Pular para o conteúdo principal

A importância das entrevistas no trabalho de Björk

Björk: Dei tantas entrevistas. Todos os dias! Muitas. Era insano! Nunca me arrependi, porque fazer isso por 18 meses, estar em capas de revistas em todos os lugares... Isso também me deu muitas coisas. Eu poderia conseguir melhores posições nos festivais, poderia conseguir mais dinheiro para contratar orquestras sinfônicas. Tudo isso me deu mais ferramentas para fazer minhas músicas.

Mas para mim, parecia uma fusão genuína com cada jornalista. Coloco o meu coração em cada um, porque essa é a única maneira de fazer as coisas, sabe? Mas, eu agia tipo: "Agora vou ser como os extrovertidos". Meio que sabendo que estava empurrando uma máquina introvertida ao limite, de alguma forma provando a mim mesma que poderia fazer isso! Para uma cantora introvertida, se testar é algo que está no cenário musical e em um tipo de terreno emocional.

Oddny Eir: E não dizendo "não" para as entrevistas, porque como você me disse, a sua avó era uma artista, mas ela não tinha voz. A sua mãe também. Como acontece com muitos artistas, homens e mulheres, especialmente se são "experimentais" ou algo assim, marginalizados de certa forma. Às vezes, eles não têm voz. Mas, em alguns casos, eles nem querem ter voz. Ou quando lhes é dada a oportunidade, se torna uma "qualidade" do "experimental" não responder a perguntas.

Então, talvez não fosse óbvio para você responder a todas aquelas perguntas sobre a Islândia, sobre os Alpes, sobre você, sua personalidade e assim por diante. Deve ter sido quase como uma decisão política, apenas para dizer "sim" e usar a sua voz. Publicamente, também como uma artista mulher, sem toda vez ficar pensando: "Isso foi péssimo? Eu falei demais?".

Björk: Sim, sim, definitivamente! Também acho que, talvez, fazer parte de bandas por 10 anos, do selo Bad Taste e toda aquela coisa de ser anti-qualquer coisa que fosse corporativa ou comercial; e todas as ofertas de entrevistas que recebemos na Islândia... Nós sempre dissemos "não". Apenas fizemos nossas próprias coisas do nosso jeito, sabe? Sempre foi muito estar "contra a máquina". Eu era a mais jovem, observando todas essas pessoas mais velhas do que eu. E eles estavam dizendo "não" para tudo, para um monte de coisas!

E eu pensei: "Sim, é incrível fazer isso". Realmente é algo que honro, é uma coisa linda, linda. Mas eu também estava me questionando: "Talvez se você disser "não" para tudo, vai estar se isolando em um canto? Você estará presa nesse seu "não" para o resto do mundo?”. Tive que me esforçar e quase provar que podemos ser genuínos. Que poderia dar uma entrevista na estação de rádio comercial mais corporativa do mundo, mas ainda assim fazer isso com muito, muito significado.

Oddny Eir: Depois disso, você foi criticada por ser um pouco positiva demais, por não ser "crítica o suficiente" naquela época. Ou foi essa a sua crítica?

Björk: Havia garotas, as chamadas "Millennials", nascidas nos anos 80, basicamente que meio que diziam: "Você poderia, por favor, parar de fingir que é tão fácil para você", sabe? E eu pensava que era tão interessante [ouvir isso delas]. E eu ficava tipo...

Oddny Eir: Tipo: "O que foi fácil? A carreira, gostar de ser musicista, ser uma mulher nisso"….

Björk: Sim. O que quero dizer, é que tive muitos momentos em que fui a um estúdio de gravação e, quando voltei à minha gravadora, o engenheiro que contratei naquele dia havia sido creditado como o produtor da música.

Oddny Eir: Sim, sim, sim.

Björk: E isso porque ele era o único homem ali! E até mesmo pessoas como o meu empresário, que me conhece, sabe?

Oddny Eir: Então, você não estava abertamente reclamando ou criticando isso publicamente, naquela época, mas você usou a possibilidade de falar sobre outras coisas, certo? Você só começou a criticar isso [diretamente] mais tarde, analisando e apontando que tinha sido uma luta para você dizer: "Não. Fui eu. Eu sou a autora, não esse cara que me ajudou por 15 minutos!".

Björk: Eu acho que, obviamente, os Millennials, eles não estavam por perto nos anos 90, então eles não me ouviram fazer 1.000 entrevistas, sabe? Então, eu tive essa oportunidade e esse espaço aberto e pensei: "Ok, vamos apenas fazer música, enquanto estou aqui.E pensava que isso seria mais um progresso do que ser crítica: "Este não é o momento de ser crítica. Talvez daqui a cinco anos, mas não agora!". Naquela época, eu apenas decidi ir em frente. E estou muito feliz por ter feito isso. Para ser honesta, não foi realmente algo muito pensado. Tudo aconteceu tão rápido!

Oddny Eir: Sim, mas é isso que estou dizendo! Agora, talvez pareça óbvio, que você tinha essa possibilidade, que você disse "sim" e fez todas aquelas entrevistas, sabe? E depois, talvez seja fácil criticá-las por aquilo que você estava ou não dizendo, mas de alguma forma essa é a ironia dos tempos.

Quando estamos de algum jeito tentando ser críticos, é tão importante entender que só o fato de agarrar a possibilidade de falar e dizer "sim" para uma entrevista... Talvez isso por si só, já era algo radical! Mas talvez agora seja tão óbvio que nem consideramos como um ato político, algo radical, como uma posição ou algo importante. Você demonstrou vulnerabilidade, mas também força e coragem, que eram coisas necessárias para as mulheres naquela época.

- Entrevista para o podcast "Sonic Symbolism", 2022.


Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres