Pular para o conteúdo principal

25 anos de Telegram, a extensão de Björk para o álbum Post

Telegram, a coleção baseada nas canções de Post, foi lançada no final de novembro de 1996: "Acredito que os remixes não são respeitados o suficiente. Muitos deles foram incrivelmente criativos ao longo dos anos. Para mim, é como um dueto entre a pessoa com quem estou trabalhando e eu mesma", disse Björk em entrevista.   


Boa parte dos remixes de Telegram, já haviam aparecido como Lado B em alguns dos singles do disco original. Apenas The Modern Things e It's Oh So Quiet não ganharam novas roupagens. 

Björk escolheu o time de parceiros, incluindo Brodsky Quartet, Dillinja, Dobie, Graham Massey, Mark Bell, Outkast, Rodney P, Mika Vainio e Eumir Deodato. Todos tiveram total liberdade para entregarem o material da forma que desejavam. Além disso, a islandesa recriou You've Been Flirting Again. 

"Quando fiz o Debut aprendi muito e conheci muitas pessoas criativas. E algumas delas foram convidadas para remixar as canções do álbum, então muitas sementes foram plantadas, vamos colocar dessa forma. Assim que comecei a escrever e organizar Post, percebi que muitas vezes estava escrevendo coisas com pessoas específicas em mente. Daí meio que deixei espaços para outras versões.

Além disso, é importante para mim, quando faço um álbum, que tenha muitos ângulos emocionais diferentes, pois é assim que as pessoas são. Não entendo álbuns pop em que tudo é sexy ou legal durante o disco inteiro. Ainda bem que os humanos são um pouco mais complexos do que isso. Post tem muitos ângulos emocionais diferentes e esse álbum reflete isso. Considero importante que tenha um equilíbrio, que mude de música para música.

No Post eu flerto com essa ideia, mas em Telegram me dei a liberdade de ir até o fim com isso. Estou me entregando mais aos diferentes sabores do Post. É ainda mais egoísta porque vou até o fim. Mas tenho um daqueles empregos estranhos em que quanto mais egoísta você é, mais chances você tem de ser generoso por meio desse tipo de colaboração".

O álbum também inclui uma música inédita, My Spine, que quase saiu no Post. É uma colaboração com a percussionista escocesa Evelyn Glennie, que tocou marimba no show icônico do MTV Unplugged, em 1994:

"Eu fui até a casa dela em Oxford. Nós comemos muitos biscoitos e bebemos muito chá. Ela pegou os tubos/Exhaust Pipes e nós apenas inventamos essa música e gravamos em dez minutos. Ela é uma das pessoas que tive a sorte de conhecer. Uma percussionista incrível e das mais respeitadas no mundo".

Glennie começou a perder a audição aos 8 anos de idade. A situação se agravou aos 12. No entanto, isso não impediu sua performance como musicista. Em entrevista para PBS, afirmou que a deficiência auditiva é mal compreendida pelas pessoas, explicando que aprendeu sozinha a ouvir outras partes do corpo, o que influenciou em como ela sente a música. Em resposta ao que descreveu como reportagens imprecisas da mídia, publicou Hearing Essay e a palestra How To Truly Listen, nas quais discute o assunto. Saiba mais clicando AQUI

Ela e Björk também tem uma outra canção lançada, Oxygen, que apareceu em 1997 em uma coletânea de Glennie: "My Spine pertence a um grupo de faixas que Björk e eu escrevemos e experimentamos durante nosso encontro inicial. Eu digo "experimento" porque é exatamente o que fizemos no meu estúdio de gravação. A Björk foi seduzida por uma enorme coleção de instrumentos de percussão e o que decidimos usar? Tubos de escapamento de carros/Exhaust Pipes, que tinham sido feitos em casa!

O efeito deles junto a um Glockenspiel traz um som cru, agitado, semelhante ao de um gamelão, em contraste com a voz dela. O título veio simplesmente por gostarmos do som e da sensação das palavras My Spine. É muito difícil explicar o sentimento que temos quando encontramos alguém pela primeira vez. De alguma forma, a mágica acontece. Oxygen foi o primeiro experimento que Björk e eu fizemos em 1995. Tudo o que gravamos, com instrumentos e outros ruídos não refinados, mostra que foi um esforço totalmente espontâneo, sem "maquiagem" ou manipulação de qualquer tipo. É assim que gosto de fazer música. Por que Oxygen? Não tenho a menor ideia. Havia muita criatividade em um curto espaço de tempo. Qualquer colaboração é uma oportunidade de realmente ver, fazer perguntas e experimentar. Você sempre é uma criança", explicou Evelyn Glennie. 


Colaborações: "Música é como sexo. Por que fazer sexo sozinho quando você pode fazer isso com outra pessoa?", explica Björk. "Para mim, Telegram é realmente o Post também, mas lá todos os elementos das músicas estão apenas exagerados. É como o núcleo dele. É por isso que é engraçado chamá-lo de "álbum de remixes". Na verdade, é o contrário. "Telegram" é mais rígido, nu. Não tentando torná-lo bonito ou pacífico para os ouvidos. É apenas um disco que eu mesma compraria, é como uma carta para mim mesma. Mais ou menos: "Foda-se o que as pessoas pensam". É a verdade.

Acredito que os remixes não são respeitados o suficiente. Existem gravadoras tentando conseguir dinheiro ou fazer com que a música seja tocada nas rádios e boates, enquanto a maioria dos meus remixes certificam-se de que não estão!

Muitos remixes foram incrivelmente criativos ao longo dos anos. Nas duas últimas décadas do século XX... Bem, se me permitem, faria uma comparação com Bach. É meio parecido com a peça de órgão que ele fez. Ele nem mesmo escreveu todas as notas, para que quem as tocasse tivesse a liberdade de alterá-las. Então, toda vez que era tocada, era como uma versão cover. E então, temos o fenômeno no jazz. Por exemplo, com Round Midnight, podemos ter cinquenta versões diferentes disso, sabe. Estou falando da ideia pura de um remix e o que um remix pode ser.

Então, tenho até sentimentos engraçados sobre a palavra "remixes". É como se fosse algo reciclado ou coisa assim. Não sei como prefiro chamar... "Versão alternativa" ou "interpretação", é um pouco esnobe. Infelizmente, muitos tem a noção de que é algo de menor qualidade".

- Possibly Maybe: "Mark Bell fez esse remix. O álbum Frequency do LFO é um clássico. Eu poderia falar sobre isso sem parar. Ele fez vários remixes de Hyperballad para mim, e eu vejo isso como um fruto da nossa troca".

- Hyperballad: "Trabalhei nessa com o Brodsky Quartet. Há um lado dessa música que considero muito sobre a narrativa. A Islândia não tem nenhuma tradição musical real. São 500 anos de contação de histórias, a saga Viking e tudo mais. E eu vejo isso como um cruzamento entre a narrativa e a música de câmara. Pedimos ao Brodsky para regravá-la ao vivo conosco. E, claro, refizemos os vocais".

- Enjoy: "É uma letra sobre ganância, fala de como o que você tem não lhe é o suficiente. Você meio que precisa sair e conseguir o que deseja. Pedi ao Outcast para tornar isso ainda mais forte - na sonoridade -, para capturarmos a sensação da música".

- My Spine: "Ao desenvolver esse álbum, eu não queria que fosse apenas sobre remixes. De uma forma que o trabalho refletisse as colaborações que estava interessada, o que vinha fazendo nos últimos dois anos. Evelyn Glennie e eu usamos esses tubos para obter o som certo. Foi ótimo. Minha maior emoção na música, é poder colaborar com alguém com quem posso sentar frente a frente, tornando 1+1=3. Parece que quanto mais diferente é a pessoa com quem estou colaborando, melhor é para mim, porque pode me mostrar coisas que eu nunca vi antes e eu posso mostrar coisas que não sabiam".

- I Miss You: "Dobie, com quem trabalhei nesse remix, é um amigo do produtor Howie B. A sugestão de trabalhar com ele foi uma ideia do Howie, e estou muito satisfeita com o resultado. Tem um toque mais pop do que algumas das outras faixas, acredito eu".

- Isobel: "Esse remix é muito influenciado pela América do Sul. Tenho lido muita literatura sul-americana e também, com a minha mudança da Islândia para Londres e a batalha que a América do Sul teve no século XX de ser completamente primitiva e moderna ao mesmo tempo... Bom, essas foram algumas das influências. E a letra de Isobel é sobre alguém que é governado por instinto, mas está tentando sobreviver em um mundo sofisticado e ocidentalizado, que é controlado pelo cérebro. Chamei Eumir Deodato, com quem trabalhei no arranjo das cordas. Fizemos juntos, dividindo 50-50. Pedi para ele levar isso o mais longe possível, para fazer uma versão brasileira de Isobel. Tivemos uma orquestra de trinta peças e gravamos ao vivo. Nós fizemos os vocais novamente, em um grande estúdio em Londres".

- You’ve Been Flirting Again: "Eu fiz o arranjo de cordas da versão do álbum (Post), mas Deodato foi o diretor da orquestra. Deodato fez as cordas dessa (em Telegram), mas eu mesma fiz o remix".

- Cover Me: "Pelos quatro anos que vinha morando em Londres, toda a cena drum and bass realmente floresceu. Eu me sentia como uma mosca na parede vendo tudo acontecer. É um grande privilégio. Por exemplo, se você ouvir a era de ouro do bebop dos anos trinta e do jazz e todas as músicas que você ouve, e ainda conseguir escutá-las cinquenta anos depois... É um privilégio ser como uma mosca na parede observando uma cena nascendo. 

Eu chamei Dillinja, o meu favorito para trabalhar nisso. Eu acho que ele é o que o Public Enemy estava fazendo durante a era Bum Rush The Show ao receberem esse impacto emocional, aquela coisa bem direta. É tão bom quando alguém com um estilo musical completamente diferente do seu remixa sua música, há uma certa honestidade nisso, porque quando escrevemos uma canção, fazemos isso perfeitamente do jeito que queremos que seja, e então de alguma forma você se torna o material que será remixado por alguém na mesa de mixagem. Eu gosto disso. É tão honesto".

- Army of Me: "Escrevi essa com Graham Massey. Achei que ele poderia levá-la para ainda mais longe em um remix, sabe, deixando-o remixar uma música que ele próprio co-escreveu. Fiquei muito intrigada com a ideia e satisfeita com o resultado".

- Headphones: "Eu sou uma grande fã de uma banda de techno da Finlândia chamada Metri, que faz parte do selo Sänko. Acho eles tão brilhantes. Fazem algo novo e completamente criativo, quase inocente. Pedi a eles para fazerem o remix de Headphones. Achei que se encaixaria muito bem. Me enviaram de volta e se tornou uma das minhas favoritas no álbum". 

Capa: A imagem de Telegram é um dos registros mais lindos da carreira de Björk. A foto é de Nobuyoshi Araki: "Cada imagem dele é tão viva. Ele registra coisas muito obscuras, e ainda assim há uma vitalidade chocante nisso. Não são destrutivas. Seu trabalho me faz pensar em curtir a vida, gritando do topo de uma montanha porque o mundo é maravilhoso".


Fotos: Reprodução/Nobuyoshi Araki.
Fontes: Blah Blah Blah, The Telegraph, encarte do Greatest Hits de Evelyn Glennie, The Guardian, Index Magazine, site oficial, bjorkfr.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk volta ao Brasil para show no Primavera Sound

Por essa a gente não esperava... Após 15 anos, Björk volta ao Brasil para show no festival Primavera Sound . A apresentação acontece no dia 5 de novembro , em São Paulo ! Atenção: Os ingressos estão à venda ( e já acabando ) em: https://www.eventim.com.br/primaverasoundsp Estamos esperando por esse momento desde 2007 ! Björk se apresentará no Brasil com a turnê Orkestral . No repertório, estão canções de várias fases da carreira. Durante a série de lives na Islândia, a artista revisitou muitas músicas em diferentes performances. No concerto de 2022, algumas delas devem aparecer no setlist. Conheça as histórias das faixas clicando   AQUI . Na estrada, Björk estará ao lado do condutor Bjarni Frímann Bjarnason .  "Para mim, o show "Orkestral" é como um dia de feriado. Eu apenas chego com um vestido nas costas e apareço, canto e vou para casa. Torna-se mais sobre mim, a cantora. Eu trabalho com as orquestras locais de cada lugar, então sou mais como uma convidada ou uma vi

Björk aparece no primeiro trailer de The Northman

Remember for whom you shed your last teardrop... Björk aparece no 1º trailer de The Northman . O nome da artista também está em destaque no pôster do filme, que tem estreia marcada para Abril de 2022 .  Após a veiculação do teaser , ela foi um dos assuntos mais comentados no Twitter :  No filme, Björk é Seeress , uma bruxa eslava. Na mitologia nórdica/paganismo germânico, essa figura é uma espécie de vidente que pode prever eventos futuros. Também é vista como "uma enviada", "profetisa", "portadora do cajado", "mulher sábia" e "feiticeira", ocupando uma posição de autoridade. Frequentemente, é chamada de sacerdotisa tanto em fontes antigas como na erudição moderna no conceito europeu de "bruxas". Na cultura popular, é mencionada em diferentes contextos.  The Northman tem direção de Robert Eggers . O roteiro foi escrito em parceria com Sjón . A obra é descrita como uma "saga de vingança viking ", na qual um príncip

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Em novembro de 2022, ela volta ao nosso país no festival Primavera Sound . Relembre todas as passagens da islandesa por terras brasileiras, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalment

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

A magia do show de Björk no Royal Opera House com a Vespertine Tour

Em 16 de Dezembro de 2001 , Björk se apresentava com a Vespertine Tour no Royal Opera House , em Londres.  A gravação se tornou um dos melhores registros dela nos palcos. Essencial para todos que desejam assistir a um concerto da artista. O DVD está entre os favoritos dos fãs. Antes do lançamento, foi exibido como um especial de TV na BBC .  Björk nunca se contenta em simplesmente recriar o que foi feito em estúdio. Todos os elementos são ampliados. Ela parecia estar super confiante e presente, deixando seu público "hipnotizado". A dedicação dela está em cada aspecto. O clima é bastante intimista, com um som incrível e delicado, representando muito bem o universo de Vespertine , junto de Il Novecento Orchestra , Simon Lee , Matmos , Zeena Parkins e o incrível Greenland Choir .  Com ingressos esgotados, o show foi um dos três últimos da turnê. Bachelorette e Play Dead também fizeram parte do setlist daquela noite, mas foram cortadas da edição final. A direção do DVD lanç