Pular para o conteúdo principal

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Foto: Santiago Felipe

Em turnê pela Europa
, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 

- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?

Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.

- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?

Sim, seria incrível se os sites de streaming fossem como a Netflix é com seus produtos. Criassem álbuns e pagassem por eles...

- Como me torno famoso? 

Ha ha ha ha.

- Que desafios você enfrentou como mulher na indústria da música?

Ainda parece mais fácil para as pessoas verem as mulheres como meras participantes do que como autoras de seus próprios trabalhos.

- Você se preocupa em envelhecer já que todo mundo é tão obcecado pela juventude?

Não, na verdade não. Os escritores islandeses foram os meus ídolos durante a minha juventude. Eles costumavam fazer seus melhores trabalhos aos sessenta, setenta anos. Até lá, tudo era apenas ensaios.

- Como você escreve uma música de amor que não é constrangedora?

Nem tudo é embaraçoso, né? Mas também gracioso, alegre e doloroso. Eu acho que tanto uma canção de amor, quanto uma sobre guerra ou qualquer outro assunto deve incluir todos os ângulos.

- Você fez alguma arte da qual se arrepende?

Os erros são melhor aproveitados quando servem de combustível para uma próxima música. 

Foto: Reprodução (Instagram/Dazed)

- Existe uma forma de arte que você não domina, que tenha tentado ou deseja aprender?

Ainda poderia (tentar) fazer com centenas de anos na música. Será que eu conseguiria? 

- Como faço para lidar com a constante sensação de que minha arte não é boa o suficiente?

Cresça. Inclua isso em tudo aquilo que você fizer.

- Qual é a melhor maneira de se fazer algo bonito se não temos dinheiro?

Eu caminho e canto por aí. Algumas das minhas músicas favoritas, que encontrei online, foram gravadas em quartos.

- Como você faz para não sentir saudades de casa e nem ficar claustrofóbica em turnê?

Boa pergunta! Eu saio para caminhar. Tento encontrar uma orla, um porto, parques... Daí caminho aquecendo a minha voz. Assisto a filmes da região em que estou. Filmes sul-americanos na América do Sul, japoneses no Japão e assim por diante. Me ajuda a me enraizar onde estou naquele momento. 

- Quantas músicas não lançadas você tem por aí? O mundo algum dia as ouvirá?

Hummm... eu não tenho nenhuma. Eu geralmente lanço a maioria das minhas músicas. Sou uma editora feroz, hahaha. Talvez muito feroz! 

- Como terminar as coisas? Eu acho tão difícil!

Talvez colaborando com alguém que seja bom em edição? Tenho certeza que você é muito bom em alguma coisa. Talvez a pessoa com quem você trabalha não seja boa nisso, e vocês podem se complementar.

- Qual performance ao vivo sua foi a mais especial de se tocar?

Houveram tantas! A no The Shed, em Nova York, me veio à mente agora. É mágico quando uma casa de shows se derrete por inteira e nós nos tornamos um átomo minúsculo entre todas aquelas pessoas presentes.

Foto: Reprodução (Instagram)

Saiba mais: 




Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …