Pular para o conteúdo principal

A conexão entre Björk, os músicos e o público no show Orkestral

Relatos de fãs que estiveram no show da turnê "Orkestral" no Montreux Jazz Festival:

"Uma mulher desmaiou no finalzinho de "I've Seen It All" e a Björk interrompeu o show pedindo ajuda aos seguranças, que tiraram ela da plateia".

"Eu estava ao lado da jovem que passou mal. Achei a compostura e a capacidade de resposta de Björk fantásticas".

Dindaonsòn escreveu no fórum bjorkfr: "Após dois concertos em Paris, tive a chance de também assistir o do Montreux Jazz Festival. Apesar do setlist idêntico, foi muito diferente dos outros. Eu estava posicionado muito perto do palco. Essa apresentação deve continuar sendo a minha preferida. As expressões do rosto de Björk: o humor, a ironia, a raiva e a determinação... Que carisma louco! Já a vi pelo menos 7 vezes e meus momentos favoritos sempre foram aqueles em que eu estava mais próximo dela".

Nas matérias sobre o espetáculo e, principalmente, nas redes sociais, muitas reclamações sobre os telões desligados nas laterais do palco, o que atrapalhou a visão dos que estavam acompanhando de longe. O local escolhido pelo festival, com capacidade para 4.000 pessoas em pé, também foi considerado pequeno por parte dos fãs. Alguns teriam, inclusive, desmaiado durante a apresentação por causa do calor:

"Eu estava ao lado da jovem que passou mal. Achei a compostura e a capacidade de resposta de Björk fantásticas, ao contrário do time de seguranças do festival. Comparado aos outros comentários, admito que fiquei surpreso: não era perceptível de onde eu estava. Tantas pessoas realmente desmaiaram? Em lugares do mesmo tamanho, nunca vi nenhum telão, mas não sei se esse é geralmente o caso em Montreux", disse Dindaonsòn.

O fã brasileiro do perfil monsterlocaiton comentou em uma de nossas publicações no Instagram (@sitebjorkbrasil): "Uma mulher desmaiou no finalzinho de "I've Seen It All" e a Björk interrompeu o show pedindo ajuda aos seguranças, que tiraram a mulher da plateia. Eu também estava me segurando pra não cair pra trás a qualquer momento, estava na frente do palco, de frente pra ela e tive que controlar as emoções.

Montreux foi muito melhor que o de Berlim. Esse show não funciona ao ar livre, porque instrumentos de cordas exigem lugares fechados e com boa acústica. O auditório Stravinski de Montreux com a acústica perfeita foi ideal. Foi lindo e no final de "Pluto" ela deu o gritinho, exatamente como no álbum".

Sobre o desempenho e o repertório da islandesa, Dindaonsòn explicou no grupo online francês: "A voz da Björk estava impecável! Muito sensível com as respirações. Amei o fato de que podíamos ouvir isso, me lembrou de todo o trabalho de produção de "Vespertine", os sussurros poderosos quando ela decide soltar a voz com tudo. Menção especial para "Pluto" e seu sorriso de satisfação de: "Consegui!".

A respeito dos clássicos no setlist, nunca vou me cansar. Me emocionaram tanto quanto na época em que os conheci, então não consigo virar as costas. Ouvir o entusiasmo do público e poder compartilhar disso, faz parte do que eu amo nos shows ao vivo. Nunca serei um fã "velho" cansado das canções do início da carreira, que dão todo o "alívio" aos álbuns seguintes e vice-versa. Contanto que ela não cante no piloto automático, tô dentro. E estamos longe de um prato mal descongelado! Fiquei impressionado com a atenção do público em "Black Lake". Ainda é um grande desafio em um setlist, especialmente para quem espera ouvir apenas hits dos 3 primeiros álbuns.

Eu tinha esquecido da quantidade de "tiques" que vemos no rosto de Björk quando ela canta. Isso torna a performance ainda mais épica. Às vezes, tive a sensação de observar uma luta em que o canto sempre sai vitorioso. De qualquer forma, o que lembrarei daquela noite é a dimensão humana tanto da parte de Björk quanto da orquestra e, claro, do público. Menciono aqui também os olhares entre Björk e os músicos. Essa admiração recíproca foi comovente, especialmente com a violinista".

Em entrevista para Radio Chablais nos bastidores do ensaio com a Sinfonietta de Lausanne, a musicista Stéphaníe Park falou sobre esse momento especial de participar do show "Orkestral". Ela recebeu fortes aplausos do público e da própria Björk em "Black Lake".

No post no fórum, Dindaonsòn ainda disse: "Sei que estamos todos envelhecendo, mas esse concerto não está preso a tempo algum. Sou como muitos de vocês, que quando a assistiram recentemente tiveram a sensação de voltar na época das primeiras emoções musicais ligadas à descoberta de seu trabalho. É um show que foi uma ponte entre o passado e quem me tornei, tendo sempre a música de Björk como pano de fundo. Para mim, foi muito emocionante sentir isso".

Foto: Santiago Felipe.

Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres