Pular para o conteúdo principal

Fossora: Björk muito além do "som" dos cogumelos

A artista islandesa apresenta "Fossora" e de seu país nos conta sobre a ideia que envolve esse trabalho. Além disso, ela relembra o início de sua carreira. Confira a tradução completa da entrevista de Björk para a Rolling Stone Spain:

Há muitas coisas que se gostaria de perguntar a Björk. Ela é uma espécie de farol criativo para o qual artistas de várias disciplinas buscam inspiração há muitos anos. Gostaríamos de lhe pedir que descrevesse com suas próprias palavras o misterioso timbre de sua voz e os processos que ocorrem em sua cabeça ao explorar todas as sonoridades que fazem parte de sua obra; seria muito interessante ouvi-la falar sobre essa evolução que a levou do punk nas ruas de Reykjavík às vanguardas sonoras e visuais do mundo; ouvi-la explicar como ela teve sucesso no mainstream fazendo música tão inovadora e desafiadora; perguntar a ela sobre os maravilhosos videoclipes de "Human Behavior", "Army of Me" e "Bachelorette", verdadeiras obras de arte criadas em conjunto com o grande Michel Gondry.

Também valeria a pena conhecer sua história e sua atuação em "Dançando no Escuro". Aprenderíamos muito ao ouvi-la falar sobre a presença de sua obra em tantos museus ao redor do mundo. Poderíamos perguntar por horas sobre a consciência social e ambiental que herdou de seus pais, ou sobre seu apoio a vários movimentos de independência. Poderíamos falar com ela sobre tudo isso e mil outras coisas, mas o tempo não é suficiente, especialmente agora, quando ela está apresentando um novo álbum.

No entanto, qualquer conversa com Björk pode acabar abordando as questões mais transcendentais, pois ao contrário de muitas figuras pré-fabricadas, ela é uma artista com história, com um legado único que a leva a alcançar a transcendência plena. Arestas e nuances, reflexos de uma obra rica, diversificada e profunda. No final de agosto tivemos a oportunidade de conversar longamente com ela, e este é o resultado do nosso diálogo:

- Björk, foi dito que seu novo álbum, "Fossora", representa um vislumbre de suas raízes musicais e familiares, o que você pode nos dizer sobre isso?

Bom, a verdade é que gostei muito de estar aqui, na Islândia, durante o Covid, foi incrível. Tenho sido muito feliz por aqui nos últimos três anos. Saio para tomar um café, vou à piscina, vejo meus amigos e familiares, já trabalhei com músicos locais. Tem sido um período muito agradável.

- Na Islândia, a quarentena não foi tão difícil para as pessoas…

Não, as restrições eram bem poucas na Islândia.

- O que você quer comunicar em "Fossora" com o conceito de cogumelos?

É uma forma de explicar às pessoas o mundo dos sons. Às vezes, quando usamos ferramentas visuais, as pessoas entendem melhor os mundos sonoros, acho que a maioria acha difícil usar palavras para descrever um som. No meu álbum anterior, "Utopia", criei uma espécie de ilha nas nuvens, era como uma história de ficção científica. Menciono isso porque em todas as músicas havia muitas flautas e instrumentos de sopro, tudo estava no ar, quase não havia baixos ou beats, tudo estava flutuando no ar. Foi isso que eu quis dizer com "uma cidade no céu" em "Utopia". Aquilo era uma ferramenta, um atalho visual para descrever o som do álbum. O som de "Fossora", o novo disco, é mais terreno; há seis clarones e um monte de coisas acontecendo na base dele. Então, quando eu digo que é um "álbum de cogumelos", quero dizer que tem um som meio "mofado". Mas também há outras razões; Gravei esse álbum em um período de cinco anos, mas nisso as músicas também são parecidas com cogumelos, são muito diferentes umas das outras, e também quero dizer que é como se fosse meu pouso depois de estar nas nuvens de "Utopia" [Risos]. É mais como um pouso aqui na Islândia. Quando podemos ficar muito tempo em um lugar, temos a oportunidade de criar raízes e colocar os pés no chão. A gente fica meio enraizado.

Em termos emocionais, quando o descrevo como um "álbum de cogumelos", significa que consegui me "aterrar" e ficar muito calma. Às vezes, nós musicistas temos que viajar muito, e em determinado ponto que chega a ser demais;

- Logicamente, há muitos sons orgânicos em "Fossora", a relação com o conceito de cogumelo é evidente, não parece tão eletrônico quanto outras gravações anteriores suas.

Me parece que o equilíbrio é bastante semelhante; o álbum anterior tinha flautas e o que veio antes dele tinha cordas, sempre incluí instrumentos acústicos. Mas geralmente os ritmos são mais eletrônicos ou digitais, o que também acontece no tratamento da minha voz. Eu mesma edito meus álbuns, passo muito tempo no computador editando tudo e acrescentando beats.

Eu costumo usar o software Pro Tools, ou Sibelius, com os quais se pode arranjar instrumentos acústicos. Eu sinto que o lado digital deste álbum é semelhante aos meus álbuns anteriores; o equilíbrio entre o analógico e o digital, gosto que sejam amigos, gosto que se deem bem. No meu mundo ideal existem os dois, e você tem amigos, você tem amantes, e você tem sua família, pessoas reais de carne e osso, mas você também tem seu celular e a Internet. É muito realista ou parecido com as vidas que estamos levando, sabe?

- Algumas partes de "Fossora", músicas como "Atopos" ou "Ovule", parecem ter uma influência latina, o que você poderia nos dizer sobre isso? Estou errado?

[Risos] Não, acho que você está falando de beats de reggaeton!

- Provavelmente sim, há algum Dembow lá…

Eu não sei porque… Eu compus aqueles beats de reggaeton para essas músicas. Eu não estava pensando: "Ah, vamos fazer um beat de reggaeton". Foi algo inconsciente, mas foi o que juntou tudo, deu forma, porque os arranjos de clarinete em "Atopos", assim como o trombone e tudo o que ouvimos em "Ovule" são coisas bastante complexas, então eu precisava de um beat muito, muito simples e com muita energia, isso poderia juntar tudo. E os beats de reggaeton são assim [risos]. Eu mesma fiz os beats, com sons bem básicos e depois mudamos os sons para eles, mas usando a mesma estrutura rítmica.

Não sei, eu também trabalhei nessas músicas em Lanzarote, na Espanha. Fui pra lá duas vezes no começo da criação do disco e escutei nas emissoras locais, então pode ter me influenciado sem saber. No início do processo passei muito tempo em Barcelona ouvindo Arca, Rosalía e El Guincho, então talvez tenha me influenciado ou algo assim, não tenho certeza, mas não foi intencional. E se eu estava prestando atenção em algum beat, era principalmente da África Oriental, como techno ugandense e coisas assim, afrobeat.

- Que podem ter muitas coisas em comum com o reggaeton.

Exatamente! A estrutura musical é semelhante.

- A mesma coisa acontece com o dancehall do Caribe, de onde se origina o...

Exatamente! E por isso que eu acho que provavelmente me influenciou, foi como uma mistura.

- "Fossora" tem duas músicas escritas para sua mãe, Hildur Rúna Hauksdóttir, você gostaria de nos contar algo sobre isso?

Ela morreu há quatro anos, e eu escrevi uma música sobre ela um ano antes, e escrevi outra um ano depois. É como uma espécie de epitáfio para ela. Acho que tenho ideias muito específicas quando se trata de funerais, e sempre tive dificuldade em ir a eles porque são dentro de casa, gostaria que fossem ao ar livre, porque você está meio que reencontrando a natureza.

"Ancestress", a música que escrevi após a morte dela, é como se eu estivesse fazendo um ritual para ela, como um funeral, mas ao ar livre. Gravamos o vídeo em junho, e estou tão animada em compartilhá-lo! Eu pedi ao meu irmão para estar no vídeo, e é como um funeral ao ar livre.

- Como você se sentiu escrevendo essas músicas sendo mãe?

Uau, essa é uma ótima pergunta, eu não tinha pensado nisso; talvez seja porque eu não estava pensando muito nisso, eu estava apenas reagindo através da música. Como artistas, temos a oportunidade de ser muito impulsivos. Acredito que as músicas que escrevi foram uma reação impulsiva e natural, onde tudo estava entre ela e eu, então não acho que o fato de ser mãe tenha alguma influência. Mas há um momento na letra, especialmente em "Sorrowful Soil", onde eu digo que "as meninas nascem com 400 ovos dentro delas", isso sempre foi bonito para mim, e eu queria de alguma forma documentar a história dela na música.

Normalmente, quando lemos obituários em uma revista ou jornal, acabam sendo muito tendenciosos. "Nasceu, trabalhou nisso, se formou neste lugar, se casou com essa pessoa". Então, o que eu queria fazer era pegar essa ideia do obituário e torná-la mais biológica e emocional. "Sorrowful Soil" não conta a "história de trabalho" dela, porque é um ponto de vista masculino, uma forma patriarcal de fazer um obituário, e eu queria fazer de uma forma mais matriarcal. "Ela nasceu com 400 óvulos, dois deles se tornaram seres humanos, e ela se deu bem".

"Ancestress", a outra música, sim, é mais sobre a história de vida dela, o primeiro verso é sobre minha infância, e depois está em ordem cronológica até o final da música. Eu sabia conscientemente que queria escrever uma espécie de obituário biológico e emocional dela, não um simplesmente baseado em fatos. É mais sobre sua vida interior do que sobre sua vida exterior.

- Por que você decidiu envolver seus filhos Sindri e Ísadora no álbum?

Talvez tenha sido algum tipo de reação, pode haver vários motivos. Um deles era definitivamente por causa do Covid, porque passamos três anos juntos, nos víamos muito. Também porque eles já são grandes, parecia o momento certo! Além disso, suponho que a despedida da minha mãe também marcou uma nova era para nossa família, em que meus filhos são mais velhos, ambos fazem muitas coisas e também cantam, então foi uma coisa muito natural.

- Você lançou seu primeiro álbum quando tinha apenas 11 anos, que lembranças você tem dessa época?

Acima de tudo, acho que minha mãe estava mais animada com aquele álbum do que eu, eu era muito tímida. Mas o disco foi muito bem na Islândia e minha mãe queria fazer outro, mas eu não. Foi aí que eu comecei com as bandas punk, e estive nelas por uns 15 anos. Me parece que fui colocada sob os holofotes muito cedo e não gostei! O que eu gostava era de trabalhar em grupo, e sempre gostei de trabalhar em equipe.

Quando saiu meu segundo álbum, que eu chamei de "Debut" [risos], uns 16 anos depois, aí eu me senti pronta para encarar um álbum, porque eu tinha escrito todas as músicas, era meu trabalho, minha vida, eu sentia que era algo mais honesto. Com o primeiro álbum, aos 11 anos, senti que estava mentindo para todo mundo, porque outra pessoa fazia o trabalho e eu era apenas o rosto da capa.

No entanto, gostei da experiência de estar no estúdio, adorei isso e sou muito grata. Conheci muita gente da geração hippie com quem trabalhei e eles me ensinaram a cantar no microfone, a pronúncia das palavras, e eles foram muito legais. Eu me sinto muito sortuda por ter sido criada por hippies, e também por ter estado naquele estúdio, porque eles eram bons professores, eram muito bons com crianças. Eles me deram muito espaço para explorar quando criança, o que não é muito comum, então acho que foi uma experiência positiva para mim. Eu adorava trabalhar no estúdio, mas ser reconhecida na rua e começar a ser uma figura pública aos 11 anos eu não gostava nada, eu odiava!

- Você estava falando sobre suas bandas, e The Sugarcubes é uma banda que é lembrada com carinho por muita gente!

Sim, primeiro eu estava em uma banda chamada Kukl, e depois fiquei no Sugacubes por 10 anos. Em ambas [inicialmente] eram os mesmos três membros: Einar Örn Benediktsson, o outro vocalista; o baterista Siggtryggur Baldursson e eu. Foi um período maravilhoso, ensinamos muitas coisas uns aos outros, foi muito divertido, porque também tínhamos aquela energia punk de publicar tudo sozinhos, tudo muito dentro do "faça você mesmo", com todos tendo todos os direitos, fazendo nosso trabalho, nossos próprios cartazes, a capa do disco, tudo! Foi um momento muito importante na minha vida.

- Como a indústria da música evoluiu desde que você começou, em relação ao tratamento das mulheres?

Na Islândia não há muita diferença, estamos sempre entre os três principais países onde as mulheres têm mais direitos no mundo. E não só minha família hippie me criou, mas também a Islândia, que é um país muito liberal nesse sentido, então não notei uma grande diferença. Acho que comecei a perceber quando passei a viajar para outros países onde a diferença era clara, principalmente em outras áreas, como o mundo do cinema, por exemplo, é muito, muito diferente. Houve uma grande mudança e tenho certeza de que ainda está em andamento!

- Björk, como a Islândia conseguiu se tornar um modelo para o mundo em tantas áreas? Por exemplo, na educação.

Primeiramente, gostaria de esclarecer que também temos muitos problemas aqui, não é o paraíso, não quero dar a impressão de que a Islândia é o melhor lugar do mundo, claramente temos muitos problemas para resolver! Mas acho que uma das razões pelas quais estamos indo bem em muitos aspectos é que, nesta era de globalização e problemas ambientais, vivemos em uma pequena ilha. E é realmente grande [risos] se comparada com quantas pessoas vivem aqui, 360.000 habitantes, e nossa ilha é quase tão grande quanto a Inglaterra.

Aqui tem muita natureza e espaço, e acho muito saudável o equilíbrio entre natureza e tecnologia, o equilíbrio com o urbano… Vivo numa capital europeia, mas estou na natureza, numa praia rodeada de montanhas. O equilíbrio entre natureza e civilização é muito saudável, é mais administrável, quando tantas cidades têm problemas ambientais.

Também acho que é porque fomos uma colônia dinamarquesa por 600 anos, eles nos trataram muito mal, e talvez o que acontece quando as pessoas conquistam sua independência é que nasce a primeira geração, depois a segunda, e é como uma celebração de ter independência daqueles poderes colonizadores. Eu diria que se você tivesse nos perguntado há 50 anos, não estaríamos na melhor posição, mas agora estamos porque possuímos nossa terra há tempo suficiente, vamos ver onde estaremos em 50 anos. Talvez, a gente tenha fodido com tudo.

Também pode ser porque as mulheres aqui são bastante fortes. Estamos tão longe da Europa, que a Islândia se tornou uma espécie de matriarcado. Poderíamos discutir isso por muitas horas [risos], é um assunto complexo, que ganhou maior visibilidade no século XXI, muito mais rápido do que em outras culturas. Também nos beneficiamos dos outros países escandinavos, porque sim, fomos colônia por 600 anos e foi horrível, mas ao mesmo tempo, em termos de socialismo, coisas como saúde e educação, mantivemos os melhores aspectos um do outro, acredito eu. E se os países são capitalistas ou socialistas ou o que quer que seja, embora eu ache que a maioria seja capitalista, eles concordariam que a educação e a saúde funcionariam melhor em um sistema socialista, onde é gratuito.

Então sim, a Islândia tem muitas coisas boas, mas ainda temos problemas, temos muitos, não sei como chamá-los. Não sei, problemas "industriais", que querem transformar o país em uma enorme fábrica de alumínio e nós temos lutar contra isso todos os dias. Nem tudo é preto e branco, sabe?

- Pensando na Islândia também se pensa em Kaleo, Of Monsters and Men, Sigur Rós; Apesar de ser um país pequeno, tem dado muita música boa ao mundo…

Sim, muitas vezes me perguntam: "por que isso é assim?". Não sei ao certo [risos], mas acho que definitivamente o tamanho de Reykjavík ajuda a música aqui, é como uma vila, você pode caminhar até o centro, não precisa de carro. Você vai a um concerto, anda cinco minutos e vê uma instalação de arte, anda mais cinco minutos e vê uma peça. Tudo é muito caseiro, muito "faça você mesmo" e de baixo orçamento, ninguém faz isso para ganhar fama mundial, na Islândia você não ganha dinheiro fazendo música, se você faz é porque ama música.

Jovens de 14 ou 15 anos, até 25 anos, fazem música porque ela nasce deles, e os outros as escutam. Acho que é uma boa curva de aprendizado, e aí se está pronto para ir a outros países; parece um terreno fértil para músicos iniciantes. Na Islândia pode ser mais difícil fazer filmes, por exemplo, somos um país muito pequeno, com apenas 360.000 pessoas. É difícil, não há orçamento. E estar em uma banda não custa tanto, é mais fácil. Quando vou para grandes cidades, como Londres ou Nova York, vejo que é mais difícil estar em uma banda, eles são tão grandes que é difícil alguém te ouvir, há muita concorrência. Aqui, quando você lança algo e faz um show, todo mundo te conhece. É um bom lugar para ser jovem e ter uma banda, um lugar muito bom.

- Agora vamos falar sobre filmes. Você esteve recentemente em "The Northman", interpretando Seeress, a bruxa eslava.

Foi uma espécie de favor a um amigo, Sjón, que escreveu o roteiro com Robert Eggers. Eu os apresentei e então Sjón me pediu para estar no filme. Sjón é um autor islandês, e não sei se você sabe, mas ele escreveu comigo e para mim algumas letras de músicas, como "Bachelorette", "Isobel" e outras. Somos amigos desde os 16 anos, e temos aquele tipo de amizade em que se um pede algo ao outro, têm que dizer sim [risos]. E ele disse "sim" para mim muitas vezes, então eu queria retribuir o favor desta vez.

Ele também estava interessado em alguém abordando a ascendência islandesa, mostrando os vikings sob uma luz diferente. Eu acho que os vikings têm uma cultura muito incompreendida, aqueles que vieram para a Islândia em particular. Os ingleses e os vikings eram inimigos, mas como os ingleses escreveram os livros de história e os vikings eram os únicos que não podiam destruir, eles os transformaram em algum tipo de monstro.

Para ser honesta, acho que os vikings eram uma cultura como qualquer outra na época. E, às vezes, eu brinco com meus amigos sobre isso, sobre como é um pouco forte ouvir isso vindo dos ingleses, afinal quantos países eles colonizaram, né? 70 em todo o mundo? [risos]. Algo que me parece interessante é que a arqueologia hoje tem uma tecnologia que permite descobrir mais coisas sobre essa cultura a partir do DNA, e eles perceberam que os vikings tinham muita cultura, poesia e mitologias; eles eram muito complexos, tinham muitos ofícios. Eles não eram apenas máquinas de matar, sabe? Eles eram claramente violentos, mas no ano 1000 todas as culturas tinham seus próprios exércitos, e eles eram um também.

- O ativismo sempre foi muito importante para você. Você apoiou causas ambientais, além da independência do Tibete, Kosovo, o movimento Me Too, entre muitos outros. Quais problemas te preocupam mais hoje?

Para mim, os problemas ambientais sempre foram os mais importantes, sinto que devemos agir agora, especialmente para as próximas gerações. Não podemos entregar este planeta às pessoas que estão nascendo hoje e manter a nossa consciência tranquila, a menos que façamos absolutamente tudo o que pudermos para consertá-lo.

Eu esperava que durante a pandemia de Covid, as pessoas vissem o quão rápido o planeta e os governos podem agir juntos, como quando fecharam todos os países e descobriram a vacina. Eles nunca se moveram tão rápido! Eu esperava que as pessoas adotassem hábitos mais ecológicos e agissem como se fosse uma emergência, porque é. Mas não aconteceu tão rápido quanto eu esperava, e sinto que precisamos fazer mais, inclusive eu.

- Você acha que a pandemia foi uma mensagem da natureza para a humanidade, ou algo parecido?

Sim, claro. Podemos sair dessa, mas devemos ouvir. Acho e espero que seja um problema geracional, as pessoas que estão governando e todos esses políticos agora devem ter uns 70 anos. Espero que quando minha geração for a mais velha e a nova chegar, eles expulsem aquelas pessoas que estão tomando todas essas más decisões para o planeta. Mas não sei se temos tanto tempo assim, as coisas não parecem nada boas!

- Entrevista para Ricardo Durán.
Publicada em Setembro de 2022.

Foto: Vidar Logi.

Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres