Pular para o conteúdo principal

Sonso, Lars von Trier diz ter abraçado Björk e não a assediado sexualmente


Em outubro de 2017, através de posts no Facebook, Björk acusou Lars von Trier de assédio sexual. A cantora explicou que tudo aconteceu durante as filmagens de "Dançando no Escuro". O fundador da gravadora da islandesa confirmou a história após o próprio diretor negar em depoimento à imprensa. Mas agora, em entrevista ao "AlloCiné" durante o Festival de Cannes, ele se defendeu mais uma vez. Respire fundo e confira:

"Você sabe, 90% dos jornalistas com quem falo acreditam que eu assediei Björk, mas isso é ridículo porque eu já neguei antes, mas ninguém escreve sobre isso porque uma boa história é escrever que assediei ela. E este não é o caso. Eu toquei nela, é verdade. Eu fiz isso com todas as minhas atrizes. Porque ela estava fazendo um trabalho muito intenso: gritando, ficando doente... (por causa das gravações), então obviamente eu a abracei. Mas se ela acha que um abraço é assédio, então acho que não vou conseguir ter sucesso sem tocar em meus atores. Eu não a toquei nos lugares errados, eu acho".

Von Trier ainda falou sobre o movimento #MeToo: “Eu acho que o movimento MeToo é uma ideia brilhante. Quando é usado da maneira certa, é algo muito importante. O problema é que a internet é algo que nós não imaginávamos que afetaria tanto nossas vidas. Ninguém pensou que isso ou aquilo poderia acontecer. Só que algumas pessoas reprimidas em alguns países tinham uma maneira de se dirigir ao mundo. Estou com medo de que, se alguém disser que a pessoa tenha cometido homicídio ou algo assim, ela [não] seja considerada inocente até ser provada sua culpa".


"Você acredita que o cara de pau do cineasta dinamarquês
disse que estava apenas me abraçando? Cara, ele é muito safado!".

Saiba mais:


Comente com outros fãs:


Postagens mais visitadas deste blog

Exposição Björk Digital em cartaz no Rio de Janeiro

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Björk já quase saiu em turnê com o Radiohead

Em 1998, Björk e o Radiohead estavam fazendo shows pelo mundo divulgando Homogenic e Ok Computer, respectivamente. Hoje, ambos os álbuns são clássicos na discografia desses artistas. Em abril daquele mesmo ano, eles iriam unir forças no palco em quatro apresentações em arenas na América do Norte. Os ingressos já tinham sido colocados à venda, inclusive, com uma data marcada no lendário Radio City Music Hall, em Nova York. 
Mas dois meses antes da primeira performance, a participação da islandesa na turnê do grupo foi cancelada. Em comunicado veiculado na revista NME, com o posicionamento dela e da banda, o motivo foi revelado: "Os cenários dos shows de cada um deles são mais do que elaborados, com muitas configurações técnicas no som. Isso exigiria que o público esperasse bastante tempo entre os sets", explicou a assessoria.



Ainda de acordo com a nota, a demora seria de aproximadamente uma hora, algo que tanto o Radiohead quanto a Björk achavam inaceitável para seus fãs. Um…