Pular para o conteúdo principal

A história de Ancestress, canção emocionante que ganhou um dos melhores videoclipes de Björk

Björk continua a nos surpreender com sua intensa criatividade e sensibilidade. Apresentando mais um capítulo do álbum "Fossora", a islandesa deu ao público a canção "Ancestress". Com mais de 7 minutos, é a faixa mais longa do projeto e já chega ao mundo com um videoclipe incrível dirigido por Andrew Thomas Huang!

"Ancestress" e "Sorrowful Soil" são dedicadas à mãe de Björk, a ativista ambiental Hildur Rúna Hauksdóttir, que faleceu em 2018:

"Essa música é uma carta para minha mãe. A história dela enxergada pelo meu ponto de vista. Eu a escrevi em ordem cronológica. O primeiro verso fala da minha infância e assim por diante. É a história biológica e emocional dela. Não suas profissões, parceiros ou datas de nascimento e morte", compartilhou em nota nas redes sociais.

No site oficial do novo disco, a artista publicou mais detalhes do que a inspirou a dar vida a essa música, que ela também produziu:

"No meu novo álbum, "Fossora", compus duas músicas para minha mãe. Esta daqui, "Ancestress", foi escrita logo após seu funeral. Provavelmente, vem de um impulso comum aos músicos: fazer sua própria versão da história, mais tarde. Só recentemente descobri que essa canção provavelmente é de certo modo inspirada em uma música islandesa chamada "Grafskrift", que é de alguma forma um relato muito direto e patriarcal sobre a vida de alguém, uma lista de datas de nascimentos e óbitos, profissões e parceiros".

"Eu queria abordar isso de uma maneira mais feminina, então essas duas músicas são uma tentativa de contar a história biológica e emocional dela. Sou muito grata ao meu filho, Sindri Eldon, por arranjar e cantar os vocais no refrão, já que ele tem uma voz sublime e era muito próximo dela".

"Por 20 anos, eu não fui capaz de ir a funerais, porque algo neles me incomodava. Possivelmente, uma grande parte disso é depois de ter vivido uma vida de milhares de shows. Eu provavelmente tenho ideias muito fortes sobre como um ritual deve ser; muito mandona sobre que tipo de som, estrutura musical, e que palavras deve incluir.

Demorei todo esse tempo para descobrir que, para mim todos os funerais deveriam ser ao ar livre. Provavelmente, o que mais me ofendia sobre tudo isso [de funerais] é como alguém pode "liberar" o espírito em um ambiente tão claustrofóbico como uma igreja. Quando a alma parte, ela precisa estar do lado de fora para que haja espaço para o quão enorme se torna quando se funde com os elementos".

"Então pedi ao meu amigo Andrew Thomas Huang para me ajudar a filmar isso em um ambiente externo, um vale onde ela costumava colher ervas. Tudo isso para criar uma procissão de músicos celebrando sua vida. Sou grata por meu irmão ter carregado suas cinzas e ter participado. Também sou grata por James Merry, que fez máscaras para todos nós, incluindo um oceano de músicos. Agradeço também Erna Ómarsdóttir por sua ajuda e por coreografar o espírito da minha mãe".

Tradução da letra de "Ancestress":

"Meu crânio é minha catedral onde este matrimônio acontece. Quando eu era menina, ela cantava para mim, em falsetto, as canções de ninar com sinceridade. Eu agradeço a ela por sua integridade. O relógio da minha ancestral está correndo, sua rebelião uma vez vibrante está desaparecendo. Eu sou a que mantém sua esperança, asseguro que a esperança está lá em todos os momentos.

Minha ancestral deixou todas as maneiras, sua pele pulsante que se rebelava. Os médicos que ela desprezava, colocaram um marca-passo dentro dela. Quando você está sem tempo... Como você olha para as mudanças lá de trás? Você nos puniu por ir embora? Você tem certeza que nós te machucamos? Isso não foi apenas "viver"?".

"Ela tinha um senso de ritmo idiossincrático. Dislexia, a maior forma de liberdade. Ela inventava palavras e acrescentava sílabas. Escrevia à mão, sua linguagem própria. Eu não tenho essa história na minha boca. Quando você morre, leva com você o que deu a todos nós. A máquina dela respirou a noite toda. Enquanto ela descansava, revelou sua resiliência, e então não mais.

Você vê com seus próprios olhos, mas escuta com [os ouvidos] da sua mãe. Há um medo de ser absorvido pelo outro. Até agora, nós compartilhamos a mesma carne por mais que eu tentasse escapar disso. Estes não são destroços medíocres. Minha ancestral, isso é.

O aroma da nossa despedida final. Esses foram os perfumes da separação durante séculos, os perfumes da separação durante séculos, ancestral. A natureza escreveu este salmo, ele expande este reino. A pele translúcida deixa uma palma fria embalsamada".

James Merry e a história das máscaras e objetos do vídeo: 

"Estou tão incrivelmente orgulhoso de embarcar em outra aventura com Andrew Thomas Huang e Björk. Para mim, trabalhar com eles novamente é um dos destaques dos últimos anos, especialmente por ser em uma música tão épica com um assunto tão significativo. Criar essas máscaras e objetos do vídeo foi um dos maiores trabalhos que fiz até hoje! Acredito que são 16 máscaras no total para Björk, músicos e dançarinos, e também uma "colher cerimonial".


"Eu queria que tudo isso tivesse raízes na natureza islandesa, mantendo em algum lugar entre solene e comemorativo. As várias referências visuais vieram das minhas criaturas e plantas favoritas encontradas na paisagem islandesa".


Hrossagaukur Masks: "As peças usadas por Björk e pelo "espírito" dançarino foram inspiradas no meu pássaro favorito, o islandês Hrossagaukur (gallinago gallinago/narceja-comum). Eles migram para a Islândia na primavera e fazem ninho perto da minha casa, então eu sempre os associo com a chegada do verão e a mudança de estação. ⁣⁣

Os pássaros têm sido associados ao reino espiritual há muito tempo, então parecia um ponto de partida apropriado, e eu também tinha em mente o som impressionante e fantasmagórico que esse pássaro em particular faz ao subir e mergulhar no ar com as penas da cauda, então tentei refletir isso na escultura da máscara - dando uma sensação de movimento".

"Dado o assunto da música, em geral, eu queria evitar me desviar para algo muito doce ou caprichoso para essas máscaras, então eu queria que todas tivessem um certo visual selvagem, mas intrinsecamente islandês. Também desenhei as máscaras de Hrossagaukur para canalizar o líquido, que poderia fluir pelo bico de uma máscara para a outra, passando uma seiva entre elas, uma força vital de geração em geração, como uma espécie de cerimônia funerária no capítulo final do vídeo".
"O líquido que usei para isso foi "xarope de bétula", que extraí das árvores do meu jardim no início do ano - primeiro batendo nas árvores para produzir uma seiva clara e depois evaporando lentamente a água para deixar um aspecto mais dourado. Quando nos aproximamos do dia da filmagem, percebi que este seria o líquido perfeito para representar essa força vital fluindo entre as máscaras. Depois também me dei conta que o formato delas também se parece com a "torneira" que usei para extrair a seiva.

Uma versão marrom e uma branca iridescente foram feitas para Björk e o dançarino Shota Inoue, para colocá-los separadamente no reino da terra e do espírito. O esquema de cores também foi parcialmente inspirado no Hrossagaukur albino, porque é algo que, às vezes, pode ocorrer na natureza".

Alopex Mask: "O conceito por trás das máscaras de raposa, usadas pela procissão de músicos tocando cordas, foi baseado na Raposa-do-ártico (vulpes lagopus), e em particular na mudança sazonal da cor da pele delas. No inverno, aparecem em um branco brilhante para camuflar junto a neve e, em seguida, mudam lentamente suas características para um tom marrom/cinza.

As formas repetidas no design da máscara em si são como um aceno para a ideia de gerações familiares e ancestrais, com formas repetidas maiores e menores inspiradas nos olhos de raposa, que podem ser vistas subindo e descendo na máscara em um tipo de corrente, como uma árvore genealógica. As versões de inverno e verão aludem à passagem do tempo, à mudança das estações e à adaptabilidade e robustez do único mamífero terrestre nativo da Islândia".

