Pular para o conteúdo principal

Synchronicity: A música de Björk para skatistas

Foto: Divulgação (2003)

31 de agosto de 2003, foi o dia do penúltimo show da Greatest Hits Tour. A apresentação em Boston, nos Estados Unidos, rendeu boas lembranças para Björk. Uma festa nos bastidores do espetáculo deu origem a uma canção chamada Synchronicity, que foi usada no documentário Hot Chocolate, de Spike Jonze



Em 2006, em entrevista para a Slap Magazine, a artista falou sobre a inspiração da composição: 

"Eu estava fazendo uma turnê no verão passado, e recebi uma mensagem do meu amigo Spike Jonze, me dizendo: "Está tudo bem se eu for ao seu show na lista de convidados? Sou eu e mais dezessete pessoas". Eu nunca recebo pedidos assim, então achei muito engraçado. 

Fiz a apresentação, e com performances ao vivo tem dias que são bons e outros ruins. Talvez, naquele dia eu não tenha feito um dos meus melhores, mas depois, nos bastidores, montamos várias mesas e cadeiras ao ar livre. Tínhamos um pequeno aparelho de som portátil e o Drew, do Matmos, aproveitou para fazer um DJset. Aí Spike e seus dezessete convidados vieram dizer oi. Fui apresentada a todos eles, e isso tudo acabou se tornando muito divertido. 

Todo mundo começou a dançar, mas estava muito lamacento lá, então alguém arrastou um tapete que pegaram de algum lugar, e o colocaram no chão. Os convidados fizeram diversos breaks e inventamos danças estúpidas. Resumindo, para mim acabou sendo dez vezes mais divertido do que o meu show. 


Dois meses depois, recebi um e-mail do Spike perguntando se eu estaria disposta a fazer uma música para o filme deles. Fiquei realmente empolgada, e respondi: "Sim, claro!". Eu estava no meio da produção do Medúlla, passando um tempo em um estúdio localizado numa pequena ilha na costa da África. Spike estava em Los Angeles, então eu escrevia a música enquanto recebia dele online, as imagens dos meninos andando de skate para que eu pudesse ver como seria no corte final. Daí, eu costumava enviar de volta e ele comentava, para que eu retrabalhasse no que solicitava. 

No dia do show, conheci todos esses caras, mas não lembrava de como se chamavam, pois tomei alguns drinques, rs. Mas um deles, acabou me enviando todos os nomes. O que eu fiz foi experimentar na letra a partir disso, colocando-os nas palavras da música".


O jornalista Mark Whiteley então lhe perguntou: "Os garotos skatistas com quem conversei que estavam nos bastidores desse show, me disseram que se divertiram muito com você, que foi o ponto alto da viagem deles. Você ficou surpresa por gostarem do seu som, ou já sabia disso?". Björk respondeu: "Para ser sincera, eu não tinha ideia de que eles tinham gostado tanto daquele dia. Fiquei muito lisonjeada em saber. Foi uma experiência muito legal, esses meninos eram destemidos! Foi muito divertido".

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Poucas horas antes do show no Metropolitan, no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI), Björk conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento. Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet:


Ao jornal Extra, ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura. Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão. Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes no setlist: "São meus amigos, crescemos juntos. Não posso tocar uma música da banda sem eles&qu…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades!

Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta Bizz, edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o Sugarcubes.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.





Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mui…

Christina Aguilera é uma grande fã de Björk

Christina Aguilera falou sobre admiração por Björk, em nova entrevista para o Apple Music
"É muito além do tempo. Ela é o motivo pelo qual não consegui continuar sendo a artista que eu era no meu primeiro álbum. É alguém que me inspirou a sempre querer me desafiar, tem tanta arte envolvida em seu trabalho. Isso mostra que existem milhares de formas de explorarmos nosso visual, a estética, voz, o timbre. 
Björk consegue gritar em um disco de forma tão incrível e angelical, tudo ao mesmo tempo em que suspira nas canções e ahhh... Isso mexeu comigo, pois quando surgi (na indústria musical), pensei tipo: "Sim, consigo cantar uma grande balada, posso fazer isso durante um dia inteiro. É maravilhoso que eu consiga e tudo mais, mas essa é só uma pequena parte daquilo que gosto de fazer". 
Amo estar no palco e criar mundos para as pessoas entrarem e explorarem, usando a imaginação e escapando de suas próprias realidades, com visuais e elementos que permitam isso. Adoro esse proc…

A paixão de Björk por Kate Bush

"Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single, por exemplo.
E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops, e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante.

Para mim, ela sempre representará a época de exploração da própria sexualidade,…

Há 40 anos, Björk lançava seu primeiro álbum!

Muitos creditam "Debut", principalmente pelo nome, como sendo o primeiro álbum de Björk, e de fato foi o primeiro e principal disco da islandesa a nível mundial, mas você sabia que 16 anos antes, em 18 de Dezembro de 1977, um álbum batizado com o nome da artista foi lançado apenas na Islândia quando ela tinha 12 anos?

Em 1976, Björk apareceu pela primeira vez na mídia em uma no rádio islandesa cantando o hit "I Love to Love" de Tina Charles.

Isso aconteceu através da escola de música que ela frequentava. A gravação chamou a atenção de uma gravadora local chamada Fálkinn, que também distribuía na Islândia os discos de artistas da EMI, Polygram e Island Records. Aliás, "Björk" é o lançamento mais famoso dessa gravadora que já não existe mais!

Após Björk assinar o contrato sob a supervisão de seus pais, as gravações aconteceram entre Agosto e Setembro de 1977 nos estúdios Hljóðriti, em Reykjavík.
O álbum tem 34:13 de duração e é composto por canções cantadas…