Pular para o conteúdo principal

Greatest Hits de Björk completa 20 anos!

Em novembro, o "Greatest Hits" de Björk completou 20 anos! Uma ótima maneira de apresentar a artista a novos fãs, a coletânea inclui boa parte dos principais singles da primeira década da carreira solo da islandesa.

Essa importante coleção de canções cumpre seu papel. De certa maneira, encerrou uma das fases da trajetória dela na música. É uma oportunidade de conhecer um pouco desse trabalho, recomendável para aqueles que não desejam se aprofundar na discografia de imediato.

"Depois que terminei "Vespertine", senti como se tivesse completado algo que realmente queria fazer desde criança, senti que tirei algo do meu peito. Parecia o momento certo para fazer uma retrospectiva dessa história", ela explicou ao The Post-Standard.

Se tratando de Björk, som e imagem estão diretamente ligados. Por esse motivo, a coletânea desperta a curiosidade para uma maratona de videoclipes de músicas tão inesquecíveis. Que delícia é essa descoberta! E Pré-YouTube, funcionava perfeitamente com o DVD "Volumen", que saiu em 1998 e ganhou uma atualização em 2002. 💌

As faixas de "Greatest Hits" foram selecionadas pelos fãs, em maio de 2002, por meio de uma pesquisa no site oficial da cantora. Por curiosidade de Björk, eles também puderam votar em Lados B e o que não foi lançado como single.

"It's In Our Hands", que já havia sido interpretada na "Vespertine Tour", apareceu como uma gravação de estúdio inédita. Dentre as faixas ausentes, o que chamou atenção foi a falta da 10° mais votada: "It's Oh So Quiet", um dos maiores sucessos de Björk: "É um cover de Betty Hutton. Foi a última faixa gravada para o "Post", pois eu queria ter certeza que aquele disco estaria o mais sincronizado possível.

Na verdade, era também uma espécie de piada interna. Acabou se tornando o hino que deixava todos da equipe da turnê (do "Debut") animados antes dos shows. Quase me arrependi de gravá-la depois, porque queria mesmo era focar em algo inédito, seguir em frente. Foi meio que contra os meus princípios, pois sou tão "anti-retro". Então, é irônico que tenha se tornado minha música de maior sucesso" (Entrevistas ao AOL, Sky, Record Collector, Raw, i-D Magazine, Stereogum). 

Beats + Cordas: Björk ainda realizou espetáculos com a "Greatest Hits Tour", cujo setlist trouxe não só as faixas famosas, mas principalmente aquelas menos conhecidas e até coisas do "Medúlla", que ainda não havia sido lançado.

Seguindo as comemorações, chegou ao mercado pela primeira vez uma série de DVDs, bem como "Live Box", uma caixa com álbuns ao vivo. Além disso, foi lançada uma segunda compilação mais detalhada e criativa: Cheia de raridades, "Family Tree" contém vários encartes e mini CDs, "Roots, "Beats", "Strings" e "Words"; bem como um "Best Of" com repertório escolhido pela própria artista.

Em texto publicado no bjork.com e durante entrevista para David Toop, Björk disse:

"Eu acho que, como em tudo, há muitos álbuns ruins de "Greatest Hits" e outros muitos bons. 10% são bons e 90% um lixo, embora eu ainda ache que vale a pena arriscar. Existem alguns por aí que eu amei, com músicas com as quais não estava tão familiarizada. Por exemplo, eu tinha 25 anos quando descobri que Marvin Gaye existia, não conhecia a Soul Music antes disso. Eu tenho algum tipo de coleção de singles dele.

Foi uma experiência nova para mim ouvir muitas dessas minhas músicas. De certa forma, até estranho redescobri-las. Ao mesmo tempo, era algo que eu precisava fazer. A coleção mostra minhas curvas de aprendizado, como me desenvolvi como musicista.

Passei 6 meses vasculhando meus arquivos. Embora não parecesse um trabalho árduo na época, foi como fazer o dever de casa, como uma limpeza na primavera, com momentos nostálgicos, chatos e piegas. No final das contas, foi libertador ter um sótão absolutamente limpo. Agora, tenho um quadro novinho em folha para trabalhar".

Essa ideia está representada nas artes das capas e dos encartes das compilações, que foram desenvolvidas pela artista islandesa Gabríela Friðriksdóttir:

"Como o meu trabalho, o dela também tem quatro "câmaras" que chamamos de "raízes", "batidas", "cordas" e "palavras", então usamos isso para a estrutura taxonômica desse projeto, tentando unir todos esses sistemas opostos, a história, o presente e o ambiente das músicas.

Eu estava pronta para lançar uma coleção de singles, mas também queria compartilhar algo contando como cheguei até aqui. O mais importante era registrar coisas emocionais em uma forma musical, aquilo que vejo como os maiores saltos que dei como compositora".

Fotos: Divulgação.


Postagens mais visitadas deste blog

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres