Pular para o conteúdo principal

Folha de São Paulo publica relato sobre Cornucopia

Foto: Santiago Felipe

A Folha de São Paulo publicou uma matéria sobre o show Cornucopia. A convite da equipe da exposição Björk Digital, o jornalista brasileiro Rodrigo Pinto viajou até Glasgow, na Escócia, para assistir ao espetáculo. Ele também conversou com James Merry nos bastidores do show. Confira os principais trechos do relato.

--
Aos seis anos de idade, Björk passou a caminhar, todo dia, 40 minutos até a escola. Sua família vivia numa casa de quarto e sala, num morro perto da capital da Islândia, Reykjavik. “Ouvíamos música o tempo todo, bem alto. Às vezes, chovia e entrava água no quarto. Meu irmão e eu botávamos um disco de vinil e, com baldes nas mãos, encarávamos tudo como uma aventura”, diz a multiartista.

Foi a caminho da escola que ela passou a criar melodias que até hoje ecoam em sua cabeça e formam o fantástico universo musical de Cornucopia, considerada por Björk sua mais elaborada turnê. 

Ela é do tipo de artista que instiga seu público e se mostra antítese da era Trump —ou Bolsonaro— e do dito patriarcado que representam. Assim, prova que todos os adjetivos comumente dirigidos a ela —extravagante, excêntrica, temperamental— não passam de despeito e, possivelmente, machismo.

“Björk é persistente em ser otimista”, me disse James Merry, amigo pessoal dela, co-diretor criativo do show e criador das máscaras que cobrem os rostos dela, do septeto de flautistas Viibra e dos integrantes do coro Hamrahlíð. “Ela não quer assustar para provocar a mudança. Ela quer apresentar alternativas”, emociona-se Merry, quando, na sequência, Björk canta Future Forever no palco. O público aplaude, já de pé. 

O co-diretor criativo da artista diz que a trupe está “louca para ir ao Brasil”. A última vez de Björk no país foi em 2007. Por ora, a mostra de VRs dela circula pelo Brasil, agora com entrada gratuita em Brasília (saiba mais clicando AQUI). 
--
Siga o Björk BR no Twitter e Instagram: @sitebjorkbrasil.

Saiba mais: 




Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição Björk Digital em cartaz no Rio de Janeiro

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Björk já quase saiu em turnê com o Radiohead

Em 1998, Björk e o Radiohead estavam fazendo shows pelo mundo divulgando Homogenic e Ok Computer, respectivamente. Hoje, ambos os álbuns são clássicos na discografia desses artistas. Em abril daquele mesmo ano, eles iriam unir forças no palco em quatro apresentações em arenas na América do Norte. Os ingressos já tinham sido colocados à venda, inclusive, com uma data marcada no lendário Radio City Music Hall, em Nova York. 
Mas dois meses antes da primeira performance, a participação da islandesa na turnê do grupo foi cancelada. Em comunicado veiculado na revista NME, com o posicionamento dela e da banda, o motivo foi revelado: "Os cenários dos shows de cada um deles são mais do que elaborados, com muitas configurações técnicas no som. Isso exigiria que o público esperasse bastante tempo entre os sets", explicou a assessoria.



Ainda de acordo com a nota, a demora seria de aproximadamente uma hora, algo que tanto o Radiohead quanto a Björk achavam inaceitável para seus fãs. Um…