Pular para o conteúdo principal

Cogumelos e gabber techno: uma entrevista com Björk

O som visual do novo álbum:

"Sete bilhões de pessoas neste planeta. Estávamos todos em quarentena, fizemos ninhos de verdade. Criamos raízes que penetraram profundamente na terra. Em outras palavras: nos tornamos "cogumelos humanos".

[Na capa de "Fossora"], projetamos um cenário que parece que estou no subsolo, em verde e vermelho escuro por serem "tons terrosos".

As raízes digitais representam toda a música que descobri durante esse tempo. Devo dizer que realmente achei a pandemia muito frutífera e inspiradora. Um tempo cheio de esperança para mudanças sérias socialmente, para ficarmos mais próximos.

A capa serve como um atalho visual para o álbum. Se você pudesse fotografar tudo o que ouve, teria exatamente esses visuais. Eu tento converter o som em uma linguagem visual.

Foi muito divertido brincar com o clarinete. Semelhante ao que fiz com o trompete em "Volta" e as flautas em "Utopia". Tentei fazer o máximo de coisas diferentes possíveis para obter uma música calma, decididamente feliz e extremamente triste.

"Atopos" foi a faixa mais rápida e ritmada. Depois acrescentei a lenta melancólica de "Victimhood" e algumas canções animadas como "Fungal City".

Então, eu estava muito animada com este novo brinquedo e tentei de tudo para ver até onde poderia ir com isso. Foi uma fase emocionante e experimental e, aos poucos, fui percebendo o que funcionava, o que não funcionava e quais cores poderiam ser geradas.

Durante o lockdown, fiz várias "noites de techno" na minha casa e apareciam cerca de 20 pessoas. Também discotecava em clubes de Reykjavík, porque os regulamentos na Islândia eram muito frouxos e tínhamos menos problemas com a Covid do que outros países. Toda vez que eu colocava um techno alto e pesado, as pessoas surtavam se divertindo muito, como eu!

Talvez seja a parte áspera e ousada que amo, a ideia de levar isso ao extremo e me afastar da perfeição técnica que defendo. Sair de algo limpo e livre de desordem, viver o nosso lado bagunçado, que também tem seu apelo.

E, sim, quando ouço esse tipo de música, na verdade me transformo em um troll! Quero pular, erguer os punhos para o teto e sentir uma libertação catártica. Acho importante dançar regularmente até a velhice".

O que aprendeu com a mãe:

"Não consigo me lembrar qual poeta disse: "Nenhum dos meus poemas é sobre minha mãe, mas todos falam dela". Eu poderia falar sobre minha mãe sem parar! Ela não era um modelo no sentido da dona de casa clássica que buscava realização na cozinha, mas sim no sentido de sair do patriarcado. 

Ela fundou uma comuna com indivíduos bastante "selvagens", alugou uma casinha fora de Reykjavík e, quando o tempo estava ruim, chovia tanto que tínhamos que levantar à noite para esvaziar os baldes de água. Não parece um tempo livre feliz, mas foi. Sou grato a ela por isso – e sempre tentei seguir suas abordagens e ideias, como a forma como criei meus filhos.

Desde cedo, ensinei a eles que consumo não é tudo na vida, que também é preciso retribuir. Seja para a natureza, que usamos todos os dias, ou a comunidade em que vivemos. Você não pode apenas exigir e receber, mas também precisa dar, ajudar e apoiar os outros sempre que puder.

Você tem que fazer algo pelas coisas que são importantes para você, como o meio ambiente e o bem-estar animal. É por isso que atuo em tudo isso há mais de 25 anos. Digo o que me incomoda e estou envolvida com questões ambientais. Também estou aqui para a comunidade LGBTQIA+, que também é muito importante para mim. Estou aqui para a cena cultural da Islândia.

Mas não apoio nenhum partido ou político específico. Apelo às pessoas para que tomem suas próprias iniciativas e assumam a responsabilidade por si mesmas. Elas devem tomar o destino pelas próprias mãos, tomar decisões que não sejam distorcidas, porque os compromissos são muito bons, mas não se você realmente deseja mudar alguma coisa".

Experimentos na discografia:

"Desde que eu era adolescente e tocava em bandas punk, minha experiência sempre foi a do "faça você mesmo" e é por isso que sempre resisti em vender minha alma para uma corporação multinacional. 

Como musicistas, não precisamos fazer isso! Se você possui os direitos de suas canções e tem controle criativo sobre qualquer coisa que lançar, poderá continuar assim pelo resto da vida. É exatamente o que faço. E se muitas pessoas gostarem, ótimo! Mas estou ciente de que um dia tudo pode acabar.

No entanto, sempre continuarei com a minha música. Para mim, não se trata de dinheiro, mas de satisfação criativa, de autorrealização.

Neste sentido, estou fazendo a mesma coisa que fazia quando era adolescente, e esse é um bom modelo de negócios porque provavelmente posso usá-lo até os 85 anos. Mesmo que apenas duas pessoas estejam me ouvindo (risos).

Acho que minha música nunca mudou! Quando apresentei "Debut" à minha gravadora de Londres, eles disseram: "É muito louco, e provavelmente vai vender apenas um terço do que os Sugarcubes venderam". E respondi a eles: "Tudo bem. Eu não tenho nenhum problema com isso".

Nunca tentei ser popular, acho que percebi cedo que não me importo. Tudo o que importa para mim é criar algo que eu possa me orgulhar".

- Björk em entrevista ao Siegessaeule, novembro de 2022.

Foto: Santiago Felipe.

Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres