Pular para o conteúdo principal

Show de Björk em Tbilisi, na Geórgia


Fãs de mais de 25 países acompanharam os primeiros shows de Björk na Geórgia. A artista que nunca havia incluído o país em sua rota de shows, compensou a longa espera de seus admiradores com mais duas lindas apresentações acústicas de "Vulnicura", cuja a turnê todos achamos que já tinha se encerrado em Julho

As apresentações da islandesa aconteceram em 31/10 (Tbilisi Concert Hall) e 03/11 (State Opera House of Georgia) dentro do SOU Festival, e ela contou com a participação da Orquestra Sinfônica da Geórgia.

"Posso agradecer aos habitantes irresistíveis de Tbilisi? Tivemos um dos nossos momentos mais mágicos de todos, além das flores que recebi na melhor recepção que já tive em todos os tempos". - Björk via facebook.

De acordo com informação divulgada pela Administração Nacional de Turismo da Geórgia, a cantora já considera o país como um de seus lugares favoritos e disse ter sido uma experiência extremamente agradável para ela. Só faltou gravar o DVD, né, colega?


Björk ainda encontrou tempo para apreciar o trabalho dos designers locais: na primeira noite de shows, usou uma fantástica coroa rosa feita pela artista georgiana Irma Sharikadze, que se disse emocionada com a atitude da cantora, em entrevista à Vogue: "Eu não poderia ter imaginado uma musa melhor. Me sinto simplesmente honrada e estou encantada".

Sem novidades no setlist (lê-se "The Gate"), Björk se apresentou com as seguintes canções:

Stonemilker // Lionsong // History of Touches // Black Lake // Family // Notget // Mouth Mantra // Aurora // I’ve Seen It All // Jóga // Vertebrae By Vertebrae // Quicksand // Pagan Poetry // Bachelorette // Anchor Song // Pluto

Pedindo para que os fãs parassem de filmá-la

Recebendo flores no final do show.
Você quer, Roberto Carlos?

Postagens mais visitadas deste blog

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Em turnê pela Europa, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 
- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?
Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.
- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?
Sim, seria incrível se os sites de streaming f…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …