Pular para o conteúdo principal

A coreografia do show Cornucopia

Foto: Santiago Felipe

Para a Dazed, Margrét Bjarnadóttir, coreógrafa de Cornucopia, revela como fez a banda do espetáculo se mover como um conjunto de pétalas: 

Antes de trabalhar com a lenda da música, Margrét costumava usar as canções da estrela islandesa quando precisava sair da rotina e superar um bloqueio criativo, descobrindo novos movimentos de dança em si mesma: "Cada um de seus álbuns é como um mundo totalmente novo. É como se despertassem partes diferentes nossas. Realmente não achei isso em nenhum outro artista, essa conexão tão clara e direta. Não tenho que forçar nada, simplesmente acontece". 

Então, quando Björk procurou Bjarnadóttir para coreografar o clipe de Utopia em 2017, tudo se ajustou de forma perfeita. Ela que, além de coreógrafa, é artista visual, escritora e atriz, foi fundamental para criar o mundo autônomo do vídeo, no qual as flautistas imitam o lento desenrolar de uma planta. Ela trouxe essa visão para os shows ao vivo da cantora, nas duas turnês do disco, e cuidou especialmente dos movimentos do septeto Viibra.

"Björk falou comigo sobre sua visão para o show. Ela queria tornar a música presente através do movimento, não apenas com o som das flautas". A partir desse resumo, ela criou dois dos shows mais memoráveis ​​da música pop recente, Utopia Tour e Cornucopia.

"Quando eu era estudante de dança, comecei a gostar de improvisar muito mais do que aprender as coisas, porque talvez do contrário não me conectaria com a coreografia. E é assim quando estou trabalhando com dançarinos ou artistas, eu realmente gosto de destacar e ajudar encontrar aquilo que é especial para eles, seu estilo. Meu maior medo é matar a alegria da canção. Não faz sentido fazer coreografia se acabarmos com a energia bruta e o movimento natural da dança. 

Claro que com as flautistas, existem algumas restrições, e realmente gosto de trabalhar assim. No caso delas, era não poder usar as mãos. Levar a respiração em consideração é realmente importante, pois elas precisam dela para tocar o instrumento. Eu não conhecia a flauta tão bem, nunca sequer tinha segurado uma na minha vida. Tive que aprender como essas pessoas poderiam se mover naturalmente, usando isso como inspiração, mas depois exagerando, dando-lhe alguma forma. Mas acredito que as flautistas nunca se sentem contidas. Tentei encontrar uma maneira de fazer com que parecesse natural para elas. Eu sabia que haveria algum momento no período de ensaios, em que todos se sentiriam realmente sem esperança. Mas todos ali têm algo em comum, são perfeccionistas. Eles pegaram o jeito!

O visual desse show (a partir da criação de Björk) é tão forte que eu podia ver a direção que tudo estava tomando. Os dançarinos meio que se tornaram como criaturas daquele mundo, que mudou um pouco entre Utopia e Cornucopia. Me lembro que quando a Lucrecia Martel veio ao primeiro ensaio, ela disse: "Estou pensando em ter menos flores". Os vídeos são um elemento muito grande nesse show. Eu não precisei lutar contra isso, não há um tipo de batalha. Tudo está colaborando para o todo.

Acredito que a criatividade é como uma espécie de poço infinito, que a gente simplesmente ainda não viu tudo, que só exploramos 8%. E, com frequência, alcançamos os mesmos 8% o tempo todo. Há um recurso enorme lá, que às vezes é preciso um esforço para poder ter acesso. 

Na universidade, eu tive um professor que me deu um conselho dizendo que seria complicado me interessar por tantas coisas diferentes, que isso era um desperdício da minha energia, já que eu mexia com arte visual, escrita, criação de vídeos, coreografias... Na opinião dele, eu deveria escolher uma área só. Porque, caso contrário, me tornaria amadora em todas essas coisas e não seria boa em nada. Eu realmente levei ele a sério, mas por uma semana. Depois entendi que esta é a única maneira que eu poderia trabalhar. De alguma forma, estando nesses diferentes campos, tudo ainda está ligado, e isso que me despertou interesse e que me deu combustível para trabalhar. Não sei se teria percebido isso se ele não tivesse me dado esse mau conselho". 

--
Comemore o aniversário de 54 anos da Björk assistindo aos episódios legendados da nossa Websérie, que narra a trajetória dela na música. Para conferir, clique AQUI.

Siga o Björk BR no Twitter e Instagram: @sitebjorkbrasil



Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Em turnê pela Europa, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 
- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?
Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.
- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?
Sim, seria incrível se os sites de streaming f…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …