Pular para o conteúdo principal

Amy Lee compartilha relato emocionante sobre o show Cornucopia

Foto: Santiago Felipe

"Então, na noite de quinta-feira, fui ao show Cornucopia da Björk, no The Shed, em Nova Iorque, e tenho que falar sobre isso! 

Eu tinha lido sobre novos instrumentos que foram criados especificamente para o espetáculo, e tinha consciência que seria de alguma forma imersivo, mas realmente não sabia o que esperar. Isso fazia parte da magia. Embarcar nisso tornou tudo tão especial, ela criou esse mistério e antecipação com uma atmosfera que é tão rara na música hoje.

Nós sabemos o que é uma apresentação, temos alguma ideia do que fazer e o que esperar, mas isso foi como estar em meu primeiro show da vida, ou em uma ópera, um jogo, ou um passeio em um parque temático. Eu não sabia o que iria acontecer e foi realmente emocionante.

Os "sons alienígenas atmosféricos" que ouvimos em Utopia estavam por toda parte em uma ambientação 3D e as luzes baixas, enquanto pegávamos nossas bebidas e íamos até nossos lugares. Antes mesmo de o show começar, já estávamos no mundo de Björk.

Tudo começou com uma performance acapella de um jovem coral islandês. Tudo escrito por Björk, e dirigido por uma senhora idosa cheia de energia, expressiva e encantadora que, uma vez que vi, não conseguia desviar o olhar. Quero ser ela quando eu crescer! O coral é uma das minhas grandes paixões musicais e uma das minhas primeiras fontes de inspiração. Além da minha banda, um dos meus sonhos era também fazer música para filmes e, eventualmente, entrar em alguma forma de direção para um coral.

Nos primeiros 2 minutos de show, minhas lágrimas começaram a vir e a Björk ainda nem estava no palco! Quando ela surgiu, e ouvi aquela voz, e aquele profundo instrumental penetrante... senti como se o som estivesse sendo derramado em meus ouvidos, fluindo direto para o meu coração, e se espalhando por todo o meu corpo.

A coisa toda era de som surrounded, cercando a gente, com elementos ao vivo que apareciam em diferentes partes do lugar: atrás de mim, dos músicos até o fundo da plateia, e os instrumentos como se estivessem descendo do teto... Tanto estímulo visual, bem como uma resposta para cada elemento que podíamos escutar se prestássemos atenção nisso. Fiquei totalmente cativada por ela durante todo o show, e em um momento pensei comigo mesma, que se eu pudesse voltar no tempo e ver a Björk da década de 90 pela qual me apaixonei ao invés de tudo para o qual ela evoluiu, eu não ia querer! Eu a amo exatamente como ela é agora, e estou continuamente e para sempre inspirada. Foi fenomenal. E eu mencionei que ela tem a voz mais poderosa e dinâmica do planeta? Mesmo sem um único pedaço de toda essa grande produção, apenas o canto dela já seria incrível de se ver e ouvir.

Obrigada, Björk! Como uma de suas maiores fãs, (posso dizer que) você sempre entrega tudo acima e além das minhas expectativas" 

- Amy Lee, vocalista do Evanescence, em post nas redes sociais, 20 de maio de 2019. 

Dica: Clique AQUI e ouça Synthesis Live, o álbum ao vivo incrível lançado pela banda em outubro do ano passado, que reúne lindas versões das canções do grupo. 

Postagens mais visitadas deste blog

Espiritualidade: Uma conversa entre Björk e Llewellyn Vaughan-Lee

Foto: Santiago Felipe Em novembro de 2019, a Dazed divulgou um lindo bate-papo entre Björk e o místico sufi Llewelyn Vaughan-Lee . Os dois discutem processos criativos, espiritualidade e a natureza. A conversa inicialmente foi publicada no tourbook da turnê Cornucopia . Confira a tradução completa: Björk:  Algo ainda mais urgente atualmente é a ecologia espiritual, da qual você fala com tanta coragem, por onde começamos com as mudanças climáticas. Estou extremamente preocupada com a esperança e o bem-estar da espiritualidade de nossas jovens gerações. E como você bem menciona: "Também é preciso a responsabilidade espiritual". Você até sugere um reparo ecológico através da meditação, quando fala sobre nos reconectarmos com aquilo que é dito sagrado durante nossa criação: "Como vamos sair dos destroços desta civilização na qual nascemos, e que está morrendo?".  Llewelyn Vaughan-Lee: Pelo o que você me diz, sinto que também ouviu "o clamor da Te

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes

A emoção nas canções de Björk

"Tenho usado as minhas emoções como uma espécie de estrutura para construir todo o resto. Basicamente, minhas músicas são uma coleção de picos emocionais, mesmo que sejam lindos ou dolorosos. Penso que essa é a natureza daquilo que faço.  Ser emocional não significa ser alguém estúpido. É possível "enlouquecer" e ainda orquestrar coisas que geralmente são consideradas bastante acadêmicas e inteligentes. Contanto que nosso coração esteja nisso, está tudo bem. Então, por esse motivo, minhas músicas são muito preciosas para mim.  Se isso quer dizer que vou criar um disco só a cada três anos, então são os picos emocionais vividos nesse período. É como se fossem dez ou onze assuntos e enigmas pessoais, que estou tentando resolver. Eu acho que cada uma das minhas canções tem algo nesse sentido.  No entanto, tenho notado que muitas pessoas que ouvem minhas músicas pensam que falam sobre amor, no lado romântico. E na verdade, estou muito satisfeita em ouvir isso, mesmo que estiv

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R

Em carta aberta no Facebook, Björk fala sobre assédio sexual

Björk publicou em seu Facebook, na tarde deste domingo, um texto em que revela que foi vítima de assédio sexual por um diretor dinamarquês . Confira a tradução do post na íntegra: "Me sinto inspirada por ver mulheres pelo mundo se pronunciando sobre esses casos (de abuso sexual) na internet. Isso me fez sentir vontade de contar minha experiência com um diretor dinamarquês.  Porque eu venho de um país onde a diferença entre os sexos é pequena, apesar de ainda existir, e no momento em que tenho certa força no mundo da música com uma independência, que foi duramente conquistada, sempre esteve extremamente claro para mim que quando eu entrasse na carreira de atriz, meu papel e humilhação como uma menor sexualmente assediada seria uma norma para um diretor cuja a equipe de dezenas de pessoas permitiu e o encorajou a fazer isso.  Eu estava ciente de que é algo universal, em que um diretor pode tocar e assediar suas atrizes à vontade e a indústria do cinema permite