Pular para o conteúdo principal

Confira a capa, tracklist, data de lançamento e parcerias de Fossora, o novo álbum de Björk

Bem-vindos ao mundo de "Fossora".

A capa do novo álbum de Björk já está entre nós! Conheça todos os detalhes do projeto com a tradução da publicação da islandesa nas redes sociais:

"Cada álbum sempre começa com um sentimento que eu tento moldar em um som. Depois de "Utopia", o meu disco anterior, que era todo sobre uma ilha nas nuvens, o elemento do ar e sem um baixo, a sensação agora é de estar pousando na terra e cavando meus pés no chão.

Isso também foi tecido em como eu experimentei o "agora". Desta vez, os 7 bilhões de nós fizemos isso juntos aninhando em nossas casas em quarentena, estando tempo longo o suficiente em um lugar que derrubamos raízes.

Meu novo álbum, "Fossora", é sobre isso! É uma palavra que eu inventei, é o feminino de "fossore" (escavador, aquele que fura, procura), portanto, em resumo, significa: "aquela que cava" (no chão). Então, sonoramente é sobre graves/baixo, com um fundo pesado no final (das canções). Temos 6 tipos de clarone e um som mais (forte) "punchy sub".

Quero agradecer especialmente Bergur Pórisson, Heba Kadry e Side Project; El Guincho, Hamrahlíð Choir, Soraya Nayyar, o sexteto de clarone Murmuri, Siggi String Quartet Ensemble, Emilie Nicolas, Serpentwithfeet, Viibra e por último, mas não menos importante: Sindri e Dóa.

Os visuais foram feitos por: Viðar Logi, James Merry, M/M Paris, Nick Knight, Andrew Thomas Huang, Edda, Hungry, Tomihiro Kono, Sayaka Maruyama, Sunna, Sara Nassim, Heimir Sverrisson (do Irma Studio de Reykjavík) e meu sempre tão leal e magnífico time: Derek, Rosamary, Catherine, Chiara Michieletto, Hilma e Móa".


Tracklist:
1. Atopos (com Kasimyn) 4:46
2. Ovule 3:37
3. Mycelia 2:00
4. Sorrowful Soil 3:15
5. Ancestress (com Sindri Eldon) 7:17
6. Fagurt Er í Fjörðum 0:44
7. Victimhood 6:57
8. Allow (com Emilie Nicolas) 5:26
9. Fungal City (com serpentwithfeet) 4:45
10. Trölla-Gabba (com Kasimyn) 1:57
11. Freefall 4:31
12. Fossora (com Kasimyn) 4:19
13. Her Mother’s House (com ísadóra bjarkardóttir barney) 4:33

Duração: 54:14

O lançamento do disco será em 30 de setembro de 2022 nos formatos Digital, Streaming, Vinil Duplo, LPs Duplos Coloridos, Fita K7, CD, CD Digisleeve e CD Edição Deluxe Hardbound 20p Book (no formato de um livro com 20 páginas).

Foto: Vidar Logi.

Clique AQUI para conferir os links da pré-venda.

Créditos:
Direção Criativa da Capa: Björk, James Merry.
Fotografia/Direção: Vidar Logi.
Vestido e luvas: Jisoo.
Stockings : Gucci.
Stylist: Edda Gudmundsdottir.
Maquiagem: Sunna Björk Erlingsdottir.
Colar, sapatos e anel: James Merry.
Hair Stylist: Tomihiro Kono.
Efeitos na cor de cabelo da peruca: Sayaka Maruyama.
Produtora do ensaio da capa do álbum: Sara Nassim.
Produção de Designer: Heimir Sverrisson, Irma Studio.
CGI e Retoques de Fotografia/Still: Studio Private.
Design, tipografia e "fungos digitais": M/M (Paris).
Assistente: Jón Guðrún-Carlosson.


Após o anúncio oficial, alguns dos colaboradores de Björk no disco "Fossora" falaram nas redes sociais sobre a parceria com a artista:

- Tomihiro Kono, designer de perucas: "Björk, não posso agradecer o suficiente a você por me convidar para essa colaboração criativa no seu novo álbum. Ajudá-la a procurar um novo personagem foi uma experiência tão emocionante! Gostei de estar nessa jornada com você compartilhando referências e colocando ideias em forma. Muito obrigado por respeitar a mim e ao meu trabalho. Estou super empolgado com suas novas músicas, elas são tão boas! Me sinto muito honrado em ter ido visitar a Islândia pela primeira vez para fazer esse ensaio fotográfico. Sua equipe me recebeu com muito carinho. Estou esperando você para visitar o Japão na próxima primavera!!!".

- Viðar Logi, fotógrafo: "Eu fotografei a capa de um álbum da Björk??? Ainda não entendi isso, não tenho certeza se algum dia irei, mas tenho muito orgulho de fazer parte do universo visual de "Fossora", fermentando nos últimos 3 anos de festas em casa na Islândia. Obrigado, Björk por sua amizade, confiança, carinho e por me receber nessa jornada tão linda. Você continua me surpreendendo com quem eu posso ser. Um grande abraço também para James Merry. Sou muito grato por sua orientação e apoio contínuo, e um grande beijo a todos os colaboradores incrivelmente talentosos que fizeram desta capa o que ela é. Não posso agradecer o suficiente, Björk. Esses últimos anos cavando, semeando e todo o trabalho duro foram mágicos do começo ao fim!".

- James Merry, co-diretor criativo: "Ainda me belisco sempre que Björk me convida a descer até a toca do coelho para outra aventura visual nos mundos de seus álbuns. 13 anos atrás, eu comecei a trabalhar como assistente dela e ela alimentou e encorajou muito da minha própria criatividade, isso mudou minha vida para sempre! Obrigado, Björk. Mal posso esperar para que as pessoas ouçam seu disco maravilhoso⁣. Um parabéns especial também para Vidar Logi por montar esse mundo com a gente com tanta maestria. Logo irei postar mais detalhes dos vários objetos que fiz nessa imagem da capa, principalmente os sapatos".

- Heba Kadry, engenheira de masterização: "Um sonho de febre fúngica. Obrigada, Björk por sua generosidade, sua brilhante mente para produção e por me deixar fazer parte da tapeçaria sonora iridescente que você tece. Estou muito orgulhosa desse álbum!".

- Emilie Nicolas, cantora e compositora: "Me sinto tão honrada por fazer parte disso. Cantar ao lado de sua voz, Björk, é um sonho realizado".

Em 2020, durante entrevista ao Fréttablaðið, Björk já tinha citado o nome dela: "Estou constantemente ouvindo música e encontrando coisas novas, crio playlists diferentes para diferentes tipos de humor. No momento, tenho escutado bastante Emilie Nicolas".

- Heimir Sverrisson do Irma Studio: "Design de produção, construção de set. Também saímos da nossa zona de conforto para fazer sapatos com o incrível James Merry. Obrigado por serem tão talentosos e cheios de energia. Mal podemos esperar para mostrar o resto desse set!".

- Edda Gudmundsdottir, maquiagem: "Tenho muito orgulho de fazer parte do universo visual de "Fossora". Sonhos se tornam realidade. Obrigada, Björk pela amizade, confiança e inspiração sem fim e por me ter como parte desta linda jornada. Parabéns a todos os colaboradores desse projeto. Tem sido uma honra trabalhar com vocês".

Curiosidades:

- Pela 2° vez, um álbum de Björk leva uma faixa-título: "Fossora". O nome da artista também aparece na capa, o que não foi algo comum ao longo da carreira.

- "Allow" é uma faixa das sessões de "Utopia", que provavelmente foi retrabalhada para o universo de "Fossora". Em 2017, Björk disse para Dazed que a inspiração veio da amizade dela com Arca

"Passamos muitos feriados juntas. Reservamos Airbnbs no Caribe. Andávamos pela selva, gravando pássaros. A letra é muito nós duas, nadando no oceano por dias. No 9° dia, essa canção apenas aconteceu".

Na época, a Dazed definiu a faixa como uma das mais diretas e melódicas que ela havia tocado durante a entrevista. Segundo a publicação, é uma música que ilustra bem a maneira como o relacionamento das duas se desenvolveu ao longo do tempo.

- "Fagurt Er í Fjörðum" conta com letras de um poema de Látra-Björg. É uma canção tradicional islandesa, que reflete o país em invernos longos e escuros com temas sobre perda e tristeza. Ao longo do tempo, foi gravada por vários artistas locais, incluindo Hugar, dupla da qual Begur þòrisson faz parte. Quem também já adaptou foi o Hamrahlíð Choir. Fãs, inclusive, suspeitam que Björk tenha gravado justamente essa faixa com o coral.

Látra-Björg foi uma famosa pescadora e poeta islandesa do século XVIII. Ela escreveu obras que muitos acreditavam que lançavam feitiços sobre aqueles que a cruzavam.

Considerada alguém com um senso sobrenatural sobre o mar, era também capaz de "ler" as condições do clima, de prever determinados eventos na região e tinha um ótimo senso de direção quando saía de barco, lugar em que escreveu muitos de seus textos.

Ela morava em um fiorde remoto no norte da Islândia. Seus feitos eram tão notáveis, que se criou um conto popular sobre ela. Morreu durante a fome ligada às consequências naturais causadas pela erupção do vulcão Laki entre 1783 e 1784, que também afetou grande parte do Hemisfério Norte.



Postagens mais visitadas deste blog

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Hildur Rúna Hauksdóttir, a mãe de Björk

"Como eu estava sempre atrasada para a escola, comecei a enganar a minha família. Minha mãe e meu padrasto tinham o cabelo comprido e eles eram um pouco hippies. Aos dez anos de idade, eu acordava primeiro do que eles, antes do despertador tocar. Eu gostava de ir na cozinha e colocar o relógio 15 minutos mais cedo, e então eu iria acordá-los... E depois acordá-los novamente cinco minutos depois... E de novo. Demorava, algo como, quatro “rodadas”. E então eu acordava meu irmãozinho, todo mundo ia escovar os dentes, e eu gostava de ter certeza de que eu era a última a sair e, em seguida, corrigir o relógio. Fiz isso durante anos. Por muito tempo, eu era a única criança da minha casa, e havia mais sete pessoas vivendo comigo lá. Todos tinham cabelos longos e ouviam constantemente Jimi Hendrix . O ambiente era pintado de roxo com desenhos de borboletas nas paredes, então eu tenho uma certa alergia a essa cor agora (risos). Vivíamos sonhando, e to

A história do vestido de cisne da Björk

20 anos! Em 25 de março de 2001 , Björk esteve no Shrine Auditorium , em Los Angeles, para a 73º edição do Oscar . Na ocasião, ela concorria ao prêmio de "Melhor Canção Original" por I've Seen It All , do filme Dancer in the Dark , lançado no ano anterior.  No tapete vermelho e durante a performance incrível da faixa, a islandesa apareceu com seu famoso "vestido de cisne". Questionada sobre o autor da peça, uma criação do  fashion   designer macedônio  Marjan Pejoski , disse: "Meu amigo fez para mim".    Mais tarde, ela repetiu o look na capa de Vespertine . Variações também foram usadas muitas vezes na turnê do disco, bem como em uma apresentação no Top of the Pops .  "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas nos compreendam. Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. 

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí