Pular para o conteúdo principal

Björk está no elenco de 'The Northman’, filme de Robert Eggers

Foto: Santiago Felipe

Em outubro de 2019, o site IndieWire garantiu que Björk estava em negociações avançadas para participar de uma nova produção do diretor Robert Eggers, responsável pelos filmes "A Bruxa" (2015) e "O Farol" (2019). 

O longa, intitulado de The Northman, foi descrito como uma "saga de vingança viking", na qual um príncipe nórdico (Alexander Skarsgård) procura por justiça após seu pai ser assassinado. A história é ambientada na Islândia, na virada do Século X. 

Foto: Santiago Felipe.

O roteiro de Eggers foi escrito em parceria com Sjón, um grande amigo e colaborador da islandesa (Isobel, Jóga, Bachelorette, Selmasongs, Oceania, Wanderlust, The Comet Song, Cosmogony, Virus, Solstice). Nicole Kidman, Alexander Skarsgård, Anya Taylor-Joy, Bill Skarsgård, Kate Dickie, Ralph Ineson, Claes Bang, Ethan Hawke e Willem Dafoe também fazem parte do elenco. 

A trilha sonora é de Robin Carolan e Vessel

Foto: Reprodução. 

O Belfast Telegraph, conta que as primeiras filmagens teriam sido iniciadas em março de 2020, mas poucos dias antes tudo precisou ser interrompido devido à pandemia. Embora não tenham começado na data planejada, a equipe continuou a cuidar dos milhares de figurinos e adereços, incluindo armaduras, enquanto Eggers dava os retoques finais no storyboard. Em entrevista para a Anthem Magazine, Claes Bang contou que as gravações foram retomadas no início de agosto e seguiram até dezembro, na Irlanda do Norte

Em abril, ao The Film Independent, Eggers garantiu que esse é um projeto de grande escala, e o seu mais ambicioso até o momento: "São muitas locações, estamos constantemente verificando-as. Contamos com algumas pessoas para encontrar e avaliar esses lugares, nos quais estamos levantando cenários, construindo vilas, treinando cavalos e projetando esse mundo". 

Já no Collider, Anya Taylor-Joy revelou: "Estou muito orgulhosa em fazer parte disso. Acredito que apresentaremos ao mundo algo realmente nunca visto antes". Para a L’Uomo Vogue, Alexander Skarsgård disse: "Esse filme se insere na cultura e no misticismo dos vikings, de uma forma mais íntima pessoal. Eu não queria fazer um que fosse genérico. Robert é um dos melhores cineastas que existem, e todo o processo tem sido gratificante". 

Em 19/08, nos stories do Instagram, o ator Eric Higgins deixou escapar uma foto da artista em um mural com imagens de outros integrantes do filme. Na legenda, a personagem é descrita como uma Bruxa Eslava

Ísadóra, a filha da cantora, também aparece no painel da escalação como Melkorka


A informação repercutiu entre os internautas do Twitter e foi parar nos TT's do Brasil. É uma notícia que nos deixa bastante surpresos e ansiosos (!), pois nos últimos 20 anos, Björk sempre fez questão de deixar claro que nunca mais trabalharia no cinema. Apesar do grande sucesso, "Dançando no Escuro" acabou lhe marcando pelos bastidores. Há 3 anos, em carta aberta publicada no Facebook, ela acusou indiretamente Lars Von Trier de assédio sexual. A decisão surgiu após o avanço do movimento Me Too


Além disso, em diversas entrevistas, Björk alegou que foi um projeto pontual, já que era o tipo de musical que ela sempre sonhou em fazer. Como seu primeiro amor é a música, ela decidiu continuar a investir seu tempo exclusivamente nisso, já que um filme demanda muito tempo. A intenção da islandesa é entregar ao público o máximo de álbuns que puder, expressando suas ambições artísticas. 

No ano passado, durante live no Instagram, disse aos fãs:

"Fico lisonjeada por ainda ser questionada sobre voltar a atuar. Gostaria de ter cinco versões de mim, para executar todas as minhas ideias. Aprendi que tudo pode funcionar quando realizo tarefas de acordo com a música, que é o meu mundo. Porém, não tenho certeza se aconteceria o mesmo se eu me envolvesse com outras coisas. Mas... nunca diga nunca!". 


Ao longo de sua carreira, Björk também apareceu como atriz em Glerbrot (1987), filme islandês exibido apenas na televisão; e The Juniper Tree (1990), com direção de Nietzchka Keene. Em 2005, fez parte de um dos segmentos do projeto visual Drawing Restraint 9, que também percorreu museus com instalações de esculturas e desenhos. 

A distribuição internacional de The Northman será realizada pela Universal Pictures, e pela Focus Features nos Estados Unidos. A co-produção é com a New Regency, Mark Huffam e Lars Knudsen. 

A data de estreia é 8 de abril de 2022

Alerta de Spoiler: Em 18/05/2021, foi realizada uma exibição teste de The Northman, com 2h45min, em um teatro na Califórnia. As informações são de Jordan Ruimy para o site World of Reel, que costuma trazer notícias exclusivas sobre filmes. 

Alguns dos convidados presentes contaram que é uma produção ambiciosa e cheia de referências mitológicas. Com base nas declarações de Björk nos últimos anos, já era de se esperar que ela fez apenas uma pequena participação especial. De acordo com os relatos, a islandesa está em duas cenas, e aparece cantando em sua língua nativa. 

Postagens mais visitadas deste blog

A história do vestido de cisne da Björk

20 anos! Em 25 de março de 2001 , Björk esteve no Shrine Auditorium , em Los Angeles, para a 73º edição do Oscar . Na ocasião, ela concorria ao prêmio de "Melhor Canção Original" por I've Seen It All , do filme Dancer in the Dark , lançado no ano anterior.  No tapete vermelho e durante a performance incrível da faixa, a islandesa apareceu com seu famoso "vestido de cisne". Questionada sobre o autor da peça, uma criação do  fashion   designer macedônio  Marjan Pejoski , disse: "Meu amigo fez para mim".    Mais tarde, ela repetiu o look na capa de Vespertine . Variações também foram usadas muitas vezes na turnê do disco, bem como em uma apresentação no Top of the Pops .  "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas nos compreendam. Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. 

Björk diz admirar a coragem de Lady Gaga como artista

"Definitivamente, gostei de algumas das roupas que a Lady Gaga está usando.   Eu a admiro por sua coragem, tudo estava ficando muito chato. Era como se todo mundo estivesse sendo conservador, e ninguém quisesse correr qualquer risco. Amo coisas teatrais, acredito que todos nós temos um lado teatral e um lado não tão teatral.  Quanto a música dela? Não é muito a minha praia. Tipo, não estou julgando. Algo muito bom sobre a música (em geral), é que a gente pode ter todos os tipos de canções para ouvir. Tem espaço para tudo. Já notei que mesmo que as coisas tenham mudado muito, sempre parece haver lugar para um monte de cantores homens, não vejo ninguém tratá-los como se o que fizessem fosse um duelo.  Ainda é como no tempo de " Christina Aguilera vs. Britney Spears ". Não quero ser colocada em uma posição na qual tenho que atacá-la. Achei muito injusto quando M.I.A e Joanna Newsom foram questionadas sobre Gaga e, por não gostarem de sua música, viraram imediatamente um

Lido Pimienta lança versão de Declare Independence

Lido Pimienta é uma artista colombo-canadense. Nascida em Barranquilla (Colômbia), atualmente mora em Toronto. Celebrando o Mês do Orgulho LGBTQIA+ , ela produziu uma nova versão para Declare Independence , faixa do Volta , disco que Björk lançou em 2007. O cover é parte do projeto "Claim Your Space" do Spotify Singles . "Cantei a letra maravilhosa em inglês e acrescentei novas palavras em espanhol, que refletem a atual situação na Colômbia, um sentimento geral em defesa da liberdade dos povos colonizados, do rio ao mar", disse em post nas redes sociais. Em comunicado para a imprensa, explicou: "Escolhi essa música principalmente por causa da letra: "Agite a sua bandeira, levante-a, mais alto" e "não deixe que façam isso com você". Eu ouvi essa música ao vivo e adorei como todos os imigrantes na plateia estavam agitando suas bandeiras. O sentimento de ORGULHO que então todos nós sentimos. Eu queria trazer isso com esta versão, honrando

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R

The Dull Flame of Desire é um dos tesouros escondidos na discografia de Björk

The Dull Flame of Desire é um dos tesouros escondidos na discografia de Björk . A canção é um dueto com ANOHNI , e foi lançada como parte do álbum Volta . A letra é a tradução em inglês de um poema do Século XIX, de Fyodor Tyutchev , que também aparece em uma das cenas do filme Stalker (1979). "Antes, eu não tinha ela em mente para essa faixa. Nós cantávamos juntas (por diversão), já tinha muito tempo. Eu até achava que fazíamos isso timidamente, de um jeito meio sussurrado e doce, talvez com medo de pisarmos nos calcanhares uma da outra.  Certo dia, mostrei a ela uma melodia que criei no meio da noite, em cima de uma obra desse escritor, uma ideia que guardei no meu diário por uns 8 anos. Eu estava esperando o momento certo.  Tudo se encaixou perfeitamente, com essa sensação de uma fusão vocal. Até brincamos que aquela era a hora de finalmente interpretamos a música como duas divas. Nós podíamos fazer aquilo, pois eram as palavras de uma terceira pessoa. Não era o meu mundo, n