Pular para o conteúdo principal

Como a Sinfonietta de Lausanne se preparou para o show de Björk no Montreux Jazz Festival

Em 03/07, Björk voltou ao Montreux Jazz Festival pela primeira vez desde 1998. Na Suiça, a islandesa esteve acompanhada da Sinfonietta de Lausanne. No show, ela revisitou canções de diferentes momentos da carreira. Para o site Swissinfo, Emmanuel Dayer, o diretor executivo da orquestra, contou detalhes dos bastidores dessa parceria:

"Temos uma colaboração com o Montreux Jazz Festival quase todos os anos. É uma plataforma importante para nós em termos de visibilidade. Certos projetos musicais são obviamente mais divulgados do que outros. Faz parte do DNA versátil da Sinfonietta. Gostamos desse tipo de desafio. Também nos permite atingir outra audiência, variar nosso público. Quanto a Björk, não tem como recusar. Não é todo dia que temos projetos assim. É ótimo o trabalho que ela faz. É muito rítmica e enérgica. Ela tem um lado extraordinário, não consensual. É uma chance e uma vantagem para nossos músicos", explicou Dayer.

Para acompanhar Björk, foi solicitada uma orquestra de cordas local com 32 músicos. Um grupo composto por dez violinos, dez violas, dez violoncelos e dois contrabaixos. Já o maestro Bjarni Frimann Bjarnason, que faz parte da equipe de produção da cantora, administra toda a agenda de trabalho desse tipo de evento. O MJF fez o papel de intermediário com a Sinfonietta:

"Recebemos o programa musical, as partituras e todos os arranjos precisos há dois ou três meses. Nossos músicos tomaram conhecimento de tudo há cerca de duas semanas para trabalhar individualmente e depois em grupo", disse Emmanuel.

A orquestra só se reuniu pela primeira vez no sábado (02/07), para os dois ensaios previstos com o maestro islandês, que os músicos também encontraram pela primeira vez. Björk não esteve presente. Eles também se reuniram no domingo para a "passagem de som", o terceiro e último ensaio antes do show ao vivo, que começou às 20h30.

No final, isso representa apenas cerca de dez horas de ensaio coletivo, sem contar a preparação individual de cada um dos 32 músicos: "Não é necessariamente uma grande coisa, um grande projeto sinfônico. Mas é um trabalho muito intenso, muito técnico também, e com muita pressão. Claro, não temos tempo para ficarmos amigos da artista. O som, o volume, a frequência, as luzes. Tudo é cronometrado e medido. É o ápice do profissionalismo", comentou Dayer.

Muito além disso, o desafio para esses músicos estava na "magia ao vivo": "É preciso voar para que o público seja levado junto ao artista, e isso nunca é algo garantido. Tudo depende do artista, com quem é preciso criar uma conivência, uma cumplicidade", concluiu.

Sobre o show, o site TDG escreveu:

"Nuvens islandesas caíram no domingo à noite nos cais superaquecidos de Montreux. Primeiro muito literalmente com uma chuva de boas-vindas, depois mais simbolicamente com o show de Björk, que se seguiu ao de Nick Cave no dia anterior. Cinco anos depois de "Utopia", a inclassificável vocalista chegou ao palco precedida por um grande ponto de interrogação: o que poderíamos esperar dela depois de tantos anos? Todas as dúvidas foram dissipadas na primeira canção do setlist, "Stonemilker".

A cantora ainda é capaz de milagres de expressividade e modulação em sua voz. Apoiada pelas cordas da orquestra conduzida pelo jovem maestro islandês Bjarni Frimann Bjarnason, – você já deve ter visto um maestro de braços nus pelo menos uma vez na vida! – Björk imediatamente mostrou a predominância de seus vocais, peça central desse show. Talvez tenha sido esse desafio artístico maravilhosamente realizado que cativou a todos imediatamente.

Às vezes, essa comparação é exagerada, mas repito mesmo assim: no melhor dos casos, a música de Björk parece ser atravessada pelas forças elementares da água, do ar, da terra e do fogo, tão presentes na geografia islandesa pontuada por vulcões, geleiras, ventos e musgos.

