Pular para o conteúdo principal

I Remember You: "Homogenic" completa 20 anos!


Em 22 de Setembro de 1997, Björk lançou mais um álbum icônico para a sua coleção que já era repleta de clássicos. Pegue seus fones de ouvido e escolha sua plataforma musical preferida e acompanhe uma matéria especial sobre os 20 anos de "Homogenic".


  Comercial do álbum

CURIOSIDADES:

- O disco foi gravado no estúdio "El Cortijo" de Trevor Morais, localizado no sul da Espanha
- Para a edição japonesa de "Homogenic",  "Jóga (Howie B Version)", "Immature" (Björk’s Version), "So Broken", "Nature Is Ancient" e "Jóga (Alec Empire Mix)" serviram de bônus track.
- "Jóga" também é o nome de uma das melhores amigas de Björk.
As letras em braille na capa e no encarte do CD single/Boxset de "Alarm Call" não significam absolutamente nada.
- Um livro especial em comemoração aos 20 anos de "Homogenic" será lançado em Outubro deste ano. 
- O incrível documentário do programa de TV "South Bank Show" foi exibido na época do lançamento do álbum e é Imperdível! 
Björk veio ao Brasil em Agosto de 1998 com a turnê de "Homogenic" como parte do festival "Close-Up Planet". A cantora se apresentou no Rio de Janeiro. O show em São Paulo foi cancelado após o palco ter desmoronado.
- O DVD da "Homogenic Tour", "Live in Cambridge", foi lançado em Novembro de 2001.

A CAPA:



"Este personagem representa alguém que nunca quis e nunca teve uma uma vida fácil (...) Eu tinha acabado de fazer dois álbuns, "Debut" e "Post", viajado pelo mundo e feito entrevistas me tornando meio que uma representante da Islândia. E existia aquele clichê, como se eu fosse um elfo, o que não é verdade, sabe? Eu fui para a Espanha e escrevi este álbum. Eu queria que as cordas soassem como vulcões. Para mim, é um disco muito patriótico. Quando estou na Islândia, sou cosmopolita, enquanto quando estou em Nova York, eu sou a pessoa islandesa. É um contraste interessante.


Minha ideia era chamar o álbum de "Homogenic", que é sobre eu ser de um lugar, mas ao mesmo tempo de outros 10 diferentes. 
Então, aquilo na capa é como uma pessoa indígena, mexicana, japonesa, uma manicure europeia, usando lentes de contato que fizeram parecer com que os olhos fossem de algum tipo de robô. Estávamos tentando criar uma rainha guerreira. Também foi ideia de Alexander McQueen". (Time, março de 2015).

Capa: Alexander McQueen // Foto: Nick Knight // Equipe de Design: MeCompany // Composições: Björk, Sjón, Guy Sigsworth, Mark Bell // Programação: Mark Bell, Markus Dravs, Richard Brown, Marius De Vries, Howie B // Arranjos de Cordas: Eumir Deodato, Björk // Produção: Björk, Guy Sigsworth, Mark Bell, Howie B.

AS CANÇÕES:

"Jóga": Lançada como o 1° single do álbum. 

"Nunca estive tão longe da Islândia, então, quando comecei a me preparar para "Homogenic", era meio óbvio que deveria ser um álbum de amor para a natureza da Islândia. Aprendi o suficiente sobre estúdios para fazer música pop islandesa moderna. Não é música islandesa tentando ser inglesa ou americana. Com "Jóga", eu realmente tinha uma espécie de hino nacional em mente. Não o hino nacional em si, mas algumas canções islandesas clássicas". (Record Collector, agosto de 2002).



"Bachelorette": Lançada como o 2° single do álbum.

"Porque eu queria que a letra dessa canção fosse épica, pedi ao meu amigo Sjón, que é um poeta na Islândia, para me ajudar a escrevê-la. Nós nos sentamos juntos em frente a mesa da cozinha e bebemos muito vinho tinto e eu lhe contei toda a história que eu havia pensado". (Record Collector, agosto de 2002).
 
"É como uma continuação de "Isobel", que decide voltar para a cidade ao pegar um trem, como nos anos 30, na América do Sul ou em algum outro lugar. Ela decide confrontar o amor com o amor e confronta os covardes que não têm coragem de se apaixonar pelo o que é o amor". (Paper Magazine, setembro de 1997).


  
"Hunter": Lançada como o 3° single do álbum.

"Eu acho que essa música é sobre quando você tem muitas pessoas que trabalham para você, e por isso é importante escrever músicas ou elas ficarão desempregadas, sabe? Na maioria dos casos, é inspirador, mas nessa canção em particular eu estava chateada e pronta para uma pausa, mas não parecia justo com quem eu trabalhava na época". (Record Collector, agosto de 2002).



"Alarm Call": Lançada como o 4° single do álbum.

"Eu acredito no poder da música para mudar as coisas. Às vezes eu sinto que sou a única pessoa que acredita nisso". (Record Collector, agosto de 2002). 

Esta música seria uma homenagem a Michael Jackson, de quem Björk sempre foi uma grande fã.




"Unravel": Uma das canções que mais esteve presente nos setlists de shows da islandesa. Ganhou um vídeo especial usado como backdrop na "Greatest Hits Tour" (2003):



"All Neon Like": Uma versão espetacular desta canção esteve presente na "Vulnicura Tour" e fã que é fã não pode deixar de conhecer:





"5 Years": Entre as favoritas dos fãs, já foi apresentada 113 vezes nos shows de Björk:





"Immature": How could I be so immature to think he would replace the missing elements in me? How extremely lazy of me... A gente começa a se tremer só com a letra dessa música.



"Pluto": Uma bela canção para encerrar um grande show! Quem aí arrisca uns passinhos ou colocá-la como despertador? Rs.




"All is Full of Love": Lançada como o 5° e último single do álbum, ganhou um dos videoclipes mais incríveis e amados da carreira de Björk:


"A versão original seria usada no vídeo, mas decidi perguntar a Howie B se ele podia fazer uma que capturasse a atmosfera de quando o sol aparece depois de uma tempestade". (Entrevista presente no encarte de "Livebox", agosto de 2003).


"Eu acho que acordar na Espanha por 6 meses e com poucas pessoas ao meu redor era muito solitário. Essa música é sobre quando você foi muito teimoso ao dar uma direção particular ao amor". (bjork.com webchat, junho de 2000).


"Na mitologia islandesa, existe uma história onde os deuses ficam agressivos e o mundo explode e tudo morre, e então o sol aparece e tudo começa de novo. "All is Full of Love" é a última faixa e vem logo após "Pluto", que representa a morte. "All is Full of Love" é como os pássaros que saem após uma grande tempestade. De certa forma, na minha cabeça, "All Is Full Of Love" é a primeira música no "Vespertine". (Record Collector, agosto de 2002).



via bjork.fr 

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…