Pular para o conteúdo principal

Björk anuncia podcast dedicado a cada uma das fases de sua discografia

Björk, vai com calma! Em seu próprio podcast, Sonic Symbolism, a islandesa irá compartilhar com os fãs detalhes de seu processo criativo passeando por toda a discografia. Serão 10 episódios, um para cada álbum. Em 01/09, já teremos os de "Debut", "Post" e "Homogenic". 💌

Confira o trailer clicando AQUI.

Conhecida por sua capacidade inovadora de se reinventar e reimaginar consistentemente sua produção artística, Björk procurou fazer algo diferente para seu projeto mais recente: olhar para o passado.

A partir do próximo mês, a importante cantora e compositora islandesa lançará uma série de podcasts inteiramente dedicada ao seu extenso catálogo, refletindo sobre sua carreira de quatro décadas. Ela estará acompanhada da filósofa e escritora Oddný Eir e do musicólogo Ásmundur Jónsson enquanto revisita as inspirações e marcos emocionais que ajudaram a formar o trabalho de sua vida.

O podcast foi produzido em colaboração com o Talkhouse e o Mailchimp Presents.

"Quando me perguntam sobre as diferenças das músicas dos meus álbuns, acho mais rápido usar atalhos visuais. É por isso que as capas dos meus discos são quase como cartas de tarô caseiras. A imagem na frente pode parecer apenas um momento visual, mas para mim está simplesmente descrevendo o som", disse Björk em comunicado oficial sobre o podcast.

"Talvez você possa chamar isso de algum tipo de "simbolismo sônico"? A maioria de nós passa por fases em nossas vidas que duram cerca de 3 anos, e não é por acaso que esse também é o tempo que se leva para fazer um álbum ou um filme. Este podcast é um experimento para capturar quais humores, timbres e tempos estavam vibrando durante cada uma dessas fases".

Ao som de "Batabid", B-Side da era "Vespertine", ela também diz no trailer:

"(Na imagem), tento expressar isso com a paleta de cores, as texturas, o que estou segurando e o ângulo. A minha postura mostra a relação disso com o mundo, a emoção expressada na minha boca tenta compartilhar o estado de espírito do álbum como um todo".

De acordo com o comunicado para a imprensa, Björk "compartilhará histórias que nunca foram contadas". A duração de cada episódio será entre 40 a 50 minutos. Todos serão liberados semanalmente (quinta-feira) até 13 de outubro.

O podcast foi uma sugestão do empresário da islandesa. Vasculhando os arquivos para se preparar para o projeto, ela até assistiu algumas de suas antigas entrevistas. Sobre a experiência, contou ao The Guardian que se pegou pensando: "Uau, ela é arrogante!". Mas basicamente estou dizendo as mesmas coisas. Estou em Londres e estou tipo: "Posso ir para casa agora?". 💌

O musicólogo islandês Ásmundur Jónsson já entrevistou Björk anteriormente em um longo bate-papo publicado no encarte/livro do "Live Box". Ele conhece a artista desde a adolescência e até bem antes dos tempos de KUKL. É um importante editor e produtor; e trabalha em diferentes campos da cena musical islandesa há mais de 40 anos. Participou de forma ativa no desenvolvimento da cena local, principalmente através da gravadora Bad Taste/Smekkleysa, que foi fundada pelos membros do Sugarcubes.

Oddný Eir é uma escritora islandesa. Ela escreveu três romances explorando a natureza, a filosofia e a busca por identidade. Além disso, traduziu e editou obras literárias; e organizou e dirigiu eventos de artes visuais em Nova York e Reykjavík. Também trabalhou como editora do site do projeto Náttúra, que foi co-fundado com Björk.

A colaboração das duas também está nas letras de "Thunderbolt" e "Atom Dance". Em 2015, chegou a entrevistar a artista para a Dazed. Em 2019, a AnOther Magazine pediu que Björk apresentasse trechos de algumas de suas obras preferidas. Ela citou "Land of Love and Ruins" de Oddný, a quem chamou de "uma verdadeira pioneira". Em 2010, as duas criaram uma petição com Jón Þórisson para exigir um referendo sobre a energia e a exploração da natureza na Islândia. Elas apresentaram a Geir H. Haarde, 8 propostas para tornar o desenvolvimento sustentável e ecológico na Islândia. Na época, ele era o primeiro-ministro do país.

Christian Koons é o produtor do podcast. Ele está por trás de inúmeros projetos nesse formato, incluindo o Song Exploder. Em post no Instagram, disse: 

"No último ano, tive a enorme honra de produzir e editar a nova série de podcasts de Björk. Para fãs casuais e novatos, será uma ótima maneira de se aprofundar na vida e na música dela, mas aqueles mais assíduos também encontrarão muito o que amar e aprender. Tem sido uma experiência incrível e estou animado para as pessoas ouvirem".

Anna Gyða (da rádio RÚV) e Derek Birkett (fundador da One Little Independent Records) também fazem parte da equipe.

Em "Sonic Symbolism", Björk continuará a convidar seu público a experimentar e redefinir os limites de como um musicista trabalha. Uma fonte contínua de inspiração, a equipe do podcast diz esperar que as palavras dela motivem "os sonhadores, criativos e empreendedores a encontrarem a faísca que precisam para desbloquear suas próximas grandes ideias".

Na quarta-feira, 31 de agosto, Björk também estará no episódio final de Listening, outro podcast do Talkhouse.

📷: Vidar Logi.
Info: bjorkfr.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres