Pular para o conteúdo principal

Björk demonstra apoio ao movimento “Black Lives Matter”


Foto: Alasdair McLellan (2015)

Hoje (18/06), no Instagram de Björk foi feita live de Chanel Björk Sturludóttir e Diana Rós Hanh Breckmann, com o objetivo de discutir o racismo na Islândia, e o impacto do movimento Black Lives Matter no mundo. 

 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Björk (@bjork) em


Chanel produziu um programa de rádio para a emissora nacional da Islândia (RÚV) no ano passado, desconstruindo os conceitos de nacionalidade, raça e multiculturalismo. Ela também é cofundadora do Hennar rödd (Her Voice), uma plataforma para mulheres islandesas compartilharem suas experiências. Diana é estilista, e tem se manifestado contra a apropriação cultural no campo da moda. 

Foto: Divulgação

Além disso, participando do Juneteenth, a discografia de Björk passou a ser comercializada em formato digital, vinil, CD e Fita Cassete no Bandcamp, um site para artistas divulgarem e venderem seus trabalhos de forma autônoma. Todo o lucro arrecadado será doado para o Black Lives Matter UK

Nas últimas semanas, após mudar as imagens de capa e perfil em suas redes sociais, Björk tem usado feed e stories para falar sobre o Black Lives Matter. Ela também disponibilizou um link em sua bio para mais informações, com uma lista de organizações que fez doações junto a sua equipe. No dia 3 de junho, a cantora compareceu a um protesto em Reykjavík, que reuniu mais de 3.000 pessoas. 


Uma semana depois, a gravadora que Björk faz parte, mudou de One Little Indian para One Little Independent Records. Derek Birkett, fundador do selo, decidiu fazer isso após receber uma carta de um fã da banda Crass, que tem os discos até hoje distribuídos pela empresa. 


Segundo Birkett, o fã lhe explicou precisamente o motivo pelo qual o nome e a logo são racistas e trazem estereótipos sobre os povos indígenas norte-americanos. Derek se comprometeu em fazer doações para instituições como a Honoring Indoples Peoples Charitable Corporation e a Association on American Indian Affairs, que protegem, preservam e educam as pessoas sobre a cultura. Ele ainda admitiu: "Estou ciente de que meu privilégio branco me protegeu e fomentou minha ignorância sobre essas questões. Este é exatamente o oposto do que foi planejado. No entanto, sei que não são as intenções o mais importante, mas sim o impacto causado". 

Postagens mais visitadas deste blog

Björk volta ao Brasil para show no Primavera Sound

Por essa a gente não esperava... Após 15 anos, Björk volta ao Brasil para show no festival Primavera Sound . A apresentação acontece no dia 5 de novembro , em São Paulo ! Atenção: Os ingressos estão à venda ( e já acabando ) em: https://www.eventim.com.br/primaverasoundsp Estamos esperando por esse momento desde 2007 ! Björk se apresentará no Brasil com a turnê Orkestral . No repertório, estão canções de várias fases da carreira. Durante a série de lives na Islândia, a artista revisitou muitas músicas em diferentes performances. No concerto de 2022, algumas delas devem aparecer no setlist. Conheça as histórias das faixas clicando   AQUI . Na estrada, Björk estará ao lado do condutor Bjarni Frímann Bjarnason .  "Para mim, o show "Orkestral" é como um dia de feriado. Eu apenas chego com um vestido nas costas e apareço, canto e vou para casa. Torna-se mais sobre mim, a cantora. Eu trabalho com as orquestras locais de cada lugar, então sou mais como uma convidada ou uma vi

Ísadora Bjarkardóttir Barney fala sobre sua carreira como artista e o apoio da mãe Björk

Doa , também conhecida como d0lgur , é uma estudante, funcionária de uma loja de discos ( Smekkleysa ), cineasta, cantora e agora atriz. Em abril, estreia nas telonas no novo filme de Robert Eggers , The Northman . Ela interpreta Melkorka , uma garota irlandesa mantida em cativeiro em uma fazenda islandesa, que também gosta de cantar.  O nome de batismo da jovem de 19 anos, é Ísadora Bjarkardóttir Barney .  "Bjarkardóttir" reflete a tradição islandesa de usar nomes patronímicos ou matronímicos . Ou seja, o segundo nome de uma criança é baseado no primeiro nome de sua mãe ou pai. Assim, "Bjarkardóttir" significa o "dóttir" – filha – de "Bjarkar". Isto é, de Björk . E Barney vem do pai Matthew Barney, que nasceu nos Estados Unidos.  Na nova edição da revista THE FACE , a artista falou sobre sua carreira. Ela vive entre Reykjavík e Nova York , onde nasceu em outubro de 2002. Confira os trechos em que citou a mãe, a nossa Björk.  " Sjón e min

A participação de Björk em The Northman

Que saudades de ver esse rostinho lindo!  Björk esteve na estreia de "The Northman", em Reykjavík.  Nas redes sociais, a artista escreveu: "Estou muito orgulhosa de fazer parte disso. Gostaria de agradecer a Robert Eggers , Sjón e Robin Carolan por convidarem Dóa (o nome artístico da filha dela, que é uma das atrizes da grande produção) e eu para essa aventura. Estou mais do que grata!!! E obrigada a James Merry por me apoiar e Alexander (Skarsgård) por ser um co-ator gracioso".  "Durante sua cena, eu podia ver que Björk tinha uma lua cheia gigantesca atrás dela, bem atrás de sua cabeça. Aquilo pareceu perfeito para aquela cena, seu personagem e como ela estava vestida. Foi absolutamente fascinante. Ela é tão incrível!". pic.twitter.com/e9dPgaf2Ec — Björk BR (@sitebjorkbrasil) April 20, 2022 "É bom finalmente ver as raízes de alguém tratadas com imaginação, inteligência e qualidade. Eu AMEI as passagens com Mjötviður Mær . A arqueologia moder

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Em novembro de 2022, ela volta ao nosso país no festival Primavera Sound . Relembre todas as passagens da islandesa por terras brasileiras, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalment

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu