Pular para o conteúdo principal

Björk revela como fez o álbum Fossora

Ao longo das últimas três décadas, Björk apresentou música pop de ponta, incorporando elementos promissores em seus métodos de produção. Lançado em setembro, "Fossora" é o novo álbum de estúdio da artista.

- Esse disco é realmente solitário e não se prende a tendências de mercado, né?

Sinto que estou me aproximando cada vez mais da artesã que quero ser, porque a cada álbum eu aprendo mais a me aproximar da música que está na minha cabeça. Acho que todo mundo tem uma estrutura de acordes e uma paisagem musical em mente. Eu sou particularmente boa em arranjos de cordas e clarinetes, então escrever as canções para este álbum foi muito divertido. No começo eu estava tentando fazer um álbum de clarinete, mas por causa do lockdown do Corona, não consegui, então decidi trabalhar com pessoas próximas a mim.

- Falando em estruturas de acordes, existem algumas cenas nas músicas que soam como um tipo de harmonia.

Fiz escalas com a minha própria voz sampleada e montei acordes com base nisso. Foi assim que este álbum foi feito. Eu costumava trabalhar muito com o Hamlarid Choir, então fui muito inspirada pela música de coral islandesa, que usa uma estrutura de acordes particular, e eu queria entrar nesse mundo. Mas do meu jeito.

- Como você cria acordes usando sua voz?

Eu usei o Pro Tools instalado no meu laptop. Primeiro, gravei três tipos de vozes, cantando: "uh, uh, ah", e depois de transformar cada uma em uma escala de 12 tons, expandi para 4 oitavas. Fiz frases de acordes com isso no meu tempo livre. Estavam "fora da grade", então acho que havia espaço para criar sons mais complexos. Me parecia algo tão livre para chegar às coisas mais complexas que eu estava procurando. Arranjei aquelas cordas vocais como frases de trombone e pedi ao meu engenheiro de som, Bergur Thorisson, para tocar trombone na música "Ovule". Ele também é trombonista.

- É interessante ver como as cordas vocais se desenvolvem em outras formas.

Além do Pro Tools, usei um aplicativo de smartphone feito por mim, que me permite gravar e inserir acordes [durante as minhas caminhadas]. Às vezes, faço músicas enquanto caminho, então trabalhei com Max Weisel (um engenheiro de software americano) para desenvolvê-lo. Se você cantar um pouco enquanto caminha, gravar e produzir um acorde em cima disso nesse app, poderá ouvir o resultado na hora. É um aplicativo divertido. Usei em músicas como "Atopos" e "Her Mother's House".

- Sinto que os sopros de "Her Mother's House" e o coro de "Sorrowful Soil" soam como música sacra.

O coro de "Sorrowful Soil" é do Hamlarid Choir, mas o que eles cantam não é necessariamente música religiosa, mas sim sobre a natureza islandesa. Admirar a natureza é uma tradição importante nos coros islandeses e é muito espiritual. Musicalmente, muitas vezes adota uma progressão de acordes islandesa que usa muitas quintas. Acordes dissonantes também são comuns.

O coro dessa música consiste em nove vozes. Um coro costuma ter quatro vozes: soprano, contralto, tenor e baixo, mas fiz três grupos, cada um com três vozes. O primeiro grupo é soprano, soprano e contralto. O segundo é soprano, contralto e tenor. O terceiro é tenor, tenor e baixo. Essas nove vozes nem sempre foram cantadas ao mesmo tempo, mas se chocaram e levaram três meses para ensaiar. Foi difícil cantar junto. Então, quando funcionou, fiquei muito feliz. Foi um momento importante para nós.

- Você costumava começar com harmonias vocais ao escrever músicas para o álbum?

Normalmente tento abordar a composição de maneiras diferentes, então cada música foi produzida de uma maneira diferenciada. Mas certamente as cordas vocais são um elemento importante dessa produção. Naquela época, eu estava caminhando ao ar livre na natureza e havia muita lava por perto. Eu escrevi a melodia lá.

- Em muitas das canções gravadas depois de "Ancestress", destaca-se a maneira como você balança sua voz para a esquerda e para a direita do som estéreo.

Adoro fazer "panning" quando estou editando vocais no Pro Tools. Eu mudo a colocação da minha voz com frequência. Adoro o elemento surpresa, então geralmente passo muito tempo construindo isso e usando toda a gama do campo do som estéreo.

- Que tipo de equipamento você usa para o monitoramento?

Eu uso alto-falantes Genelec. Usei principalmente o Pro Tools, que comecei a mexer em 1999, iniciando pela gravação e depois expandindo em outras funções. Na época, eu estava fazendo um álbum chamado "Vespertine" e estava obcecada por capturar "sons que encontrava ao meu redor", então fazia beats com os sons que conseguia ouvir em casa. Em vez do som de um sintetizador, editei um som analógico captado por um microfone em um beat. O Pro Tools foi perfeito para essa produção. A maior parte do software usado para produzir música eletrônica é baseada na fórmula de compasso 4/4. Mas o Pro Tools também foi usado para narração e gravação de vozes, para que possamos lidar com fórmulas de compasso complexas mais facilmente com as palavras. E como evolui com o tempo, podemos usar a versão polida toda vez que fizermos um disco. Eu o uso há 23 anos e minhas habilidades de edição estão melhorando o tempo todo.

- Por exemplo, o beat de "Ovule" é como uma tempestade de compassos estranhos, e acho difícil entender a posição dos beats fortes e fracos.

Esse beat foi feito por mim. Eu programei com um som ortodoxo, como reggaeton. Mas as fórmulas de compasso 6/4, 5/4 e 4/4 saíram aleatoriamente, então a programação foi muito complicada... Depois de compor o beat, pedi ao meu amigo El Guincho, que mora na Espanha, que fizesse o som do bassdrum. Depois convidei o trio islandês chamado Side Project, que trabalhava em outros sons além disso.

- Você colaborou com o Gabber Modus Operandi de Bali, Indonésia, em "Atopos", "Fungal City", "Trölla-Gabba" e "Fossora". Por que você está interessada em gabber agora?

Sempre me interessei por gabber, mas mais do que isso, gostei de trabalhar com Kasimyn (o criador dos beats da dupla). Eu não trabalhei com a outra pessoa. A abordagem deles é interessante. Parece muito "natural". Ele mora em Bali. O ritmo é complicado. Seus polirritmos estão no sangue da música de gamelão. Kasimyn coloca um som techno no ritmo, o que é muito interessante para mim. Posso estar adotando uma abordagem semelhante. Também acho que temos gostos musicais parecidos. Nós dois gostamos de techno da África Oriental, de Uganda e do Quênia.

- Como conheceu o Gabber Modus Operandi?

Originalmente, mantivemos contato via WhatsApp e, eventualmente, começamos a compartilhar beats e músicas. Kasimyn me enviou um beat, então eu mesma editei e usei para a música. Quando trabalho com alguém é por amizade, então normalmente tentamos nos encontrar pessoalmente, mas desta vez foi uma colaboração pela internet por causa da pandemia de coronavírus.

- Os beats do álbum soam todos eletrônicos, mas há bateria ou percussão ao vivo?

Na verdade, uma percussionista chamada Soraya Nayar participou de "Ovule" e "Ancestress". Ela é uma instrumentista paquistanesa que toca na Orquestra Sinfônica da Islândia, e tocou tímpano em "Ovule", gongos em "Ancestress", bem como sinos tubulares e crotales. Sou uma percussionista clássica, então todos os instrumentos que uso são para orquestras sinfônicas.

Usamos o Sibelius para "Ancestress". Existem muitas predefinições de percussão, incluindo gongos, sinos tubulares, crótalos e tímpanos. Eu também usei para os arranjos de clarinete, cordas e flauta neste álbum. Por ser um software para música clássica, é fácil de usar.

- A fim de criar um novo som como o deste álbum, eu acho que é importante ter novas informações regularmente.

Estou sempre procurando por música. Prefiro pagar pela música do que ouvi-la de graça, então sempre compro arquivos de áudio. Eu quero pagar os músicos tanto quanto possível. Eu crio minhas próprias playlists e adiciono novas compras o tempo todo.

- Nos últimos anos, o "City Pop" criado por músicos japoneses nas décadas de 1970 e 1980 foi reavaliado em todo o mundo. Você está interessada nisso?

Não sei muito sobre isso. Por volta de 2016, quando eu estava fazendo "Utopia", talvez tivesse um som assim em uma playlist que meu amigo me deu na época. Se é o que eu estou pensando (risos). Mas eu não sei como é atualmente. Eu ouço muito techno da África Oriental.

- Por último, por favor, deixe uma mensagem para os ouvintes japoneses.

Eu sempre acabo falando demais, então vou ser breve (risos). Tchau!

___ Entrevista ao Sound & Recording, novembro de 2022.

Foto: Santiago Felipe.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres