Pular para o conteúdo principal

A conexão entre Björk, os músicos e o público no show Orkestral

Relatos de fãs que estiveram no show da turnê "Orkestral" no Montreux Jazz Festival:

"Uma mulher desmaiou no finalzinho de "I've Seen It All" e a Björk interrompeu o show pedindo ajuda aos seguranças, que tiraram ela da plateia".

"Eu estava ao lado da jovem que passou mal. Achei a compostura e a capacidade de resposta de Björk fantásticas".

Dindaonsòn escreveu no fórum bjorkfr: "Após dois concertos em Paris, tive a chance de também assistir o do Montreux Jazz Festival. Apesar do setlist idêntico, foi muito diferente dos outros. Eu estava posicionado muito perto do palco. Essa apresentação deve continuar sendo a minha preferida. As expressões do rosto de Björk: o humor, a ironia, a raiva e a determinação... Que carisma louco! Já a vi pelo menos 7 vezes e meus momentos favoritos sempre foram aqueles em que eu estava mais próximo dela".

Nas matérias sobre o espetáculo e, principalmente, nas redes sociais, muitas reclamações sobre os telões desligados nas laterais do palco, o que atrapalhou a visão dos que estavam acompanhando de longe. O local escolhido pelo festival, com capacidade para 4.000 pessoas em pé, também foi considerado pequeno por parte dos fãs. Alguns teriam, inclusive, desmaiado durante a apresentação por causa do calor:

"Eu estava ao lado da jovem que passou mal. Achei a compostura e a capacidade de resposta de Björk fantásticas, ao contrário do time de seguranças do festival. Comparado aos outros comentários, admito que fiquei surpreso: não era perceptível de onde eu estava. Tantas pessoas realmente desmaiaram? Em lugares do mesmo tamanho, nunca vi nenhum telão, mas não sei se esse é geralmente o caso em Montreux", disse Dindaonsòn.

O fã brasileiro do perfil monsterlocaiton comentou em uma de nossas publicações no Instagram (@sitebjorkbrasil): "Uma mulher desmaiou no finalzinho de "I've Seen It All" e a Björk interrompeu o show pedindo ajuda aos seguranças, que tiraram a mulher da plateia. Eu também estava me segurando pra não cair pra trás a qualquer momento, estava na frente do palco, de frente pra ela e tive que controlar as emoções.

Montreux foi muito melhor que o de Berlim. Esse show não funciona ao ar livre, porque instrumentos de cordas exigem lugares fechados e com boa acústica. O auditório Stravinski de Montreux com a acústica perfeita foi ideal. Foi lindo e no final de "Pluto" ela deu o gritinho, exatamente como no álbum".

Sobre o desempenho e o repertório da islandesa, Dindaonsòn explicou no grupo online francês: "A voz da Björk estava impecável! Muito sensível com as respirações. Amei o fato de que podíamos ouvir isso, me lembrou de todo o trabalho de produção de "Vespertine", os sussurros poderosos quando ela decide soltar a voz com tudo. Menção especial para "Pluto" e seu sorriso de satisfação de: "Consegui!".

A respeito dos clássicos no setlist, nunca vou me cansar. Me emocionaram tanto quanto na época em que os conheci, então não consigo virar as costas. Ouvir o entusiasmo do público e poder compartilhar disso, faz parte do que eu amo nos shows ao vivo. Nunca serei um fã "velho" cansado das canções do início da carreira, que dão todo o "alívio" aos álbuns seguintes e vice-versa. Contanto que ela não cante no piloto automático, tô dentro. E estamos longe de um prato mal descongelado! Fiquei impressionado com a atenção do público em "Black Lake". Ainda é um grande desafio em um setlist, especialmente para quem espera ouvir apenas hits dos 3 primeiros álbuns.

Eu tinha esquecido da quantidade de "tiques" que vemos no rosto de Björk quando ela canta. Isso torna a performance ainda mais épica. Às vezes, tive a sensação de observar uma luta em que o canto sempre sai vitorioso. De qualquer forma, o que lembrarei daquela noite é a dimensão humana tanto da parte de Björk quanto da orquestra e, claro, do público. Menciono aqui também os olhares entre Björk e os músicos. Essa admiração recíproca foi comovente, especialmente com a violinista".

Em entrevista para Radio Chablais nos bastidores do ensaio com a Sinfonietta de Lausanne, a musicista Stéphaníe Park falou sobre esse momento especial de participar do show "Orkestral". Ela recebeu fortes aplausos do público e da própria Björk em "Black Lake".

No post no fórum, Dindaonsòn ainda disse: "Sei que estamos todos envelhecendo, mas esse concerto não está preso a tempo algum. Sou como muitos de vocês, que quando a assistiram recentemente tiveram a sensação de voltar na época das primeiras emoções musicais ligadas à descoberta de seu trabalho. É um show que foi uma ponte entre o passado e quem me tornei, tendo sempre a música de Björk como pano de fundo. Para mim, foi muito emocionante sentir isso".

Foto: Santiago Felipe.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk volta ao Brasil para show no Primavera Sound

Por essa a gente não esperava... Após 15 anos, Björk volta ao Brasil para show no festival Primavera Sound . A apresentação acontece no dia 5 de novembro , em São Paulo ! Atenção: Os ingressos estão à venda ( e já acabando ) em: https://www.eventim.com.br/primaverasoundsp Estamos esperando por esse momento desde 2007 ! Björk se apresentará no Brasil com a turnê Orkestral . No repertório, estão canções de várias fases da carreira. Durante a série de lives na Islândia, a artista revisitou muitas músicas em diferentes performances. No concerto de 2022, algumas delas devem aparecer no setlist. Conheça as histórias das faixas clicando   AQUI . Na estrada, Björk estará ao lado do condutor Bjarni Frímann Bjarnason .  "Para mim, o show "Orkestral" é como um dia de feriado. Eu apenas chego com um vestido nas costas e apareço, canto e vou para casa. Torna-se mais sobre mim, a cantora. Eu trabalho com as orquestras locais de cada lugar, então sou mais como uma convidada ou uma vi

25 anos de Post - Conheça curiosidades sobre o álbum icônico de Björk

13 de junho de 1995: Há exatos 25 anos , era lançado Post , um dos trabalhos mais marcantes da carreira de Björk. Em comemoração a essa data especial, preparamos uma super matéria honrando a importância desse disco repleto de clássicos.  Para começar, conheça a história do álbum no documentário  dividido em dois episódios  na Websérie Björk . Os vídeos incluem imagens de bastidores, shows e diversas entrevistas detalhando a produção de Post e os acontecimentos daquela era. Tudo legendado em português !     Além disso, separamos vários depoimentos sobre as inspirações por trás das canções e videoclipes do álbum:  1. Army of Me: "Algumas das minhas melodias são muito difíceis para que outras pessoas possam cantar, mesmo que não envolvam técnicas específicas. Essa talvez é a única das minhas músicas que escapa desse 'padrão'. Me lembro de que, quando a escrevi, tentei ter um certo distanciamento. Meu irmão mais novo est

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Em novembro de 2022, ela volta ao nosso país no festival Primavera Sound . Relembre todas as passagens da islandesa por terras brasileiras, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalment

Björk está no elenco de 'The Northman’, filme de Robert Eggers

Em outubro de 2019 , o site IndieWire garantiu que Björk estava em negociações avançadas para participar de uma nova produção do diretor Robert Eggers , responsável pelos filmes "A Bruxa" (2015) e "O Farol" (2019).  O longa, intitulado de The Northman , foi descrito como uma "saga de vingança viking", na qual um príncipe nórdico (Alexander Skarsgård) procura por justiça após seu pai ser assassinado. A história é ambientada na Islândia , na virada do Século X.  Foto: Santiago Felipe. O roteiro de Eggers foi escrito em parceria com Sjón , um grande amigo e colaborador da islandesa ( Isobel , Jóga , Bachelorette , Selmasongs , Oceania , Wanderlust , The Comet Song , Cosmogony , Virus , Solstice ). Nicole Kidman , Alexander Skarsgård , Anya Taylor-Joy , Bill Skarsgård , Kate Dickie , Ralph Ineson , Claes Bang , Ethan Hawke  e Willem Dafoe também fazem parte do elenco.  A trilha sonora é de Robin Carolan e Vessel .  Foto: Reprodução.  O Belfast Telegraph ,

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí