Pular para o conteúdo principal

A influência do duo Sparks na vida de Björk

"Eu era obcecada pela dupla Sparks, que surpreendia todo mundo. Meu padrasto, com quem morei dos 4 aos 14 anos, era guitarrista. Ele tocava em bandas na Islândia e era muito bom. Então fui criada ouvindo muita música desse estilo, incluindo Eric Clapton, Cream, Jimi Hendrix, Frank Zappa, todas essas coisas. Essa era a norma lá na minha casa! Ele e minha mãe odiavam Sparks, o que me fazia gostar ainda mais. Eu devia ter uns 7 anos". 

A artista conta que com essa mesma idade, decidiu se "rebelar" contra o ambiente hippie que a cercava. Pegou o aparelho de som que tinham e colocou para tocar a canção This Town Ain't Big Enough for Both of Us do duo

"Eles não gostaram muito, achavam que era muito pop, sem credibilidade e bastante cômico. Mas aquela foi a primeira vez que eu disse: "Tenho um disco e vou escutá-lo. Agora todos vocês também precisam ouvir o que gosto". Fiz isso por muito tempo e os deixei loucos". 

O álbum Kimono My House é um de seus favoritos na vida. Foi um presente do pai:

"Eram dez hippies e eu naquela casa. Eu já estava farta de todos os discos psicodélicos. Achava muito chato e repetitivo. Então naquele momento, me tornei alguém que precisava ouvir coisas diferentes do que o gosto deles. E esse é um álbum também apropriado para crianças, sabe: "Esta cidade não é grande o suficiente para nós dois, e não sou eu quem vai embora". Isso era uma declaração muito legal! 

Eu achava os dois tão teatrais! Era algo muito mais expressivo do que o pop comum. Não era só aquilo de "eu te amo e você me ama". Adoro o jeito como Russel Mael canta como uma gueixa. Até usavam os trajes, e eu já gostava muito da cultura japonesa. 

As crianças costumam gostar de um tipo de música que torna fácil imaginar o que está acontecendo na letra. Eu estava entediada com isso de guitarras e rock n'roll. Sparks era muito mais interessante, como um conto de fadas. Eles eram a coisa mais revigorante na minha vida". 

- Entrevistas para Q Magazine, Mixmag e Melody Maker, 1993. 

Em 18 de junho de 2021, será lançado nos cinemas da América do Norte e Europa The Sparks Brothers, com direção de Edgar Wright. O documentário conta a história pouco conhecida e o pioneirismo dos irmãos Ron e Russell Mael. Björk está no time de artistas com depoimentos no filme. Segundo a página do projeto no IMDb, foi incluída uma gravação da voz da islandesa. 

Fotos: Divulgação. 


Confira o trailer:

Postagens mais visitadas deste blog

A história do vestido de cisne da Björk

20 anos! Em 25 de março de 2001 , Björk esteve no Shrine Auditorium , em Los Angeles, para a 73º edição do Oscar . Na ocasião, ela concorria ao prêmio de "Melhor Canção Original" por I've Seen It All , do filme Dancer in the Dark , lançado no ano anterior.  No tapete vermelho e durante a performance incrível da faixa, a islandesa apareceu com seu famoso "vestido de cisne". Questionada sobre o autor da peça, uma criação do  fashion   designer macedônio  Marjan Pejoski , disse: "Meu amigo fez para mim".    Mais tarde, ela repetiu o look na capa de Vespertine . Variações também foram usadas muitas vezes na turnê do disco, bem como em uma apresentação no Top of the Pops .  "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas nos compreendam. Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. 

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu