Pular para o conteúdo principal

Para a Folha de São Paulo, Björk fala sobre o envelhecimento de sua voz


Na próxima terça-feira, 18 de junho de 2019, a exposição Björk Digital chega a São Paulo no Museu da Imagem e do Som (adquira ingressos clicando AQUI). Boa parte das datas já estão, inclusive, esgotadas! Em processo de divulgação do projeto, a cantora islandesa concedeu uma entrevista exclusiva para a Folha, em uma conversa por telefone direto de sua casa na Islândia. A matéria é de Diogo Bercito. Confira:

Björk discutiu alguns tópicos, como o estado atual de seus vocais: Ela vem cantando com tons abaixo das versões de seus discos já há alguns anos: "Deixo que a minha voz envelheça". A artista ainda se mostrou tranquila sobre a passagem de tempo natural da vida, e criticou a discriminação que a maioria das mulheres sofrem dando como exemplo Frank Sinatra e Johnny Cash, que puderam envelhecer sem esse tipo de cobrança do público, que parecia considerar suas vozes ainda mais charmosas com o avanço da idade. Enquanto, Whitney Houston era ridicularizada por não conseguir mais cantar com os mesmos agudos que alcançava na juventude:

"Eu canto com a voz que eu tenho, e escrevo melodias que posso interpretar neste período específico. Quando as pessoas me ouvem cantar hoje, estão me ouvindo na casa dos 50 anos, e é diferente. Há 20 anos, eu não teria feito essa nova versão de Venus as a Boy (do show Cornucopia), afirma. "Acho que é bom tentar aproveitar cada período das nossas vidas". 

Videoclipes: "Faço videoclipes desde que eu era adolescente. Ainda faço isso hoje, mas com ferramentas diferentes. Tenho tentado captar o momento mágico no qual a música e o visual coincidem. Não creio que eu acerte na maior parte das vezes, mas de vez em quando funciona. Penso que é o melhor formato para nos expressarmos. É incrível! Amo o fato de que posso colocá-los no YouTube, sem que as pessoas precisem pagar para assisti-los. Fui criada na classe trabalhadora, então gosto dessa coisa democrática". 

O espírito 'Faça-você-mesmo': "Na minha casa, todo mundo costurava o próprio suéter. Gosto de trabalhar com gente assim. Que pega um graveto, um papel e se pergunta o que pode fazer com eles. Quando eu tinha 16 anos, cortei meu cabelo e fiz "rabos de cavalo" (com os fios dele) para todos os membros da minha banda. Prendemos com alfinetes nas nossas calças e nos tornamos outras criaturas", relembra.

Quanto ao processo de se transformar sempre no palco, desde o início da carreira, ela diz que é algo primitivo, e que sabe diferenciar bem as coisas: "Um dia os homens da caverna estavam sentados ao redor do fogo, à noite, e uma pessoa ali pintou o rosto, virando uma criatura xamânica", diz. "Esse estilo teatral é algo profundo. Não é artificial. Aprendi que não sou eu ali. Não sou eu que estou crescendo, e foi da maneira mais difícil. Nas vezes em que meu ego se tornou gigante, tudo desmoronou. O palco é sobre encontrarmos algo maior daquilo que somos, algo que todos nós temos em comum. Uma coisa xamânica, teatral, ou drag, ou uma ave-do-paraíso em Papua-Nova Guiné. É nossa experiência como animais".

Pela milésima vez, ela explicou sobre o uso de máscaras em suas apresentações: "Os paparazzi eram difíceis nos anos 90, mas, hoje, todo mundo tem um telefone. Quando vamos a um restaurante, tem umas cinco pessoas fotografando a gente", afirma. "Posso tirar a máscara, colocar uma camiseta, voltar a ter uma vida normal. Aprecio essa separação. Sou triplamente de escorpião. Gosto do mistério, de me esconder, de escolher cuidadosamente quando vou ser extrovertida", diz.

Segundo a análise do jornalista responsável pela matéria, enquanto conversa ao telefone, Björk fala por longos períodos, emendando um pensamento no outro (como já sabemos bem 😍). Para ele, este momento do bate-papo dos dois parece ter sido o que ela justamente escolheu para ser extrovertida: "Nas entrevistas, sempre parece que eu sei de tudo. Mas eu não sei", ela insiste. "Eu não sei!", enfatiza rindo de si mesma.


Postagens mais visitadas deste blog

A história do vestido de cisne da Björk

20 anos! Em 25 de março de 2001 , Björk esteve no Shrine Auditorium , em Los Angeles, para a 73º edição do Oscar . Na ocasião, ela concorria ao prêmio de "Melhor Canção Original" por I've Seen It All , do filme Dancer in the Dark , lançado no ano anterior.  No tapete vermelho e durante a performance incrível da faixa, a islandesa apareceu com seu famoso "vestido de cisne". Questionada sobre o autor da peça, uma criação do  fashion   designer macedônio  Marjan Pejoski , disse: "Meu amigo fez para mim".    Mais tarde, ela repetiu o look na capa de Vespertine . Variações também foram usadas muitas vezes na turnê do disco, bem como em uma apresentação no Top of the Pops .  "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas nos compreendam. Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. 

Na 2º noite do show Orkestral, Björk resgata canções de Medúlla e outras raridades da discografia

No 2º show de Orkestral , uma grande performance de Björk , que já está entre as mais incríveis de toda sua carreira! Superando o 1º concerto, a artista apresentou várias canções de Medúlla , bem como diversas outras raridades ao longo do setlist.  Ela apareceu em um lindo vestido azul de Balenciaga , usando também um headpiece desenvolvido por James Merry . No palco, esteve acompanhada do coral Hamrahlið  sob direção de Þorgerður Ingólfsdóttir ;  Bjarni Frímann Bjarnason e Bergur Þórisson no órgão. Ela comentou sobre cada um deles ao agradecê-los durante o show:  "Apresento a vocês o diretor de orquestra e de todos os tipos de teclados: bergur þórisson, que também fez este Órgão incrível e outros instrumentos eletrônicos. Nos milhares de teclados diferentes (acordeão, piano, cravo e celesta), Bjarni Frímann.  Quero agradecer, principalmente, por uma jornada incrível, durante 18 meses em todo o mundo, o apoio, a incrível inspiração... Não sei com quem começar. Ok, primeiro, þo

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Björk fala sobre o estilo do novo álbum e o show Orkestral

Em entrevista para a rádio islandesa Rás 1 , Björk celebrou a volta aos palcos após dois anos. Ela também falou sobre o processo criativo de seu novo álbum ! No período de produção de seu próximo disco, a islandesa conta ter desenvolvido beats que ela sente que se comportam como um "vírus", "que estão parados em determinado momento, mas logo se movimentam":  "A maioria das músicas que fiz no passado, tem 80-90 beats por minuto. Existe uma razão óbvia para isso. É que costumo criar e cantar quando estou caminhando, e eu ando nessa velocidade. Porém, nesse novo álbum, é como uma espécie de ambiente "gelado" na primeira metade da canção, indo em seguida em uma direção mais calma e aconchegante. Quando falta cerca de um minuto para a faixa terminar, ela se transforma em um "clube", apenas por um minuto", explica. Segundo Björk, esse formato funciona como algo ideal para uma festa em tempos de COVID, que deveriam acontecer de um modo meno

Björk estreia nova turnê "Orkestral" com livestream direto da Islândia

No primeiro show do Björk Orkestral , o setlist trouxe clássicos e algumas raridades. É o primeiro registro audiovisual oficial desde Biophilia Live (2014). Com ingressos esgotados e a presença do público no auditório Eldborg do Harpa Hall , nossa amada cantou também para todo o mundo através de um livestream direto de Reykjavík . No palco, esteve acompanhada pela Icelandic Symphony Orchestra , o maestro Viktor Orri Árnason e a harpista Katie Buckly . Foi lindo! Houve também uma transmissão na TV e rádio local, RÚV e Rás 1 . O mesmo deve acontecer nas próximas datas. Aparentemente, o serviço está disponível apenas para quem mora lá.  Destaques: - Stonemilker : A primeira gravação profissional em vídeo da faixa, que foi lançada em 2015. - Lindos arranjos por todo o espetáculo, incluindo Aurora , I've Seen It All e Sun in My Mouth , que até então só tinha sido cantada ao vivo 4 vezes. - You've Been Flirting Again e Isobel , juntinhas como no álbum Post . - Os hinos Hyperball