Pular para o conteúdo principal

A colaboração entre Björk e a incrível Hungry

Foto: Harley Weir

Confira a tradução de mais uma parte do especial da Dazed sobre Björk. Em novembro de 2019, a revista publicou sua nova edição dedicada inteiramente à artista islandesa. A jornalista Kristen Bateman conversou com uma das mentes criativas que colaboram com a cantora, a make-up artist e drag queen Hungry

Nos últimos anos, ela tem sido reconhecida por ultrapassar o convencional, já que eleva os limites do que é esperado, remodelando os olhos, as maçãs do rosto e a boca para novas formas orgânicas inspiradas nos animais e na natureza. Com Björk, o resultado pôde ser conferido também em todas as obras de Utopia, desde 2017. “Há muita liberdade e muita confiança em nosso time. Discutimos bastante sobre como a personagem desse álbum se sente, como deveria se apresentar para o público", ela explicou na entrevista. Separamos alguns trechos sobre o processo criativo de sua carreira, que também podem ser vistos no universo do álbum: 

O interesse pela maquiagem: "Na minha escola, eu fazia aulas de teatro, mas na época era apenas maquiagem para ser usada no palco, eu não estava necessariamente interessada nisso, ainda não via como uma possibilidade criativa. A primeira vez que me interessei por essa estética foi a partir de um amigo, que aplicou em mim. Foi quando percebi o quanto podia transformar o meu rosto, eu nunca havia o visto como uma tela. Eu provavelmente tinha cerca de 21 anos. Comecei a experimentar sozinha, recebia produtos descartados dos meus amigos. Era como um hobby. Acho que depois de um ano, comecei a realmente gostar disso, mas ainda no modo clássico da coisa. Depois que me mudei para Londres, me inseri na cena e vi que não era só ser uma drag queen, mas uma personagem interessante. Muitas vezes eu nem sabia o que estava fazendo. Comecei a mapear meu rosto de maneiras diferentes e sempre que encontrava uma maneira que realmente me agradava, inseria em meu 'catálogo'. Eu fazia shows semanais em Londres, que exigiam que cada vez mais que eu fosse criativa, uma espécie de alienígena. Explorei tudo aquilo que eu poderia encontrar dentro de mim. Hoje, tenho essa ilusão que me faz parecer mais animalesca, algo meio assustador, mas também fofo. Penso que é uma vibe meio de inseto". 

A criação de um novo personagem: "A estrutura de ossos simplesmente ficou presa em mim nos meus trabalhos. Essas formas orgânicas, dinâmicas e a simetria que as acompanham nem sempre são perfeitas, mas acabam aparentando isso porque são muito bem equilibradas. Essa é sempre a essência por trás daquilo que me inspira. Dependendo dos personagens, das roupas e das performances que faço, é sempre uma coisa diferente, às vezes até a religião, porque cresci muito católica, e meu pai é da Tailândia, então também carrego essa tradição. Primeiramente, começo com um esquema de cores ou um tecido, e desenvolvo a partir disso. Eu ainda tenho no meu histórico o design de moda, uma das coisas que gosto de focar, então a maquiagem, para mim, é um detalhe. Uma vez que tudo está finalizado, descubro qual será o rosto desse personagem".

O futuro da maquiagem como extensão da beleza: "É definitivamente uma maquiagem mais ousada, porque já passamos do ponto da beleza ocidental padronizada. É mais um aspecto pessoal. Quero dizer, provavelmente não deste jeito que faço, pois ainda considero mais como uma coisa de teatro performático. As pessoas não precisam mais ficar usando maquiagem natural. Podem até mesmo não usar nenhuma. Não é para ser algo estigmatizado, é tudo sobre ter a liberdade de seguir a vida como desejamos. E acho que ainda estamos bem longe disso". 


Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Jan

Iris Van Herpen fala sobre colaboração com Björk

"Dez anos se passaram desde que tive a honra de criar o visual da capa do álbum Biophilia. Desde então, muitas performances ao vivo e momentos de expansão da mente foram compartilhados. Björk continua nos inspirando com sua música, sua voz para proteger a natureza e seu espírito colaborativo por um futuro mais saudável. Sou muito grata por essa colaboração em evolução.  Ela foi uma das primeiras a usar minhas peças. Estamos sempre em contato. Na verdade, faremos algo juntas em breve . A parte mais bonita do que faço é criar esses mundos alternativos, que alguém como Björk realmente incorpora. O filósofo Peter Sloterdijk fala sobre como todos nós vivemos em bolhas. Então, quando trabalho com as pessoas, parece que estou mergulhando na bolha delas, flutuando por um tempo e depois voltando à realidade".   "São essas conexões que me fazem continuar, que me fazem acreditar que a moda pode realmente transcender e nos levar a outro lugar. Eu sei disso através de Björk, que r

25 anos de Post - Conheça curiosidades sobre o álbum icônico de Björk

13 de junho de 1995: Há exatos 25 anos , era lançado Post , um dos trabalhos mais marcantes da carreira de Björk. Em comemoração a essa data especial, preparamos uma super matéria honrando a importância desse disco repleto de clássicos.  Para começar, conheça a história do álbum no documentário  dividido em dois episódios  na Websérie Björk . Os vídeos incluem imagens de bastidores, shows e diversas entrevistas detalhando a produção de Post e os acontecimentos daquela era. Tudo legendado em português !     Além disso, separamos vários depoimentos sobre as inspirações por trás das canções e videoclipes do álbum:  1. Army of Me: "Algumas das minhas melodias são muito difíceis para que outras pessoas possam cantar, mesmo que não envolvam técnicas específicas. Essa talvez é a única das minhas músicas que escapa desse 'padrão'. Me lembro de que, quando a escrevi, tentei ter um certo distanciamento. Meu irmão mais novo est

Afterwards: Björk canta em espanhol em parceria com Arca

Foto: Divulgação KiCK i , novo álbum de Arca , já está disponível em todas as plataformas digitais. O disco traz Afterwards , uma parceria com Björk . Na faixa, a islandesa canta em espanhol ! A letra é do poema Anoche mientras dormía , de Antonio Machado , escrito em 1907.  As duas estrearam a canção no ano passado, em um show da venezuelana no The Shed , em NY.  Foto: Annie Forrest Em entrevista ao Pitchfork , Arca foi questionada se foi dela a ideia da islandesa cantar em espanhol na música. A artista respondeu: "Não, foi ideia da própria Björk. Rosalía , que também estava na nossa conversa por e-mail , a ajudou um pouco com a pronúncia. Eu amo o jeito que a Björk canta, não há pronúncia certa ou errada. Quando ela me enviou depois o arquivo de sua parte na gravação, fiquei arrepiada, incrédula. Adoraria que nós três fizéssemos uma canção juntas, mas é realmente