"Enquanto eu estava na fase de design para essa máscara, fui visitado por uma raposa de manhã cedo perto da minha casa, uma ocorrência rara e que considerei um bom presságio, especialmente porque sua pele estava na fase de transição - branco brilhante com manchas engraçadas de marrom por toda parte".

Gong Masks: "As máscaras feitas para os percussionistas e dançarinos são baseadas em gongos, tungljurt e vértebras. Como as máscaras de raposa, eu queria que tivessem o arranjo ancestral repetitivo, onde versões menores surgem de variações maiores. Sua aparência de bronze/cobre foi escolhida para estar em sincronia com os elementos de percussão da música".

Ceremonial Spoon: "A colher foi inspirada em uma discussão com Björk sobre cuidados paliativos prestados no hospital, como colheres e esponjas de glicerina são administradas no leito de morte, uma inversão de papéis. Estar de volta à infância, mas com a criança agora alimentando a mãe com a colher. Então Björk sugeriu que eu projetasse uma versão deste utensílio, que poderia ser uma [referência da] herança ancestral, uma colher desse momento da morte que é passada de geração em geração.

Eu também queria projetar uma colher que pudesse se encher sozinha, incluindo uma câmara para manter o líquido atrás da peça principal, para que pudesse se reabastecer quando vazia. A forma é inspirada em filhotes de passarinhos, uma referência às máscaras de Hrossgaukur, mas também há referências visuais à germinação de sementes e aos órgãos reprodutivos, sugerindo um ciclo de cerimônias em torno do nascimento e da morte para o qual essa colher poderia ser usada.

Eu me propus um desafio: projetar uma colher que pudesse se encher sozinha, então eu incorporei uma câmara na forma de "corpo de pássaro" para reter o líquido, tornando-o capaz de se reabastecer quando vazio. O material translúcido foi escolhido para lembrar os corpos de passarinhos, e porque eu queria que o líquido dentro da colher fosse visível. Na época, eu fiquei realmente obcecado com bocas de passarinhos e suas características insanas!
Quando comecei a desenhar essa peça, uma outra grande referência para mim foi um pequeno jarro de cerâmica criado por Jón Einar Björnsson, que o fez para nossa casa há alguns anos, então estou feliz que acabamos usando no vídeo como a fonte da seiva".⁣


A equipe:

The String Instrumentals of Siggi: O quarteto de cordas Siggi foi fundado em 2012, na época dos festivais Unm e Ung Nordisk Musik. Desde então, membros e violinistas Una Sveinbjarnardóttir e Helga þóra Björgvinsdóttir, þórunn ósk marinósdóttir (violista) e Sigurður Bjarki Gunnarsson (violoncelista) estrearam várias obras e colaboraram com vários compositores, além de explorarem um repertório mais antigo de Schwerpunkt Beethoven. O repertório clássico do quarteto de cordas é de grande importância para integrantes do Siggi como parte vital de sua jornada de pesquisa. Projetos anteriores incluem a estreia na Islândia de 5 horas de duração do 2º quarteto de cordas de Morton Feldman, quartetos de Jón Leifs, quartetos de Beethoven Tardios, gravações de Philip Glass para o Deutsche Grammophon com o pianista Víkingur Ólafsson, os quartetos de cinco cordas de Atli Heimir Sveinsson e “Stara”, o álbum de Halldór Smárason (Sono Luminus, 2020). O conjunto estreou mais de quarenta composições.

A coreografia de Erna Ómarsdóttir: Diretora artística da companhia de dança islandesa, se formou em Bruxelas, em 1998. Após a graduação, trabalhou com diferentes companhias de dança e teatro internacionais e se apresentou em todo o mundo, com o Troubleyn, o balé C de la B e Sidi Larbi Cherkaoui. Se tornou membro fundadora dos coletivos de dança e teatro Ekka, em Reykjavík a partir de 1996, e em Bruxelas a partir de 2001. Em 2007, foi diretora associada do Les Grandes Traversees em Bordeaux, na França e co-diretora artística do festival de dança de Reykjavík, em 2014. Erna é diretora artística da companhia de dança islandesa desde 2015.

Fotos: Andrew Thomas Huang/James Merry/Reprodução.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres