Pular para o conteúdo principal

Nova entrevista para a Glamour Iceland


Amigos, estamos de volta! Depois de quase 1 mês sem atualizar o Björk BR, resolvemos reunir nesta matéria todas as informações pendentes, incluindo os tão comentados cancelamentos de shows da "Utopia Tour", que também ganhou algumas novas datas, a tradução da entrevista de nossa islandesa para uma revista da terrinha dela, o andamento dos próximos episódios da nossa Websérie de 40 episódios em comemoração aos 40 anos de carreira da Björk, que já está indo (bem atrasada) para o 3° episódio, e o lançamento do EP de remixes de "Arisen My Senses" em formato digital e vinil. Então vamos lá! (:

ENTREVISTA PARA A GLAMOUR ICELAND:

No mês de março, Björk foi capa da edição islandesa da revista "Glamour". Em uma longa conversa, a artista discutiu vários assuntos, incluindo sua relação com a Islândia, revolução, feminismo, cultura, maternidade, moda, meio ambiente e o mundo dos sonhos da utopia, afirmando que todos podem se amar, não importa o sexo ou a orientação sexual. Infelizmente, apenas um pequeno trecho da entrevista foi divulgado até agora para os não assinantes. Traduziremos o resto assim que for disponibilizado. Confira:

Os seus dois últimos álbuns trouxeram assuntos muito pessoais. De alguma forma, você se abriu mais para o mundo do que já havia feito antes? As máscaras representam alguma maneira para você se esconder de si mesma? Existe alguma interação entre isso, para se abrir através da música em si, como desaparecer por trás desse acessório?

"Que pergunta engraçada! Sim, principalmente em "Vulnicura", a história ali era tão pesada. Aquilo era mais forte do que eu. Eu sempre vinha experimentando como uma contadora de histórias. Pode até parecer que planejei toda essa narrativa, mas isso apenas veio quando eu sentei para criar o álbum. Não sou tão organizada e consciente de que tenho um conceito claro em mãos quando estou nesse processo. Tudo isso vem depois! Eu também me deixo levar para compartilhar aquilo que sei. Por exemplo, nos meus próximos vídeos eu saberei algo novo e poderei compartilhar algo mais. Então talvez 3 ou 4 anos depois eu esteja por aí andando de bicicleta ou assistindo a um filme, e então algo acontecerá e eu entenderei porque eu fiz isso e aquilo. Às vezes eu estou tão atrasada para descobrir de imediato! Assim como eu digo que tem que ser com a coisa da internet, precisa ser espontâneo. Esta é uma maneira de responder a essa pergunta.

E também é que agora todo mundo tem um telefone em mãos e todos vivem tirando fotos. Veja, quando eu saio para tomar um café, percebo que sempre tem umas quatro pessoas escondendo seus celulares debaixo da mesa para registrar esse momento. Eu não digo nada na hora sobre isso, eu não sou a pessoa mais famosa no mundo e não consigo imaginar como é com aqueles que são realmente famosos! Não me surpreende que muitos deles estejam em suas casas.

Os Papparazzis sempre foram algo muito ruim. Na verdade, não se trata de não serem pessoas boas, mas apenas de assumir ou não a alma de um bom homem. Isso é uma decisão! Há muitos anos, entendi que isso teria que ser uma parte da minha vida quando fosse fazer compras.

Eu passei a querer sempre viver em lugares em que posso fazer isso (de maneira mais tranquila), onde ninguém sabe quem eu sou. Tudo isso dizendo a mim mesma: "Conheça o seu mundo, eu compartilharei todas as minhas músicas e se eu puder manter alguma bondade, existem apenas algumas coisas das quais eu preciso. Eu não preciso de todas as coisas que muitos querem, mas preciso de privacidade. É apenas algo que eu preciso, senão não poderei continuar. Acho que o sorriso é de alguma forma parte desse  'estilo' punk". (Foto: Silja Magg)

Feminismo: "Comecei a pensar que o que vi em (mais de) 20 anos de trabalho foi que a coisa era fingir que não nos importávamos e, de repente o clima está mudando e você precisa seguir também. O feminismo deve ser flexível e aberto, não rígido".



 

EP DE REMIXES: "ARISEN MY SENSES"

Um novo EP foi adicionado no catálogo de Björk nas plataformas digitais. Trata-se de 3 remixes da canção "Arisen My Senses", que também já está em pré-venda na loja oficial em Vinil, com uma cor que lembra bastante a da máscara usada no vídeo da música. Os produtos serão enviados a partir de 25 de maio.

MAKING OF:

“Há muito mais na música do que apenas trabalho”, diz uma voz islandesa muito familiar no início do primeiro episódio de "Work in Progress", uma nova e brilhante série de documentários da WeTransfer. “Se eu colaborar, quero que essa conexão seja genuína; Para descobrir mais sobre os processos criativos por trás de alguns dos artistas mais importantes da atualidade, essa primeira etapa do projeto traz Björk e seu amigo e colaborador Jesse Kanda. Juntos, eles fizeram a capa do álbum "Utopia", e os vídeos de "Mouth Mantra" e "Arisen My Senses", cujas as imagens da gravação aparecem no episódio. 

Tudo começa na Islândia, onde Björk explica que lá não há separação entre natureza e pessoas; eles são a natureza. Ela reflete sobre como foi crescer em Reykjavík, uma pequena comunidade recheada de músicos onde todos se ajudavam, compartilhando equipamentos e fazendo videoclipes juntos: "O videoclipe é uma das formas (de expressão) mais incríveis que existe”. Pessoas como Jesse, Nick Knight, Chris Cunningham - são todos artistas visuais. Eu vejo meu papel como o de uma curadora".

Por conta desse lançamento, nossa islandesa concedeu uma pequena entrevista exclusiva para o site i-D. Confira a tradução depois do vídeo:


Oi, Björk! Em "Arisen My Senses", você meio que muda de forma. Se você pudesse ampliar qualquer parte do seu corpo, o que faria e por quê? 

Quando eu e Jesse conversamos pela primeira vez sobre o vídeo, eu disse a ele que meu instinto dizia que teria que ser como se fossem flores florescendo em cada batida da música, e com a ajuda de James [Merry], nós conversávamos muito sobre orquídeas. Eu provavelmente estava realmente nessa de ser uma espécie de planta e mutante humano, um 'híbrido' otimista após o apocalipse - talvez um pouco fodida, mas muito feliz. James e eu trabalhamos muito em materiais que acabaram como fotos e em outros vídeos. Ele levou tudo isso para o próximo nível com essas mariposas transformando-se em borboletas. 

O vídeo de "Arisen My Senses" é como um ciclo de vida simultâneo. Quando a vida parece esmagadora, o que você faz para se sentir melhor? 

Mais uma vez eu me volto para a música em tudo. Tento colocar a música certa todas as manhãs e se eu conseguir, isso eleva o meu dia. Mas para ser bem honesta, é como um trapézio constante. 

Qual arte feita por outra pessoa você gostaria de ter criado? 

Eu realmente não penso nesses termos - é uma armadilha. Leva você para longe de sua própria missão, mas se eu for dizer quem me inspira, tenho que falar que é a Meredith Monk que acabou de estrear um trabalho importante, em um Museu no Brooklyn, no último fim de semana, com 75 anos! Ela é uma boa amiga minha e pavimentou o caminho para as mulheres envelhecerem e crescerem enquanto permanecem férteis. Isso é o verdadeiro pioneirismo, (...) valente, e ainda traz menos humanos do que os que chegaram ao espaço! 

Qual foi o último sonho (durante o sono) que você se lembra de ter? 

Estou preparando a minha turnê e eu fiquei rindo em um momento esta manhã por ter tido um sonho com o menor impacto simbólico, como sempre: estar perdida em um subúrbio em algum lugar e não conseguir soletrar o nome da rua em que estou para o motorista do Uber... ou talvez isso seja realmente profundo, quem sabe?

MUDANÇAS NA 'UTOPIA TOUR':

Poucos dias após mudar a rota de sua turnê, Björk cancelou o show que faria em um festival em Portugal alegando problemas logísticos. A apresentação anunciada extraoficialmente na Croácia também tomou o mesmo rumo. Novas datas foram anunciadas: 1 na Bélgica, no dia 11 de julho - Gent Jazz Festival, e 2 shows solos na Islândia!

Os shows de Björk no Háskólabío Theater em Reykjavik antecipam o início da turnê, que agora começará no dia 9 de abril. 

Curiosidade: Inicialmente, o concerto de 12 de abril seria o primeiro da turnê, mas depois de todos os ingressos esgotados devido à alta demanda, foi anunciado que uma segunda apresentação (agora a primeira) com tickets muito limitados acontecerá 3 dias antes.

Conforme anunciado pela cantora, a ocasião servirá como um ensaio geral antes de uma longa viagem com os shows pelo mundo, já que as performances especiais proporcionarão uma oportunidade única de ver a evolução de "Utopia" como uma entidade viva, pois precede o início da turnê mundial do álbum, que será baseada nos elementos de palco revelados no show na Islândia. Segundo o site mbl.is, o show terá uma orquestra com 7 flautistas, o engenheiro de som do álbum, que será responsável pelos sons eletrônicos e trombone, além de Manu Delago na percussão. Ainda segundo a matéria, o show terá um grande cenário feito pelo mesmo criador do que foi usado no do clipe de "Utopia", e coreografia.


Postagens mais visitadas deste blog

Conheça as histórias de todas as canções do álbum "Utopia"

Lançado em 24 de novembro de 2017 , o álbum Utopia é um dos trabalhos mais incríveis da carreira de Björk .  Reunimos em uma matéria especial detalhes de todas as faixas do projeto. Confira:  Foto:  Jesse Kanda (2017).  1. Arisen My Senses: "A primeira faixa que escrevi para o álbum Utopia foi justamente a de abertura. A melodia é como uma constelação no céu. É quase uma rebelião otimista contra modulações com narrativa "normais". Não há apenas uma. Tem umas cinco e eu realmente amei isso. Adicionei um arranjo de harpa junto de um texto, e enviei essa música de presente para a Arca . Ela mal podia acreditar, pois sentiu que bati de algum jeito em seu inconsciente! Criei a partir de um trecho de uma mixtape no SoundCloud dela, um trabalho feito uns três anos antes. Vi aquilo como o seu material mais feliz. Nem comentei com ela, apenas reeditei e mandei. Desta vez, estávamos fazendo juntas, de igual para igual, o oposto de Vulnicura . E esse foi o ponto de partida par

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R

Os preparativos para o próximo álbum de Björk

Em 13 de novembro, Björk participou da conferência online   Artificial Intelligence Expo of Applications (AIXA). Durante o bate-papo, que contou com a presença do cineasta Luca Guadagnino e do diretor artístico/curador Andrea Lissoni , ela falou rapidamente sobre a criação de seu próximo álbum :  "Sim, com certeza passo muito tempo compondo. Em cada um dos meus discos, gosto de me surpreender durante o processo criativo. Percebo minha voz como algo controlado pela natureza, o lado biológico. Então, para mim, escrever uma canção é tipo: "Oh, agora vou fazer algo que nunca fiz antes!".  Com relação ao estilo do ritmo, é como resolver o mistério de um assassinato. Aliás, estou exatamente nesse estágio para o meu próximo álbum. Tenho trabalhado nisso, mas não se pode decidir nem tão cedo nem tão tarde, pois é como matar uma das etapas. Tem que estar no território do subconsciente, sabe?  Com a situação que o mundo está enfrentando no momento, estamos todos tentando nos ma

Hildur Rúna Hauksdóttir, a mãe de Björk

"Como eu estava sempre atrasada para a escola, comecei a enganar a minha família. Minha mãe e meu padrasto tinham o cabelo comprido e eles eram um pouco hippies. Aos dez anos de idade, eu acordava primeiro do que eles, antes do despertador tocar. Eu gostava de ir na cozinha e colocar o relógio 15 minutos mais cedo, e então eu iria acordá-los... E depois acordá-los novamente cinco minutos depois... E de novo. Demorava, algo como, quatro “rodadas”. E então eu acordava meu irmãozinho, todo mundo ia escovar os dentes, e eu gostava de ter certeza de que eu era a última a sair e, em seguida, corrigir o relógio. Fiz isso durante anos. Por muito tempo, eu era a única criança da minha casa, e havia mais sete pessoas vivendo comigo lá. Todos tinham cabelos longos e ouviam constantemente Jimi Hendrix . O ambiente era pintado de roxo com desenhos de borboletas nas paredes, então eu tenho uma certa alergia a essa cor agora (risos). Vivíamos sonhando, e to