo show de Björk


Cornucopia, o novo show de Björk, estreia em maio no The Shed, em Nova Iorque! Inclusive, esse lugar que receberá a mini residência promete ser um dos espaços culturais mais importantes da cidade, principalmente por ter a capacidade de se transformar fisicamente ao criar ambientes dinâmicos de acordo com as visões dos artistas que ali aparecem nos próximos anos.

A temporada de oito concertos ganhou novos detalhes muito interessantes. A cineasta argentina Lucrecia Martel se juntou ao time de colaboradores da islandesa e dirigirá o espetáculo. Internacionalmente reconhecida como uma das mais importantes peças do cinema latino-americano, Martel obteve sucesso de crítica em seu trabalho, incluindo Zama, seu mais recente filme lançado em 2017. Entre suas obras, destacam-se também: La Ciénaga (2001), A Menina Santa (2004) e A Mulher sem Cabeça (2008). Confira mais detalhes clicando aqui

Lucrecia e a Rei Cine, produtora argentina que a representa, emitiram uma declaração à imprensa destacando a grande emoção dessa união de artistas tão inspiradoras: "Eu me sinto muito orgulhosa em estar trabalhando com uma das mulheres mais inovadoras do mundo da música. Colaborar em um show de Björk é um passaporte para o século XXII".

Através das redes sociais, Björk também falou sobre a parceria: "É com grande prazer que anuncio a chegada da incrível Lucrecia Martel na nossa equipe. Eu admiro o trabalho dela há muito tempo e não posso acreditar em minha bênção em tê-la aqui para completar este nosso mundo utópico no The Shed. Ela dirigirá o 'Cornucopia' e é com um caloroso abraço que a acolhemos com toda sua fertilidade, inteligência, humor e graça".


Martel tem tomado muito cuidado para não revelar detalhes. Em entrevista ao Los Andes, ela desconversou: "Estamos trabalhando em um horário no qual as pessoas estão acordando no momento em que eu deveria estar dormindo". Para quem a acompanha, essa colaboração com Björk pode parecer inesperada. O convite partiu da seguinte forma: 

"Eu recebi um e-mail misterioso. Era dela, isso no meio do ano passado! Ficamos de conversar pessoalmente se eu fosse vê-la na Europa, mas passamos um tempo sem nos falar novamente. Mas aí em janeiro chegou uma mensagem dela me perguntando se eu estava interessada em fazer parte disso. E como eu poderia resistir? Durante toda a sua vida, Björk tem procurado se afastar do lugar de conforto que sua posição lhe permitiria. Ela criou um universo para esse show e tem persistido em sua construção. Eu já tinha muita admiração por ela, agora tenho devoção!".


Lucrecia Martel substituirá John Tiffany na equipe, ganhador do Tony Award de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada. Segundo a organização do evento, ele teve que se afastar do projeto devido a conflitos de agenda.

Além dos arranjos musicais ao vivo, o novo show de Björk contará com ampla tecnologia digital e projeções visuais deslumbrantes, portando promete ser um dos mais impressionantes de sua carreira.

Confira um vídeo com a prévia da estrutura móvel do local do evento:




Postagens mais visitadas deste blog

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Poucas horas antes do show no Metropolitan, no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI), Björk conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento. Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet:


Ao jornal Extra, ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura. Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão. Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes no setlist: "São meus amigos, crescemos juntos. Não posso tocar uma música da banda sem eles&qu…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades!

Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta Bizz, edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o Sugarcubes.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.





Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mui…

Christina Aguilera é uma grande fã de Björk

Christina Aguilera falou sobre admiração por Björk, em nova entrevista para o Apple Music
"É muito além do tempo. Ela é o motivo pelo qual não consegui continuar sendo a artista que eu era no meu primeiro álbum. É alguém que me inspirou a sempre querer me desafiar, tem tanta arte envolvida em seu trabalho. Isso mostra que existem milhares de formas de explorarmos nosso visual, a estética, voz, o timbre. 
Björk consegue gritar em um disco de forma tão incrível e angelical, tudo ao mesmo tempo em que suspira nas canções e ahhh... Isso mexeu comigo, pois quando surgi (na indústria musical), pensei tipo: "Sim, consigo cantar uma grande balada, posso fazer isso durante um dia inteiro. É maravilhoso que eu consiga e tudo mais, mas essa é só uma pequena parte daquilo que gosto de fazer". 
Amo estar no palco e criar mundos para as pessoas entrarem e explorarem, usando a imaginação e escapando de suas próprias realidades, com visuais e elementos que permitam isso. Adoro esse proc…

A paixão de Björk por Kate Bush

"Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single, por exemplo.
E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops, e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante.

Para mim, ela sempre representará a época de exploração da própria sexualidade,…

Há 40 anos, Björk lançava seu primeiro álbum!

Muitos creditam "Debut", principalmente pelo nome, como sendo o primeiro álbum de Björk, e de fato foi o primeiro e principal disco da islandesa a nível mundial, mas você sabia que 16 anos antes, em 18 de Dezembro de 1977, um álbum batizado com o nome da artista foi lançado apenas na Islândia quando ela tinha 12 anos?

Em 1976, Björk apareceu pela primeira vez na mídia em uma no rádio islandesa cantando o hit "I Love to Love" de Tina Charles.

Isso aconteceu através da escola de música que ela frequentava. A gravação chamou a atenção de uma gravadora local chamada Fálkinn, que também distribuía na Islândia os discos de artistas da EMI, Polygram e Island Records. Aliás, "Björk" é o lançamento mais famoso dessa gravadora que já não existe mais!

Após Björk assinar o contrato sob a supervisão de seus pais, as gravações aconteceram entre Agosto e Setembro de 1977 nos estúdios Hljóðriti, em Reykjavík.
O álbum tem 34:13 de duração e é composto por canções cantadas…