Pular para o conteúdo principal

O respeito de Björk por seus amigos e colaboradores


Em nova entrevista ao site Excelsior, a cantora falou sobre a experiência de voltar aos palcos com um novo espetáculo, que conta com a direção de Lucrecia Martel. Aliás, seria ela o único ser humano capaz de traduzir o universo de Utopia aos palcos? Rindo, a artista respondeu:

"Hahahaha, sim! Parecia que algo dentro de mim, o meu instinto, me dizia que tínhamos opiniões em comum sobre o mundo, coisas que ambas queríamos fazer, e talvez o mais importante, o mesmo senso de humor. Toda essa história começou em 2015, quando escrevi Arisen My Senses. Foram várias etapas desde então, tanto para mim quanto para meus colaboradores. Compus as músicas, os arranjos de flauta, produzi as canções, algumas ao lado de Alejandra (Arca). A partir daí, comecei a reunir referências para finalmente pedir o apoio de colaboradores visuais. Foi só em janeiro (de 2019) que pedi a Lucrecia para dirigir o espetáculo em um nível teatral. Então os vídeos e máscaras foram fabricados, e esse "mundo utópico" estabelecido. Foi um desafio para ela se juntar ao projeto tão em cima da hora, mas ela encontrou seu lugar e abraçou todas as ideias. Eu a amo muito. Ela é uma líder que conseguiu unir todos nós (da equipe), construir pontes, protegendo minha visão para o show, mesmo que tenha acrescentado seu toque à produção".

Segundo Björk, a diretora argentina ao lado de Chiara Stephensson mudou a forma das animações tridimensionais do show para um efeito semelhante ao de pinturas a óleo. A intenção era dar um toque mais físico ao universo de Cornucopia.

"Me sinto atraída pela sua recusa em repetir clichês. Ela nos desviou de qualquer coisa sentimental ou banal. Ambientalismo e Feminismo podem ser complicados, muitas vezes correndo o perigo de serem justos e importantes demais para não se congelarem em dogmas. Pelo menos metade dos meus melhores amigos e colaboradores são homens. Todos eles são algumas das pessoas mais abertas que já conheci e apoiam muito as mulheres. Exceto alguém cujo nome não direi. Minha experiência diz que 99,99% dos homens apoiam as mulheres", explicou a islandesa.

Björk acredita que o #MeToo também os revolucionará, e pede que as pessoas não alienem homens e meninos, porque acha que isso impede o crescimento deles como pessoas. A artista dá como exemplo o fato de que eles são ensinados a não mostrarem seus sentimentos e, em seguida, são questionados sobre sua frieza. Ela diz não gostar nada disso.



A islandesa demonstra muito respeito por cada um dos seus colaboradores como indivíduos. Quando Jorge Santamaría, o jornalista responsável pela matéria, mencionou Arca no masculino, ela o corrigiu e pediu que ele se referisse no feminino, já que a produtora, amiga e colaboradora dela se identifica como não-binária e prefere ser chamada desta maneira.

Durante seus shows em Nova York, Björk esteve acompanhada por um coral da Islândia. No entanto, para os cinco que fará a partir de hoje no Parque Bicentenario, México, ela estará ao lado do Coral Staccato: "Eu quero que as laringes mexicanas deem cor à minha música. Já os ouvi e percebi que são incríveis. Além disso, essas pessoas estarão junto das flautistas do Viibra, percussionistas, harpistas, do órgão de oito metros de comprimento, tambores de água, da cabine de reverb, da flauta circular e de muitos outros instrumentos", contou entusiasmada. 

Postagens mais visitadas deste blog

Björk encanta o México com o espetáculo Cornucopia

Com a virtude da ignorância, compareci ao show Cornucopia no México, com direção da argentina Lucrecia Martel. Eu não procurei nada sobre a apresentação, nem mesmo o enredo ou o setlist. Fazia muito tempo desde que eu tinha experimentado a emoção quase que infantil de não saber com certeza no que eu estava me metendo.
Uma enorme tenda foi montada no Parque Bicentenário para uma ocasião tão especial, reunindo 4 mil pessoas por noite. Um lugar no qual a artista islandesa organizou até os mínimos detalhes para criar um espetáculo audiovisual que alude à razão tanto quanto aos sentimentos.

A experiência sensorial através da disposição do som do show dá ao público uma sensação de intimidade, algo tão caloroso. De um lado vem a doçura das flautas transversais do septeto feminino Viibra, do outro era possível notar o deslizar dos dedos da harpista Ruth Bennett. Tudo isso ia de encontro com o coral mexicano Staccato, Manu DelagoBergur Pórisson e é claro, a linda voz de Björk. Na ambientaçã…

Vulnicura VR finalmente será lançado para download

Demorou, mas chegou! Vulnicura VR, o grande empreendimento de Björk em realidade virtual, finalmente estará disponível para download. Os fãs poderão adquiri-lo na próxima sexta-feira, 6 de setembro, através da plataforma Steam.
O projeto, em constante desenvolvimento desde 2015, deu origem a mostra Björk Digital, um belo retrato da obra da islandesa, que esteve em cartaz por dois meses em São Paulo e em breve chegará ao Rio de Janeiro, em Brasília e em Belo Horizonte.


Agora acessíveis fora da exposição itinerante, o aplicativo reúne os curtas produzidos para o disco, sendo eles: Stonemilker, LionsongBlake LakeFamilyNotgetMouth Mantra Quicksand, além dos backdrops com animações das partituras das canções por Stephen Malinowski (incluindo History of Touches e Atom Dance), utilizados na Vulnicura Tour. Para se ter a experiência completa daqueles em 360º, é necessário ter fones de ouvido e os óculos especiais de realidade virtual. 


De acordo com a islandesa, quando o álbum é co…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…