Talvez não seja por acaso que, após uma primeira longa sequência sem faixas muito conhecidas do repertório dela, o início do segundo ato tenha sido com "Hunter". A sequência se desdobra entre títulos de "Homogenic", "Post" e "Vespertine". É assim até o final com “Pluto", que trouxe o desafio de traduzir uma peça tecnológica em um vocabulário acessível para orquestra. Um concerto que soou como um reencontro, com uma artista e sua lenda mais uma vez muito viva".

Setlist:
1. Stonemilker
2. Aurora
3. Come to Me
4. Lionsong
5. I've Seen It All
6. History of Touches
7. Black Lake
8. Hunter
9. You've Been Flirting Again
10. Isobel
11. Bachelorette
12. Jóga
13. Quicksand
14. Hyperballad
15. Overture
16. Pluto

Foto: Santiago Felipe.

Ensaios:

Postagens mais visitadas deste blog

Björk volta ao Brasil para show no Primavera Sound

Por essa a gente não esperava... Após 15 anos, Björk volta ao Brasil para show no festival Primavera Sound . A apresentação acontece no dia 5 de novembro , em São Paulo ! Atenção: Os ingressos estão à venda ( e já acabando ) em: https://www.eventim.com.br/primaverasoundsp Estamos esperando por esse momento desde 2007 ! Björk se apresentará no Brasil com a turnê Orkestral . No repertório, estão canções de várias fases da carreira. Durante a série de lives na Islândia, a artista revisitou muitas músicas em diferentes performances. No concerto de 2022, algumas delas devem aparecer no setlist. Conheça as histórias das faixas clicando   AQUI . Na estrada, Björk estará ao lado do condutor Bjarni Frímann Bjarnason .  "Para mim, o show "Orkestral" é como um dia de feriado. Eu apenas chego com um vestido nas costas e apareço, canto e vou para casa. Torna-se mais sobre mim, a cantora. Eu trabalho com as orquestras locais de cada lugar, então sou mais como uma convidada ou uma vi

25 anos de Post - Conheça curiosidades sobre o álbum icônico de Björk

13 de junho de 1995: Há exatos 25 anos , era lançado Post , um dos trabalhos mais marcantes da carreira de Björk. Em comemoração a essa data especial, preparamos uma super matéria honrando a importância desse disco repleto de clássicos.  Para começar, conheça a história do álbum no documentário  dividido em dois episódios  na Websérie Björk . Os vídeos incluem imagens de bastidores, shows e diversas entrevistas detalhando a produção de Post e os acontecimentos daquela era. Tudo legendado em português !     Além disso, separamos vários depoimentos sobre as inspirações por trás das canções e videoclipes do álbum:  1. Army of Me: "Algumas das minhas melodias são muito difíceis para que outras pessoas possam cantar, mesmo que não envolvam técnicas específicas. Essa talvez é a única das minhas músicas que escapa desse 'padrão'. Me lembro de que, quando a escrevi, tentei ter um certo distanciamento. Meu irmão mais novo est

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Em novembro de 2022, ela volta ao nosso país no festival Primavera Sound . Relembre todas as passagens da islandesa por terras brasileiras, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalment

Björk está no elenco de 'The Northman’, filme de Robert Eggers

Em outubro de 2019 , o site IndieWire garantiu que Björk estava em negociações avançadas para participar de uma nova produção do diretor Robert Eggers , responsável pelos filmes "A Bruxa" (2015) e "O Farol" (2019).  O longa, intitulado de The Northman , foi descrito como uma "saga de vingança viking", na qual um príncipe nórdico (Alexander Skarsgård) procura por justiça após seu pai ser assassinado. A história é ambientada na Islândia , na virada do Século X.  Foto: Santiago Felipe. O roteiro de Eggers foi escrito em parceria com Sjón , um grande amigo e colaborador da islandesa ( Isobel , Jóga , Bachelorette , Selmasongs , Oceania , Wanderlust , The Comet Song , Cosmogony , Virus , Solstice ). Nicole Kidman , Alexander Skarsgård , Anya Taylor-Joy , Bill Skarsgård , Kate Dickie , Ralph Ineson , Claes Bang , Ethan Hawke  e Willem Dafoe também fazem parte do elenco.  A trilha sonora é de Robin Carolan e Vessel .  Foto: Reprodução.  O Belfast Telegraph ,

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí