Pular para o conteúdo principal

Björk e o controle da carreira no álbum Fossora

Depois de passar quase dois anos em seu país natal, a Islândia, onde tocou como DJ para pequenas multidões e teve um pequeno papel em "The Northman" ao lado de Alexander Skarsgård, Björk está pronta para conquistar o mundo da música - de uma forma que só ela pode fazer. Confira a tradução da entrevista para a revista Grazia:

Peter Reynolds: Tenho que perguntar sobre "The Northman". O que fez você se juntar ao elenco?

Björk: Bom, Robert Eggers, o diretor, veio para a Islândia e eu o apresentei a um amigo meu, Sjon, e então eles mantiveram contato, e eu não sabia, mas dois anos depois eles escreveram um roteiro de filme inteiro. Eu fui acidentalmente uma espécie de madrinha do filme, e eles me perguntaram se eu gostaria de aparecer nele. A princípio eu disse: "Não, não estou realmente interessada, desculpe". Não quero me gabar, mas me ofereceram muitos papéis importantes ao longo dos anos e apenas disse não a cada um deles. E Sjon perguntou novamente, e acho que temos esse contrato não escrito em que, se perguntarmos algo um ao outro, dizemos que sim. E então, quando ele me pediu para fazer parte deste filme, eu disse sim como um favor a ele. Para ser justa, foi apenas um dia de filmagem, então "The Northman" tirou apenas um dia da minha vida, então não foi um grande sacrifício para ser honesta.

PR: Qual foi a sensação de ser um oráculo?

BJÖRK: Tive um dia maravilhoso. É incrível trabalhar com Robert; ele é muito fértil e muito vibrante e um diretor maravilhoso. Além disso, minha cena foi com Alexander Skarsgård e ficamos esperando até as oito da manhã ou algo assim. Foi muito difícil filmar nesse sentido e foi maravilhoso trabalhar com ele e incrivelmente útil para mim.

PR: O que te fez escolher "Fossora" para o título do seu álbum? E se essa é a versão feminina da palavra latina para "escavador", o que você está cavando?

BJÖRK: Bem, neste caso, era mais ou menos o que 7 bilhões de pessoas estavam fazendo juntas. Estávamos meio que em quarentena e cavando um buraco no chão - obviamente não literalmente, mas mais emocionalmente - onde estávamos criando raízes porque estávamos no mesmo lugar por muito tempo. É como fazer este pequeno ninho com seus entes queridos, amigos, colegas de trabalho e família e cavar no chão, no solo e lançar raízes.

PR: Então a arte da capa resume o álbum, não é?

BJÖRK: Sim, eu pedi por aquele set. Construímos o cenário e tiramos fotos para parecer que eu estava no subsolo. Além disso, a posição agachada do meu corpo é esse tipo de posição de aterramento. Além disso, as cores, esse tipo de verde escuro com vermelho escuro são cores muito terrosas. As plantas representam toda a música e o crescimento que aconteceu no subsolo, que era um tipo de ambiente muito fértil. Um ambiente esperançoso.

PR: Seus últimos álbuns vieram com aplicativos, instrumentos especialmente desenvolvidos e outras ferramentas tecnológicas. Por que você está fugindo disso desta vez? Ou isso é de propósito?

BJÖRK : Fiz um aplicativo para mim mesma. Escrevo a maioria das minhas músicas caminhando ao ar livre e queria poder caminhar ao ar livre e fazer acordes enquanto estou caminhando, no momento exato. Isso é algo que eu nunca consegui fazer antes, então há algumas músicas escritas com este aplicativo, então foi mais egoísta. Sabe, acho que é muito empolgante onde estamos com a tecnologia agora com o Zoom e tudo mais, está em todo lugar. É para todos. E pela primeira vez na história da humanidade, 7 bilhões de pessoas estão assistindo os mesmos programas de TV, a mesma Netflix e acho isso muito, muito interessante. Isso é inovador, de certa forma.

PR: E Gabber Modus Operandi? Como você descobriu sobre esses caras da Indonésia?

BJÖRK: Bom, como eu disse, estou sempre online procurando coisas novas e os descobri há três ou quatro anos e estava ouvindo especialmente na pandemia quando não apenas fui DJ na minha sala, mas também DJ em outros lugares da minha cidade. Estivemos em alguns lugares no centro da cidade quando tivemos momentos em que as regras afrouxaram um pouco no meio da pandemia. Fizemos algumas noites de DJ em prédios onde apenas algumas - talvez 50 - pessoas poderiam estar. Eu apenas pensei que era realmente interessante toda vez que eu estava como DJ e toda vez que eu os colocava, as pessoas realmente começavam a dançar e todos corriam para a pista de dança. Eu acho que talvez eles tenham apenas uma crueza que eu amo e o fato de que eles estão misturando ritmos de gamelão, o que é autêntico para eles, é claro, e então colocando sons techno neles para que tenhamos metade da velocidade e depois o dobro da velocidade [no ritmo das canções]. 

PR: O que te fez criar "Trölla-Gabba"? Você acha que é isso que os trolls estão ouvindo quando festejam?

BJÖRK: Bom, eu sei que eu ouço quando sou um troll. Acho que às vezes somos todos trolls, sabe? Às vezes nos sentimos como um troll e às vezes nos sentimos como um gato ou pássaro delicado. Acho que quando nos sentimos como um troll, queremos apenas pular para cima e para baixo com o punho no ar e obter uma liberação catártica. Acho importante dançar regularmente, até a velhice. Acho importante ter isso como parte do nosso estilo de vida.

PR: Isso é exatamente o que sentimos falta por dois anos e meio. Não podíamos sair e dançar de jeito nenhum.

BJÖRK: Bom, pelo menos você pode dançar na sua sala de estar.

PR: Se falarmos sobre as letras: até que ponto este álbum é influenciado pela morte de sua mãe, Hildur, especialmente músicas como “Sorrowful Soil” e “Ancestress?”

BJÖRK: Sim, essas duas músicas foram escritas sobre minha mãe. “Sorrowful Soil” foi escrita talvez um ano e meio antes de ela falecer, então foi mais ou menos quando eu e meu irmão descobrimos que esse era o último capítulo da vida dela, então tem muita tristeza nela. Eu sinto que “Ancestress”, a última música que escrevi sobre ela, foi escrita depois que ela nos deixou e é mais sobre a celebração da vida e como os irlandeses ou mexicanos veem os funerais como uma oportunidade de celebração. Há alguma tristeza aí, é claro, mas é principalmente esse tipo de ritual celestial de celebração quando você está se despedindo de uma alma.

PR: O quanto sua mãe foi um modelo para você?

BJÖRK: Hmm, bem, esta é uma grande questão. Não consigo lembrar exatamente o que um poeta disse: “Nenhum dos meus poemas é sobre minha mãe, mas todos são sobre minha mãe”. Obviamente, eu poderia responder isso por um ano e ainda não teria terminado. Eu não acho que ela era um modelo do jeito que o tipo de dona de casa clássica patriarcal na cozinha deveria ser e estou muito feliz por isso. Não senti falta de nada disso, na verdade. Acho que, especialmente à medida que envelheço, entendo melhor que ela foi um modelo no sentido de que deixou o patriarcado e alugou uma pequena casa nos arredores de Reykjavik em uma comunidade de alguns personagens selvagens, e morávamos em uma casa que vazava quando chovia e tínhamos que acordar no meio da noite para esvaziar o balde.

Mas esse foi um período muito feliz para nós e acho que com uma espécie de sensação de liberdade. E ela não era realmente uma autoridade, eu não fui criada com disciplina de coisas assim. Quero dizer, parte disso foi geracional porque acho que todos na minha geração eram “os filhos-chave”, a geração de crianças que tinham as chaves penduradas no pescoço. Quando chegavam da escola, as mães dessas crianças não estavam e elas abriam a porta e ficavam sozinhas em casa até que seus pais voltassem. Acho que a Geração X se tornou muito autossuficientes e não reclamam muito. Acho que foi bom termos aprendido muito rapidamente a cuidar de nós mesmos.

Minha mãe me ouvia muito cantar quando criança, então ela me colocou na escola de música quando eu tinha 5 anos e eu estive na escola de música por 10 anos e sou grata a ela por isso. Além disso, ela lançou um álbum comigo quando eu tinha onze anos. Como eu disse antes em entrevistas, eu tinha sentimentos muito complicados sobre isso. Foi muito emocionante entrar em um estúdio e aprender a trabalhar. As outras pessoas que gravaram o álbum foram professores incríveis para mim. Mas eu tinha sentimentos bastante complicados sobre me tornar uma celebridade na Islândia aos 11 anos. Acho que era muito jovem, mas minha mãe tinha boas intenções. Foi com boa intenção. Eu não acho que ela quis me fazer mal. E por dois anos, todos esses adultos me ajudaram a fazer meu álbum. Então, sou grata a ela por isso. 

PR: Agora sua filha também está cantando na última música do álbum, em “Her Mother's House”. Ela é modelo e atriz e dizem que também está gravando seu próprio álbum.

BJÖRK: Sim.

PR: O que te fez escrever “Atopos”, “Fungal City” e “Freefall”? Você está apaixonada?

BJÖRK: Há algumas canções românticas no disco, com certeza. Eu acho que há amor romântico no álbum e também paternal para mim como mãe e como filha também. Mas há algumas músicas como “Fossora” que é mais como o amor da raça humana ou algum tipo de conselho, conselho para mim mesma, com certeza, como processar as coisas e muito mais. Sinto que meus álbuns sempre tiveram um equilíbrio entre amor, amor de amizade e amor romântico. Obviamente, o amor é um assunto enorme, certo?

PR: Onde você se vê na indústria da música de hoje? Você é alguém que teve um sucesso decente e está usando isso para simplesmente ser livre e fazer o que quiser?

BJÖRK: Para ser honesta, sempre fiz isso. Desde adolescente, estive em bandas punk e estávamos em uma gravadora independente na Islândia, onde não queríamos ganhar dinheiro. Eu venho desse background desde os meus 14 anos, esse tipo de ideia do "faça-você-mesmo" onde você não precisa se vender ou vender sua alma para corporações para ser um músico. Você não precisa. E se você sempre vender seu trabalho e tiver seu próprio controle criativo e seus próprios masters, poderá fazer o que quiser pelo resto da vida. E é basicamente isso que estou fazendo. Se muita gente gosta, é sempre um bônus, mas sempre tive consciência de que um dia tudo isso poderia passar, mas continuaria fazendo música no meu próprio ritmo.

Foto: Santiago Felipe.

Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres