Pular para o conteúdo principal

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Foto: Santiago Felipe

Em turnê pela Europa
, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 

- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?

Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.

- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?

Sim, seria incrível se os sites de streaming fossem como a Netflix é com seus produtos. Criassem álbuns e pagassem por eles...

- Como me torno famoso? 

Ha ha ha ha.

- Que desafios você enfrentou como mulher na indústria da música?

Ainda parece mais fácil para as pessoas verem as mulheres como meras participantes do que como autoras de seus próprios trabalhos.

- Você se preocupa em envelhecer já que todo mundo é tão obcecado pela juventude?

Não, na verdade não. Os escritores islandeses foram os meus ídolos durante a minha juventude. Eles costumavam fazer seus melhores trabalhos aos sessenta, setenta anos. Até lá, tudo era apenas ensaios.

- Como você escreve uma música de amor que não é constrangedora?

Nem tudo é embaraçoso, né? Mas também gracioso, alegre e doloroso. Eu acho que tanto uma canção de amor, quanto uma sobre guerra ou qualquer outro assunto deve incluir todos os ângulos.

- Você fez alguma arte da qual se arrepende?

Os erros são melhor aproveitados quando servem de combustível para uma próxima música. 

Foto: Reprodução (Instagram/Dazed)

- Existe uma forma de arte que você não domina, que tenha tentado ou deseja aprender?

Ainda poderia (tentar) fazer com centenas de anos na música. Será que eu conseguiria? 

- Como faço para lidar com a constante sensação de que minha arte não é boa o suficiente?

Cresça. Inclua isso em tudo aquilo que você fizer.

- Qual é a melhor maneira de se fazer algo bonito se não temos dinheiro?

Eu caminho e canto por aí. Algumas das minhas músicas favoritas, que encontrei online, foram gravadas em quartos.

- Como você faz para não sentir saudades de casa e nem ficar claustrofóbica em turnê?

Boa pergunta! Eu saio para caminhar. Tento encontrar uma orla, um porto, parques... Daí caminho aquecendo a minha voz. Assisto a filmes da região em que estou. Filmes sul-americanos na América do Sul, japoneses no Japão e assim por diante. Me ajuda a me enraizar onde estou naquele momento. 

- Quantas músicas não lançadas você tem por aí? O mundo algum dia as ouvirá?

Hummm... eu não tenho nenhuma. Eu geralmente lanço a maioria das minhas músicas. Sou uma editora feroz, hahaha. Talvez muito feroz! 

- Como terminar as coisas? Eu acho tão difícil!

Talvez colaborando com alguém que seja bom em edição? Tenho certeza que você é muito bom em alguma coisa. Talvez a pessoa com quem você trabalha não seja boa nisso, e vocês podem se complementar.

- Qual performance ao vivo sua foi a mais especial de se tocar?

Houveram tantas! A no The Shed, em Nova York, me veio à mente agora. É mágico quando uma casa de shows se derrete por inteira e nós nos tornamos um átomo minúsculo entre todas aquelas pessoas presentes.

Foto: Reprodução (Instagram)


Postagens mais visitadas deste blog

35 anos de Sugarcubes, a banda que lançou Björk ao sucesso internacional

Em 8 de junho de 1986 , o Sugarcubes surgia na Islândia, bem no dia do nascimento do 1º filho de Björk . O grupo musical deu projeção internacional para a artista. Eles lançaram três discos e estiveram em atividade até 1992. Em 2006, a banda se reuniu pela última vez para uma apresentação, em Reykjavík . Os integrantes já tinham formado projetos de música punk ao lado de Björk. Inicialmente, eles desenvolveram o selo Smekkleysa ( Bad Taste ), com o lançamento de uma série de projetos musicais e literários. Na intenção de conseguir dinheiro para a criação dessas obras, os membros perceberam que precisavam de uma ferramenta que chamasse a atenção do grande público. A partir disso, tiveram a ideia de formar uma banda: "A gente se divertia! A música era algo secundário, então não tínhamos essa grande ambição musical de ser algo brilhante. Tivemos a chance de viajar o mundo e ver como outras bandas funcionavam, o que me ensinou muito. A fama não estava nos nossos planos, mas ao mesm

A história de Gling-Gló, o álbum de jazz de Björk

Várias canções em islandês de nossa amada estão creditadas nas plataformas digitais como Björk Guðmundsdóttir . Um desses projetos é o disco Gling-Gló em parceria com o Tríó Guðmundur Ingólfsson . O álbum é recheado de covers de músicas de jazz tradicionais, clássicos interpretados originalmente em inglês. Lançado em outubro de 1990, ultrapassou a marca de 300 mil cópias . É o disco de Björk mais vendido na Islândia (sim, superando todos os do Sugarcubes e da carreira solo). Foi comercializado em CD, vinil e fita cassete. Até 2011, ainda estava entre os 30 mais populares no país. Uma performance especial desse projeto já havia acontecido alguns meses antes sob encomenda da rádio pública de Reykjavík. A apresentação foi muito elogiada. Registros em áudio da ocasião estão disponíveis na internet. Alguns outros shows e aparições na TV foram realizados na região. Sempre ocupada, Björk logo partiu para outros projetos. "Eu simplesmente não entendo (o sucesso desse disco). Na época,

A paixão de Björk por Kate Bush

Foto: Divulgação "Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single , por exemplo. E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops , e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante. Para mim, ela sempre representará a época de exploração da

Lido Pimienta lança versão de Declare Independence

Lido Pimienta é uma artista colombo-canadense. Nascida em Barranquilla (Colômbia), atualmente mora em Toronto. Celebrando o Mês do Orgulho LGBTQIA+ , ela produziu uma nova versão para Declare Independence , faixa do Volta , disco que Björk lançou em 2007. O cover é parte do projeto "Claim Your Space" do Spotify Singles . "Cantei a letra maravilhosa em inglês e acrescentei novas palavras em espanhol, que refletem a atual situação na Colômbia, um sentimento geral em defesa da liberdade dos povos colonizados, do rio ao mar", disse em post nas redes sociais. Em comunicado para a imprensa, explicou: "Escolhi essa música principalmente por causa da letra: "Agite a sua bandeira, levante-a, mais alto" e "não deixe que façam isso com você". Eu ouvi essa música ao vivo e adorei como todos os imigrantes na plateia estavam agitando suas bandeiras. O sentimento de ORGULHO que então todos nós sentimos. Eu queria trazer isso com esta versão, honrando

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R