Pular para o conteúdo principal

A história do "The Beast Is Back" de "Vertebrae By Vertebrae"

"É uma longa história. Espero poder resumi-la em um programa de rádio, é uma história muito longa. Mas para mim, parte disso foi por ter uma filha, porque eu já tinha tido um filho antes, e ouvi de muitos amigos meus que quando temos uma filha, de repente um portão se abre. Como se de repente, eu entendesse melhor a minha mãe, a mãe dela, e a mãe da mãe dela. É como se conseguíssemos esse tipo de "linha". Já ouvi também os pais dizerem isso sobre o primeiro filho que tiveram e que, de repente, perceberam a relação entre eles e seus pais e etc.

Temos esse portão que abre caminho para o início da humanidade. Comecei a ler muitos livros sobre essas coisas, e novamente sendo levemente influenciada pela guerra do Iraque e como a religião organizada não é uma ideia muito boa, pelo menos para mim. Como com o que estava acontecendo antes de ter essa coisa de religião organizada, quando estávamos mais em contato com o lado direito do nosso cérebro, mais intuitivos e impulsivos. Coisas como medicina natural e não era como se fôssemos bruxos, não éramos queimados vivos. E isso veio pelo fato de me perguntar como vou explicar para minha filha coisas sobre as mulheres e a posição delas no mundo, e coisas que são muito femininas. Quero dizer, no final de tudo ainda acho que somos todos masculino e feminino, mas...

Essa história de "The Beast Is Back" meio que se tornou uma música de piada [interna], uma espécie de trilha sonora de um "Filme B": "A Mãe Terra ressurge da lama!". A deusa da terra na forma de zumbi [risos]. E ela vai passar vértebra por vértebra". 


"Isso também se refere um pouco a irritação pela ideia de que a religião organizada, tem medo da natureza, eles estão apenas apavorados. E eu simplesmente acho isso tão hilário, tipo, o que há de tão assustador nisso? Por exemplo: o fato de que no ano temos treze luas cheias, e as mulheres ficam menstruadas treze vezes por ano. E eles transformaram os meses em doze meses, e todo ano todo mundo ainda fica tipo: "Oh, desta vez são 28 dias em fevereiro, 29 ou...?". Todos os dias temos que calcular, ao invés de apenas termos 28 dias e treze meses!". 

"É meio teimosa a maneira como a religião organizada é: "Não, nós não controlamos nada, não fazemos parte da natureza e somos cristãos!". Ou seja o que for, muçulmanos, judeus, e todas essas coisas. "Vamos atuar fora de tudo isso, e não vamos participar". E eu moro em um apartamento em Nova York que por acaso fica no décimo segundo andar, e não há décimo terceiro andar. Não há décimo terceiro andar em todos os arranha-céus de Manhattan, e eu fico tipo: "Vocês não tem MUITO medo da natureza?!". Sabe, a coisa da 'sexta-feira 13'. A natureza é [vista] como um filme de terror. Então, basicamente, essa música é uma espécie de deusa da terra se reerguendo pelas patas traseiras. Ela pega um giz de cera e risca todos os números quatorze em Manhattan. E no lugar deles escreve treze. A besta está de volta! [risos]".

- Björk em entrevista para XFM Radio, abril de 2007. 

Foto: Santiago Felipe. 

Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Jan

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Björk está no elenco de 'The Northman’, filme de Robert Eggers

Em outubro de 2019 , o site IndieWire garantiu que Björk estava em negociações avançadas para participar de uma nova produção do diretor Robert Eggers , responsável pelos filmes "A Bruxa" (2015) e "O Farol" (2019).  O longa, intitulado de The Northman , foi descrito como uma "saga de vingança viking", na qual um príncipe nórdico (Alexander Skarsgård) procura por justiça após seu pai ser assassinado. A história é ambientada na Islândia , na virada do Século X.  Foto: Santiago Felipe. O roteiro de Eggers foi escrito em parceria com Sjón , um grande amigo e colaborador da islandesa ( Isobel , Jóga , Bachelorette , Selmasongs , Oceania , Wanderlust , The Comet Song , Cosmogony , Virus , Solstice ). Nicole Kidman , Alexander Skarsgård , Anya Taylor-Joy , Bill Skarsgård , Kate Dickie , Ralph Ineson , Claes Bang , Ethan Hawke  e Willem Dafoe também fazem parte do elenco.  A trilha sonora é de Robin Carolan e Vessel .  Foto: Reprodução.  O Belfast Telegraph ,

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o