Pular para o conteúdo principal

Björk encerra mais uma etapa da turnê Orkestral. Próximo show é no Brasil!

Em Bergen (Noruega), Björk encerrou mais uma etapa do show "Orkestral".

Próxima Parada: São Paulo, Primavera Sound - 5 de novembro de 2022! 🇧🇷

Você já pode preparar a sua playlist e começar a ensaiar as letras. Nas apresentações da turnê realizadas ao longo desse ano, a islandesa cantou as seguintes canções:

Stonemilker
Aurora
Come to Me
Lionsong
I've Seen It All
History of Touches
Black Lake
Hunter
You've Been Flirting Again
Isobel
Bachelorette
5 Years*
Jóga
Quicksand
Mouth Mantra*
Hyperballad
Overture
Notget*
Pluto

Total: 19
Vulnicura - 7
Homogenic - 5
Post - 3
Selmasongs - 2
Debut - 1
Vespertine - 1

Uh, é "Vulnicura Tour". No total, ela tem selecionado 16 canções por setlist. Você acha que alguma coisa vai mudar? Eu não! 😂 É um show de aproximadamente 90 minutos e o número de faixas parece uma escolha para preservar a voz, o que é compreensível.

*Até agora, "5 Years", "Mouth Mantra" e "Notget" foram apresentadas apenas uma única vez na turnê em 2022.

Ainda que o novo álbum saia antes do Primavera Sound, acredito que "Orkestral" vai permanecer do jeito que já conhecemos, mas também acho que tudo depende da configuração das novas faixas. Por exemplo, quando Björk lançou "The Gate" (2017), ela ainda estava nas últimas duas datas da turnê do álbum anterior, um show até bem próximo desse "Orkestral" que vem para o Brasil. Na ocasião, a música não apareceu no repertório e só ganhou performance no ano seguinte, provavelmente por ser de uma outra proposta de som, mas tudo pode acontecer...

Em matéria especial no nosso site, publiquei as histórias de todas as músicas do espetáculo, incluindo as 46 que apareceram ao longo dos 4 livestreams de 2021. Confira clicando AQUI.

No show de 03/08, Björk dividiu o palco novamente com o maestro Bjarni Frímann e os músicos do Trondheim Soloists. Qual será a orquestra local que vai acompanhá-la aqui no Brasil? 🤔

Infelizmente, os telões laterais permaneceram desligados em todos os shows em que estavam disponíveis, o que com certeza atrapalhou bastante a visão/experiência de quem estava acompanhando de longe do palco.

Nas últimas semanas, Björk se apresentou em festivais tão grandes quanto o Primavera Sound. Os artistas que dividiram o mesmo palco que ela não desligaram o telão, o que nos leva a conclusão de que isso tem acontecido por solicitação da equipe da islandesa. Assim, é muito possível que aconteça a mesma coisa em São Paulo.

"Orkestral" não tem uma grande estrutura visual extra no palco. Se trata apenas de Björk (+ seus vestidos imensos, maquiagem elaborada e máscara) e os músicos. É um caso bem diferente das últimas turnês, que mesmo quando passaram por festivais ou lugares grandes foram na maioria das vezes exibidas normalmente no telão.

Entendo que agora a intenção é que os arranjos das composições apareçam como protagonistas. Acho legal a experiência de ter contato com a obra dela nessas versões tão grandiosas, mas não é o suficiente, isso não justifica desligar os telões.

A experiência do show ao vivo vai além dessa ideia de curtir apenas o som. Não é uma audição pública de um álbum ao vivo, é um show real com pessoas que pagaram MUITO caro para estarem ali, e que estão vindo de várias partes do país. Obviamente, queremos enxergá-la. Aliás, é surreal a gente ainda ter que cobrar e discutir esse assunto. O telão nas laterais do palco é o mínimo. E mesmo quem vai ficar na grade, talvez nem consiga ver muita coisa dela por causa dos looks 😂.

Importante lembrar que essa turnê começou em um teatro na Islândia, os concertos transmitidos ao vivo na internet. Em teatros e espaços pequenos, não é grande a necessidade de um telão. Por esse motivo, alguns nem tem. Foi o caso dos shows solos em Reykjavík, Miami e Paris. Locais que acomodaram de 2 a 4 mil pessoas.

Em Berlim e Bergen, com dois shows também fora de festivais, ela se apresentou em espaços grandes e ao ar livre, com capacidade para mais de 10 mil pessoas. Em Berlim, o público assistiu ao show sentado, mas novamente sem telões.

No festival de Montreux, mesmo em um teatro fechado para 4 mil pessoas, Björk foi criticada nas redes sociais por desligar o telão. Isso também foi comentário nos reviews da performance. Em locais abertos, ela repetiu o erro em outros grandes festivais europeus: Bluedot (25 mil pessoas) e Olavsfest. Além disso, alguns fãs também estão preocupados com o som desse tipo de show em um local aberto, reclamação que também apareceu em declarações do público de outros países.

Vi uma galera dizendo que espera que ela não se apresente no espaço grande do Distrito Anhembi, a agora chamada "Passarela Cultural" (Sambódromo). O lugar é o mesmo dos desfiles do Carnaval de SP e normalmente recebe shows. Ainda não sabemos se o Primavera Sound terá palcos fora desse espaço no dia 05/11.

No Anhembi, existe também uma espécie de teatro, o Centro de Convenções, que é perfeito para essa turnê! No entanto, a capacidade do local é de 2.505 lugares. Isso pode ser um problema se mais pessoas quiserem assistir ao show. No festival de Montreux, por exemplo, fãs reclamaram nos comentários dos posts de Björk nas redes sociais. Eles alegaram que além da ausência do telão, o teatro de 4 mil pessoas estava muito lotado e não podia receber mais pessoas que queriam vê-la. Houve relatos de desmaios no local por causa do calor.

A outra opção no Anhembi é o Pavilhão de Exposições, um local também fechado, que pode receber eventos para até mais de 5 mil pessoas. No momento, também está sendo desenvolvida a Arena São Paulo, com capacidade para 20 mil pessoas, mas que só será inaugurada em 2024.

Confira mais detalhes clicando AQUI.

A verdade é que é muito mais barato para Björk e equipe viajarem com essa turnê. As orquestras são de músicos locais, não há banda adicional, o setlist é fixo, não existe a preocupação com vídeo de backdrop nem cenário. Em entrevista ao "The Mercury News" no início desse ano, a própria Björk declarou:

"Para mim, o show "Orkestral" é como um dia de feriado. Eu apenas chego com um vestido nas costas e apareço, canto e vou para casa. Torna-se mais sobre mim, a cantora. Eu trabalho com as orquestras locais de cada lugar, então sou mais como uma convidada ou uma visitante".

Vamos ter bom senso na hora de passar pano, galera. Limites, hein! 😆 Não é uma questão de apenas chegar cedo. São muitos os motivos pelos quais o telão é usado. Ela vai ser massacrada (e com razão!) aqui no Brasil se desligá-lo. Isso nunca é bem recebido pelo público, ainda mais que o lineup do dia inclui outros grupos, com pessoas que não costumam ouvir as músicas dela, principalmente nesse formato de orquestra.

O que nos resta é torcer para tudo dar certo. São 15 anos de espera! Não estamos pedindo para mudar o conceito do show, nem exigindo que roupas ou assessórios deve usar. Apenas queremos que também ligue os telões. Nada mais. 😂

Estamos cientes de tudo o que pode rolar, mas muito além da proposta artística, como público nós sempre merecemos o melhor. Não esqueçam que isso não é de graça! No 3° lote das vendas, o valor do ingresso de meia-entrada (estudante) + taxas está custando 620 reais. Ainda aguardamos que a produção do Primavera Sound libere o mapa do evento, que até agora não foi disponibilizado. Queremos saber mais detalhes, incluindo o local da tal área vip.

Enfim, vamos aguardar os próximos capítulos de Björk nos palcos, que já serão na América do Sul e começando pelo nosso país. Tem tudo para ser inesquecível!

Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres