Pular para o conteúdo principal

Bergur Þórisson fala sobre equipamentos de gravação do álbum Fossora

- Você trabalhou como engenheiro musical em "Fossora", que tipo de trabalho fez especificamente?

Enquanto trabalhava como engenheiro de gravação, Björk entrou em contato com Heba Kadry, que cuidava da mixagem e da masterização, então eu era o mediador de tudo o que estava acontecendo na música. Fui encarregado de manter o controle de qualidade.

- Quando você sente sua criatividade como artista?

Em primeiro lugar, sou uma pessoa técnica. Eu trabalho no estúdio com equipamentos. Björk, por outro lado, às vezes pede coisas que fazem a gente pensar: "Não posso fazer isso". Mas ela me diz para "experimentar", então se eu tentar, com certeza vai funcionar. Ela está sempre certa! Tem feito álbuns por mais de 40 anos, e sabe como desafiar a criatividade de novas maneiras a cada vez. Por exemplo, usei seis clarinetes de uma vez neste álbum, o que normalmente não se faz.

- Nos conte sobre o processo de produção das músicas que foram gravadas.

A maioria das músicas foram feitas durante as caminhadas dela. Eu recebia uma melodia dela no meu smartphone, então usava essa ideia. De minha parte, eu estava construindo paisagens sonoras no computador e fazendo partituras. No estágio de combinar as ideias e os sons do arquivo de voz de Björk, o ponto de partida era uma demo muito crua. Os instrumentistas raramente tocavam uns com os outros. Muita coisa foi pré-preparada no computador.

- Onde você gravou uma apresentação real?

Tudo foi feito na Islândia. Na casa da Björk, que é uma cabana, no meu estúdio e também em um outro estúdio para a gravação dos clarinetes. As gravações foram feitas em Pro Tools ajustadas para 32bit float/96kHz. Björk é realmente muito boa com o Pro Tools. Para o "Utopia", fomos à República Dominicana para gravar a maioria das músicas, mas desta vez devido ao coronavírus, ficamos presos na Islândia. Mas funcionou!

- Que tipo de microfone e pré-amplificador você usou para gravar os vocais principais?

Os vocais principais da maioria das músicas foram gravados com o SHURE SM58. Ela usa o SM58 há muitos anos e, ao gravar enquanto canta, gosta de segurá-lo, então seus movimentos com as mãos se tornam mais habilidosos. Os controles são incríveis. Também usei muito o TELEFUNKEN Ela M 251. Björk descreve o Ela M 251 como "sensível", o que é verdade! Quando ela canta alto, não combina muito bem. O SM58 é bom para esse tipo de coisa, mas o Ela M 251 é bom para cantar em voz baixa. Cria uma textura muito bonita nas altas frequências. Quanto ao pré-amplificador, ela sempre usa o que está no UNIVERSAL AUDIO Apollo. Tenho um NEVE 1081 no meu estúdio, um clássico que pode ser amplificado sem adicionar muita cor. Tem um equalizador, mas não preciso dele para os vocais.

- Onde você mixou?

Eu mixei com a Heba, então tive que ir e voltar entre meu estúdio e o estúdio dela no Brooklyn. Já a mixagem Dolby Atmos, foi feita no meu estúdio onde estou no meu próprio ambiente de produção. Björk sempre esteve presente na cena e se envolveu profundamente na criação do som. É uma das melhores engenheiras de mixagem do mundo, que pode dizer com confiança: "Essa música precisa desse tipo de elemento".

- Que tipo de equipamento de monitoramento você usou para produzir a mixagem estéreo?

Heba usou o SCM150A Pro da ATC no Brooklyn, e eu tenho um SCM100A Pro, então usei isso. Ela gosta de fones de ouvido HEDD HEDDPhone. Eu uso o Sennheiser HD 25 há muitos anos.

- A criação do som é feita dentro do Pro Tools?

No começo, eu estava trabalhando com o Pro Tools, mas como o software da Heba é o MAGIX Sequoia, mudei para ele no meio do caminho. Pode-se dizer que tanto a mixagem quanto a masterização foram feitas na Sequoia. A mixagem Dolby Atmos estava no Pro Tools, no entanto.

- Então, a masterização das 2 mixagens foi feita com a presença da Björk?

Eu também estava presente na masterização, senão o tempo todo. A masterização geralmente leva no máximo dois dias, mas desta vez levou semanas. Houve muitas trocas de opiniões. Björk sempre quis se envolver com engenharia, então sempre dizia que me enviaria arquivos do Brooklyn. Além disso, Heba abriu uma caixa de Pandora fazendo mixagem e masterização. Se algum problema fosse encontrado na masterização, ela voltava à mixagem e corrigia, depois reajustava ao master. Por isso demorou, mas acho que está tudo bem. Estávamos sempre fazendo coisas melhores.

- O que Björk queria de Heba?

Björk estava preocupada principalmente com "o equilíbrio do álbum como um todo", e queria fazer parecer que a pessoa que ouvisse tivesse acabado de viajar quando terminasse de ouvir tudo. É uma história bem equilibrada. É por isso que o álbum tem unidade, e não há uma única música que se destaque [mais do que as outras]. Masterizar não é fazer uma música super alta. Este álbum é alto, mas também é lento.

- Acho que muitas das músicas de "Fossora" se desviam muito da estrutura da música pop de "ritmo sustentado + vocais e acordes cativantes".

É diferente da mixagem usual de álbuns pop, e demorou muito mais. Por exemplo, "Atopos" usa muitos clarinetes, então foi bom começar criando os sons. O baixo foi o próximo passo, mas sempre tive as músicas de Björk em mente. É a parte mais importante para avançar. Além disso, durante a mixagem, eu costumava dizer: "Preciso desse tipo de som, quero adicioná-lo", então a música mudava a cada vez que mexíamos. "Ancestress" foi exatamente assim. Adicionamos novas partes e removemos coisas desnecessárias à medida que avançamos. Essa música tinha muitas cordas, percussão e vocais em um alcance semelhante, então, depois de processar esses três elementos, adicionei gradualmente o refrão, o baixo e os beats.

- Parece que se você não prestar atenção na mudança de arranjo durante a mixagem, não conseguirá ver o final.

Mas Björk fez um ótimo trabalho ao comparar as versões, dizendo: "Se você fizer 10 pratos, todos eles devem ser cozidos com um bom tempero. Você não pode cozinhá-los demais e também não pode cozinhá-los mal. Tudo tem que ser cozido da maneira certa". Então, para qualquer música, era tipo: "Está na medida! Eu sei o que cabe onde deveria caber".

- Björk apresenta a todos nós um som sólido. A música "Ancestress" é impressionante com percussão e palmas colocadas no fundo da mixagem. Vocês usaram muitos microfones?

A gravação da percussão dessa música foi divertida. Devido à pandemia do coronavírus, não pudemos convidar um grande número de performers, então convidamos Soraya Naiyar para vir. Ela é do Paquistão e é uma grande percussionista da Orquestra Sinfônica da Islândia. Todas as percussões foram gravadas no depósito do local de ensaios da orquestra, usando partituras feitas por Björk no Sibelius. Às vezes, eu pedia intencionalmente que tocassem mais longe do microfone. Eu queria criar uma sensação de espaço em vez de ter tudo junto. Essa música foi inspirada no funeral da mãe de Björk, que faleceu quando ela começou a fazer o álbum. É a imagem de uma multidão caminhando em cortejo fúnebre, tocando percussão e cordas. Há uma bela paisagem atrás daqueles que a estão ouvindo.

- É por isso que a voz de Björk também tem uma reverberação tão bonita nessa faixa!

Esse é o reverb de Heba! Para os vocais, usei o VALHALLA DSP ValhallaVintageVerb, que você pode ouvir em "Ovule" e "Her Mother's House". Além disso, usamos as Capitol Chambers da UNIVERSAL AUDIO UAD para músicas acústicas.

- Falando em vocais, músicas como "Allow" e "Fossora" com vozes colocadas no lado direito e esquerdo do fone também são impressionantes!

O hobby de Björk é a localização ousada na divisão de vocais (entre esquerdo e direito), uma criação sonora comum na época em que os alto-falantes eram o principal equipamento de reprodução para os ouvintes. Antigamente, fazia mais sentido dividir perfeitamente esquerda e direita. Mas agora muitas pessoas ouvem com fones de ouvido, então pode soar um pouco estranho, mas acho que ainda é um bom efeito. É fácil entender que "o som está vindo daqui ou dali". Quando eu disse a Björk: "Não gire totalmente para a esquerda ou para a direita, soa estranho em fones de ouvido", a resposta dela foi: "Não! É isso que eu quero fazer". E quando a gente ouve os resultados, pensamos: "Uau, isso é ótimo!". Ela costuma ter razão nesses casos. O clarinete em "Victimhood" também é construído com ousadia. Björk fez isso sozinha. Tudo foi feito à mão, sem efeitos de modulação e balanceando o som para a esquerda e para a direita. As edições vocais foram igualmente demoradas e manuais!

- Em "Victimhood", o refrão fragmentário se move pelo campo estéreo com diferentes texturas.

Björk colocou CELEMONY Melodyne no refrão, e depois duplicou a faixa várias vezes e ajustou o tom de maneira diferente para criar harmonia. Parece uma voz de robô, mas é legal porque são harmonias perfeitamente afinadas. 

Depois de importar as gravações de voz para o Kontakt, criamos várias bibliotecas. Ela estava experimentando um teclado MIDI e um editor Pro Tools MIDI, mas parecia que ela estava bordando naquilo. Eu estava fazendo acordes e ritmos muito complexos à mão. Eles foram o ponto de partida para muitas canções. Também estou usando um aplicativo desenvolvido por Max Weisel, que foi inspirado na geração de harmonias de IA.

- Então, "Fossora" é um álbum que você fez com muita tenacidade.

É importante que os músicos continuem perseguindo seus sonhos e fazendo música. Muitas pessoas desistem muito rapidamente, porque fazer música não te torna bem-sucedido, mas sucesso não tem a ver com reproduções no Spotify ou seguidores no Instagram. Se você está fazendo algo que te deixa feliz, isso é sucesso. Eu estava trabalhando com o cantor/compositor Damien Rice uma vez e ele me disse: "Se você fizer o que ama, poderá fazê-lo muito bem. E se fizer muito bem, alguém lhe pagará por isso". Sempre me lembro dessas palavras e tento ter certeza de que o que faço é o que amo. Então tudo vai dar certo no final.

___ Entrevista ao Sound & Recording, novembro de 2022.

Fotos: Reprodução/Divulgação/Bergur.


Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres