Pular para o conteúdo principal

Björk deve lançar nova exposição e um álbum de inéditas em 2022

Björk deve ser o tema de uma nova exposição no museu francês Centre Pompidou-Metz, que irá explorar seu universo artístico. O projeto Un jardin d'intérieur, que é uma colaboração direta da artista e de James Merry com a instituição, deve ficar em cartaz de maio a outubro/novembro de 2022. A abertura coincide com o lançamento de um novo álbum e shows na região.

Os dois terão liberdade para usar o espaço, interpretando tudo da maneira que preferirem em uma espécie de "jardim interno", como sugere o título. Um local "misterioso e fascinante", com a integração de novas formas de criação e processos tecnológicos. Tudo isso dentro das paredes da galeria, demonstrando um estado de fluxo constante.

Segundo os curadores, Björk esteve bastante disponível para essa instalação definida como "escultural e sensorial". Atualmente, ela também está trabalhando em seu novo disco. 

As informações foram reveladas por um membro do fórum bjorkfr, que possui contatos com a equipe do museu. Ele recebeu um arquivo da programação. 

A Numéro Magazine publicou um artigo sobre a exposição, mas já apagou. Talvez o anúncio tenha sido considerado prematuro... 

A reportagem listava Chiara Parisi, diretora do museu, e o curador Patrick Steffen, como outros nomes envolvidos. Em fevereiro de 2020, no Républicain Lorrain, Parisi mencionou pela primeira vez a possibilidade de ter a estrela islandesa no centro cultural: "Esse lugar deve ser explorado com obras de arte, mas também deve poder se transformar em um jardim. Discuti esse assunto com os espaços verdes da cidade. Por que não criar um jardim de inverno? E por que não perguntar a personalidades como Björk, por exemplo?". 

Inspirada na observação de fenômenos naturais, a mostra deve apresentar uma nova abordagem de Björk, além de uma instalação audiovisual de realidade virtual e as famosas máscaras da islandesa, que nos últimos anos a transformaram em criaturas fantásticas. Ainda de acordo com o fã e o texto do museu, a abertura acontecerá junto ao lançamento do próximo álbum e uma série de shows na França. O espetáculo Orkestral já está marcado para chegar lá em junho no La Seine Musicale.

A artista segue ganhando lindas homenagens, já que em toda sua carreira ultrapassou os limites da música e se tornou alguém que inovou e marcou época, explorando diferentes linguagens para apresentar sua obra.

Foto: Jean-Paul Goude (2007) / Reprodução. 

Postagens mais visitadas deste blog

A história do vestido de cisne da Björk

20 anos! Em 25 de março de 2001 , Björk esteve no Shrine Auditorium , em Los Angeles, para a 73º edição do Oscar . Na ocasião, ela concorria ao prêmio de "Melhor Canção Original" por I've Seen It All , do filme Dancer in the Dark , lançado no ano anterior.  No tapete vermelho e durante a performance incrível da faixa, a islandesa apareceu com seu famoso "vestido de cisne". Questionada sobre o autor da peça, uma criação do  fashion   designer macedônio  Marjan Pejoski , disse: "Meu amigo fez para mim".    Mais tarde, ela repetiu o look na capa de Vespertine . Variações também foram usadas muitas vezes na turnê do disco, bem como em uma apresentação no Top of the Pops .  "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas nos compreendam. Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. 

Na 2º noite do show Orkestral, Björk resgata canções de Medúlla e outras raridades da discografia

No 2º show de Orkestral , uma grande performance de Björk , que já está entre as mais incríveis de toda sua carreira! Superando o 1º concerto, a artista apresentou várias canções de Medúlla , bem como diversas outras raridades ao longo do setlist.  Ela apareceu em um lindo vestido azul de Balenciaga , usando também um headpiece desenvolvido por James Merry . No palco, esteve acompanhada do coral Hamrahlið  sob direção de Þorgerður Ingólfsdóttir ;  Bjarni Frímann Bjarnason e Bergur Þórisson no órgão. Ela comentou sobre cada um deles ao agradecê-los durante o show:  "Apresento a vocês o diretor de orquestra e de todos os tipos de teclados: bergur þórisson, que também fez este Órgão incrível e outros instrumentos eletrônicos. Nos milhares de teclados diferentes (acordeão, piano, cravo e celesta), Bjarni Frímann.  Quero agradecer, principalmente, por uma jornada incrível, durante 18 meses em todo o mundo, o apoio, a incrível inspiração... Não sei com quem começar. Ok, primeiro, þo

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Björk fala sobre o estilo do novo álbum e o show Orkestral

Em entrevista para a rádio islandesa Rás 1 , Björk celebrou a volta aos palcos após dois anos. Ela também falou sobre o processo criativo de seu novo álbum ! No período de produção de seu próximo disco, a islandesa conta ter desenvolvido beats que ela sente que se comportam como um "vírus", "que estão parados em determinado momento, mas logo se movimentam":  "A maioria das músicas que fiz no passado, tem 80-90 beats por minuto. Existe uma razão óbvia para isso. É que costumo criar e cantar quando estou caminhando, e eu ando nessa velocidade. Porém, nesse novo álbum, é como uma espécie de ambiente "gelado" na primeira metade da canção, indo em seguida em uma direção mais calma e aconchegante. Quando falta cerca de um minuto para a faixa terminar, ela se transforma em um "clube", apenas por um minuto", explica. Segundo Björk, esse formato funciona como algo ideal para uma festa em tempos de COVID, que deveriam acontecer de um modo meno

Björk estreia nova turnê "Orkestral" com livestream direto da Islândia

No primeiro show do Björk Orkestral , o setlist trouxe clássicos e algumas raridades. É o primeiro registro audiovisual oficial desde Biophilia Live (2014). Com ingressos esgotados e a presença do público no auditório Eldborg do Harpa Hall , nossa amada cantou também para todo o mundo através de um livestream direto de Reykjavík . No palco, esteve acompanhada pela Icelandic Symphony Orchestra , o maestro Viktor Orri Árnason e a harpista Katie Buckly . Foi lindo! Houve também uma transmissão na TV e rádio local, RÚV e Rás 1 . O mesmo deve acontecer nas próximas datas. Aparentemente, o serviço está disponível apenas para quem mora lá.  Destaques: - Stonemilker : A primeira gravação profissional em vídeo da faixa, que foi lançada em 2015. - Lindos arranjos por todo o espetáculo, incluindo Aurora , I've Seen It All e Sun in My Mouth , que até então só tinha sido cantada ao vivo 4 vezes. - You've Been Flirting Again e Isobel , juntinhas como no álbum Post . - Os hinos Hyperball