Pular para o conteúdo principal

A colaboração entre Björk e a incrível Hungry

Foto: Harley Weir

Confira a tradução de mais uma parte do especial da Dazed sobre Björk. Em novembro de 2019, a revista publicou sua nova edição dedicada inteiramente à artista islandesa. A jornalista Kristen Bateman conversou com uma das mentes criativas que colaboram com a cantora, a make-up artist e drag queen Hungry

Nos últimos anos, ela tem sido reconhecida por ultrapassar o convencional, já que eleva os limites do que é esperado, remodelando os olhos, as maçãs do rosto e a boca para novas formas orgânicas inspiradas nos animais e na natureza. Com Björk, o resultado pôde ser conferido também em todas as obras de Utopia, desde 2017. “Há muita liberdade e muita confiança em nosso time. Discutimos bastante sobre como a personagem desse álbum se sente, como deveria se apresentar para o público", ela explicou na entrevista. Separamos alguns trechos sobre o processo criativo de sua carreira, que também podem ser vistos no universo do álbum: 

O interesse pela maquiagem: "Na minha escola, eu fazia aulas de teatro, mas na época era apenas maquiagem para ser usada no palco, eu não estava necessariamente interessada nisso, ainda não via como uma possibilidade criativa. A primeira vez que me interessei por essa estética foi a partir de um amigo, que aplicou em mim. Foi quando percebi o quanto podia transformar o meu rosto, eu nunca havia o visto como uma tela. Eu provavelmente tinha cerca de 21 anos. Comecei a experimentar sozinha, recebia produtos descartados dos meus amigos. Era como um hobby. Acho que depois de um ano, comecei a realmente gostar disso, mas ainda no modo clássico da coisa. Depois que me mudei para Londres, me inseri na cena e vi que não era só ser uma drag queen, mas uma personagem interessante. Muitas vezes eu nem sabia o que estava fazendo. Comecei a mapear meu rosto de maneiras diferentes e sempre que encontrava uma maneira que realmente me agradava, inseria em meu 'catálogo'. Eu fazia shows semanais em Londres, que exigiam que cada vez mais que eu fosse criativa, uma espécie de alienígena. Explorei tudo aquilo que eu poderia encontrar dentro de mim. Hoje, tenho essa ilusão que me faz parecer mais animalesca, algo meio assustador, mas também fofo. Penso que é uma vibe meio de inseto". 

A criação de um novo personagem: "A estrutura de ossos simplesmente ficou presa em mim nos meus trabalhos. Essas formas orgânicas, dinâmicas e a simetria que as acompanham nem sempre são perfeitas, mas acabam aparentando isso porque são muito bem equilibradas. Essa é sempre a essência por trás daquilo que me inspira. Dependendo dos personagens, das roupas e das performances que faço, é sempre uma coisa diferente, às vezes até a religião, porque cresci muito católica, e meu pai é da Tailândia, então também carrego essa tradição. Primeiramente, começo com um esquema de cores ou um tecido, e desenvolvo a partir disso. Eu ainda tenho no meu histórico o design de moda, uma das coisas que gosto de focar, então a maquiagem, para mim, é um detalhe. Uma vez que tudo está finalizado, descubro qual será o rosto desse personagem".

O futuro da maquiagem como extensão da beleza: "É definitivamente uma maquiagem mais ousada, porque já passamos do ponto da beleza ocidental padronizada. É mais um aspecto pessoal. Quero dizer, provavelmente não deste jeito que faço, pois ainda considero mais como uma coisa de teatro performático. As pessoas não precisam mais ficar usando maquiagem natural. Podem até mesmo não usar nenhuma. Não é para ser algo estigmatizado, é tudo sobre ter a liberdade de seguir a vida como desejamos. E acho que ainda estamos bem longe disso". 

--
Siga o Björk BR no Twitter e Instagram: @sitebjorkbrasil



Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Em turnê pela Europa, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 
- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?
Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.
- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?
Sim, seria incrível se os sites de streaming f…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …