Pular para o conteúdo principal

Com shows beneficentes na Islândia, Björk oferecerá apoio aos artistas locais

Foto: Santiago Felipe

Björk
marcou três shows do espetáculo Orchestral na Islândia, que serão realizados no Harpa Concert Hall, com transmissão ao vivo online (Saiba mais clicando AQUI). Em nova entrevista ao Fréttablaðið, a artista falou da motivação por trás da série de espetáculos em meio a pandemia, planos para o futuro em sua carreira e pela primeira vez, sobre ser avó! Confira a tradução completa

Os próximos concertos acústicos da cantora, são uma espécie de celebração aos 27 anos de colaboração dela com artistas locais, com foco nos arranjos de sua autoria, passeando por canções de toda a discografia. Cada uma das apresentações contará com setlists diferentes. No total, foram escolhidas 44 faixas. Segundo a cantora, a ideia desse projeto surgiu com o livro de partituras que ela lançou em junho de 2017, em parceria com Jónas Sen. A publicação é destinada não só àqueles com experiência profissional, mas também qualquer pessoa que tenha o mínimo de conhecimento musical, com a disponibilização de leituras complexas e também simples. "Minha vontade era realizar esse show desde que lançamos esse livro. Quase fiz isso no ano passado, mas a Cornucopia Tour acabou assumindo o lugar, fazendo com que fosse a minha prioridade. Com o show Orchestral, quero apoiar os músicos islandeses", explicou. 

Em 2021, ela sairá em turnê com esse espetáculo, como te explicamos AQUI. Ao longo de 2019, Björk tocou em diversas arenas na Europa, e fez uma residência muito bem-sucedida no The Shed, em Nova York: "Foi a maior coisa que já fiz em termos de estrutura e equipe. Demorou muito tempo para que negociássemos com as casas de shows, pois era tudo realmente grandioso". Existem planos de que o concerto teatral seja retomado ainda em 2020, mas com a pandemia do Coronavírus, por enquanto, a islandesa não sabe se isso será possível: "Ainda temos esses shows do Cornucopia no Japão, em novembro desse ano. É claro, não sabemos qual será a situação do mundo até lá. Mas se tudo der certo, tentaremos fazer mais alguns em outros países da Ásia, vamos ver como vai ser!". 

Sobre as apresentações beneficentes na Islândia, Björk conta que viu que essa é um boa oportunidade para oferecer empregos para artistas locais, que estão passando por dificuldades financeiras: "Existem muitos músicos desempregados agora. O que geralmente acontece, é que quando uma apresentação assim é desenvolvida, muita gente do setor espera que façam tudo de graça! Mas muitos deles, estão sobrevivendo justamente de tocar ao vivo, pois já não tem qualquer renda com vendas de discos. Talvez pelo meu pai ter sido um líder sindical, estou sempre lutando pela classe artística, quero usar essa ocasião para ajudá-los". 

Oferecer apoio em meio às atuais discussões sobre racismo, é uma das outras prioridades de Björk em sua plataforma. Há alguns dias, ela cedeu suas contas nas redes sociais para jovens ativistas islandesas. Em uma live no Instagram, Chanel Björk Sturludóttir e Diana Rós Breckmann Jónatansdóttir, conversaram sobre o racismo na região e como o Black Lives Matter afeta o país, contando as experiências de mulheres refugiadas na Islândia: "Quero mostrar as cores existentes neste debate, isso é muito importante para mim. Já há muito tempo, venho pensando de que forma podemos resolver esse problema em nosso país. Decidi oferecer meu apoio a uma instituição que cuida de mulheres refugiadas, que acho que está fazendo coisas muito boas, tanto para as de origem estrangeira, tanto para aquelas que agora, durante a pandemia, estão trancadas em suas casas sofrendo ainda mais com a violência doméstica. Isso acontece aqui e em diversas outras partes do mundo!". 

Björk então diz que é um privilégio viver na Islândia, mas, como em outros lugares, nem tudo ali é perfeito, como por exemplo, a forma como alguns recebem os refugiados. Ela lembra o quanto é importante que os islandeses os acolham muito bem: "O coronavírus tem nos ensinado muito, mostrado como precisamos ajudar uns aos outros o quanto pudermos. Já o Black Lives Matter, tem nos levado a repensar nossas atitudes com relação ao racismo, ao respeito e compreensão pelo outro, e a necessidade de maior assistência aos refugiados que tem vindo para cá". 

A Islândia está reabrindo após um longo período de quarentena, que obteve sucesso com o apoio da população. Por esse motivo, está autorizada a presença da plateia nos concertos que Björk fará no Harpa Music Hall; nos dias 9, 15 e 23 de agosto de 2020. As apresentações terão início às 17h (horário local). Aqueles que comparecerem pessoalmente, ainda poderão aproveitar para comprar as comidas que serão comercializadas em um dos espaços da casa de shows. Os lucros obtidos serão destinados a instituições como a que Björk comentou: "Eu sempre quis fazer shows pela parte da tarde. É que existe um foco musical diferente quando fazemos a noite. Durante o dia, me sinto muito mais aberta em relação a energia que o horário nos oferece. Por isso, é uma excelente oportunidade para me apresentar assim. Logo depois, as pessoas poderão se reunir para jantar conosco, aproveitar a paisagem de bom humor e ainda apoiar uma boa causa". 

Foto: Alasdair McLellan

Para a alegria dos fãs de outros países, esses três shows de Björk serão transmitidos online no app Dice, com duração de 45min. No entanto, mediante o pagamento de uma taxa, cerca de 15 libras cada (compre AQUI). Acontecerá da seguinte forma: Quem assistir, por exemplo, nos Estados Unidos, pagará uma determinada quantia, que será destinada a uma organização sem fins lucrativos em sua região que também apoie as vítimas de violência doméstica, como a que Björk está ajudando na Islândia (que receberá 20% do valor do stream). Quanto aos músicos locais, o valor do stream também será outra ajuda financeira: "Não seria um problema fazer de graça, mas não vamos ficar com esse dinheiro porque eu quero garantir o futuro deles. Para que possam se apresentar daqui, e ainda receberem por isso. Estou lutando por eles, que agora nem sempre estão conseguindo um emprego". 


Ao contrário do que muitos pensam, Björk sempre morou na Islândia, ainda que tenha se dividido entre outros países ao longo dos anos. Ela está passando mais tempo lá desde que voltou, em fevereiro de 2020: "As pessoas me perguntam com frequência se fui embora daqui, mas sempre fiquei por cerca de 60% do meu tempo, mesmo nos anos 80, isso nunca mudou. Muita gente, acha que estou viajando no exterior, quando na verdade estou me escondendo aqui em casa (risos). Às vezes, vou em Vesturbæjarlaug. Caso contrário, estou em casa". 

Muitos não sabem, mas Björk já é vovó: “O papel de avó é uma das melhores coisas que a vida tem para nos oferecer. Agora entendo o que os meus avós sempre me diziam, é pura alegria e uma simples felicidade. Minha família está maior, ficamos muito juntos nesse período. Foi como abrir um restaurante na minha casa. Geralmente, as pessoas vão à escola e trabalham, mas, de repente, começou a ser necessário preparar três refeições diferentes todos os dias da semana. Sinto que acabei de me transformar em uma super senhora dona de casa. Não tenho do que reclamar!". 

Björk fala sobre o show, nos stories do Instagram (Foto: Reprodução)

Sobre as consequências de se viver em confinamento, ela fala do quão este momento é incomum para todos, que certamente as pessoas estão experimentando a ansiedade em um nível diferente: “Minha filha está se formando em uma escola de Nova York, com oito horas por dia de aulas online. Deu para perceber que lá, a situação era diferente (com relação ao vírus). (Com a pressão), alguns jovens chegavam a chorar no aplicativo Zoom, pois conheciam alguém que havia ficado doente, uma situação obviamente muito ruim. Minha filha tinha vergonha de lhes dizer que passeava na praia durante os intervalos, enquanto seus colegas de classe estavam presos em casa sem poder sair. Temos muita sorte de estarmos aqui na Islândia. Provavelmente, todos nós já experimentamos algo angustiante neste momento, que nos causou certa ansiedade". 

Foto: Alasdair McLellan

Sempre compondo, Björk diz que está sim criando um novo material, mas devagar. Ela revela que já tem algumas coisas inéditas, mas não espera liberá-las ao público imediatamente: "Realmente não importa o que acontece na minha vida, sempre sigo esse ritmo. Consegui fazer algo no mês passado, trabalhei em algumas coisas com o Bergur Þórisson, um musicista aqui da Islândia. Ele ficou de quarentena comigo, vinha pelo menos duas vezes por semana. Nossa colaboração já dura uns seis anos, então foi ótimo poder passar um tempo com ele nesse momento. Não lançarei álbum novo este ano, talvez esteja pronto no próximo. Não ouso prometer nada, mire em 2021 ou 2022". 

Björk sempre afirmou ser uma grande nerd musical, e diz costumar ouvir uma variedade de canções: "Estou constantemente ouvindo música e encontrando coisas novas, crio playlists diferentes para diferentes tipos de humor. No momento, tenho escutado bastante Cyrillus Kreek e Emilie Nicolas. Também ouço muito Aron Can, provavelmente sou sua maior fã aqui na Islândia. Sou muito grata, pois quando crio a minha própria música, não sou muito afetada por aquilo que estou ouvindo no momento. Por exemplo, durante o tempo em que compus na Espanha (para Homogenic), não lancei um álbum de flamenco. O meu namorado na época, era um dos pioneiros dos novos sons de bateria e baixo, mas isso não influenciou o disco; Quando estive produzindo em Porto Rico, Biophilia não se tornou um álbum de reggaeton". Ela explica que sempre se vigiou para não ser influenciada pela região em que está gravando, tentando não pegar elementos da cultura nem ao menos sair para fazer compras. Garante que é uma questão de querer, musicalmente, ser influenciada pelo espírito daquele ambiente no momento, e não por sua cultura musical. 

“Atualmente, estou trabalhando em várias coisas. Em colaboração com vários setores aqui na Islândia, eu gostaria de criar um banco de dados online, no qual as pessoas poderiam comprar 'notas' de qualquer música. Tenho versões de todos os tipos de instrumentos musicais, que precisam ser reunidos em um só lugar, mas esse projeto ainda está em desenvolvimento". 

Durante o verão, Björk investirá seu tempo nos ensaios do show Orchestral. Ela também pretende visitar seu novo amado: "O meu namorado é meio iraniano e meio alemão; e mora nos Alpes. Ele também estava comigo aqui na Islândia (na quarentena). Agora vou focar um pouco no trabalho, para depois ir visitá-lo". 

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Poucas horas antes do show no Metropolitan, no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI), Björk conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento. Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet:


Ao jornal Extra, ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura. Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão. Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes no setlist: "São meus amigos, crescemos juntos. Não posso tocar uma música da banda sem eles&qu…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades!

Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta Bizz, edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o Sugarcubes.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.





Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mui…

Björk anuncia shows beneficentes na Islândia. Apresentações serão transmitidas online

Em 2020, Björk iria passar pela Europa com a turnê Orchestral, que tinha estreia marcada para julho. Com a situação do Coronavírus, as apresentações foram remarcadas para junho de 2021. No entanto, agora teremos a chance de vê-la no palco ainda este ano por uma causa super importante. Hoje (27/06), ela anunciou três shows na Islândia. O país está reabrindo após um longo período de confinamento por causa da pandemia. Por isso, está permitida a presença da plateia. O projeto conta com a colaboração de Iceland Airwaves, RÚV, Harpa, Promote Iceland e Icelandair.
Para cada noite de espetáculo beneficente, serão setlists diferentes, com coros, cordas, metais e flautas; a partir dos arranjos criados pela artista. Ao lado dela, estarão vários de seus leais colaboradores. Os lucros serão revertidos ao Kvennaathvarfið, abrigo islandês que acolhe mulheres vítimas de violência doméstica, a intenção é também arrecadar fundos para outras instituições como essa ao redor do mundo. 
S…

Em carta aberta no Facebook, Björk fala sobre assédio sexual

Björk publicou em seu Facebook, na tarde deste domingo, um texto em que revela que foi vítima de assédio sexual por um diretor dinamarquês. Confira a tradução do post na íntegra:


"Me sinto inspirada por ver mulheres pelo mundo se pronunciando sobre esses casos (de abuso sexual) na internet. Isso me fez sentir vontade de contar minha experiência com um diretor dinamarquês. 
Porque eu venho de um país onde a diferença entre os sexos é pequena, apesar de ainda existir, e no momento em que tenho certa força no mundo da música com uma independência, que foi duramente conquistada, sempre esteve extremamente claro para mim que quando eu entrasse na carreira de atriz, meu papel e humilhação como uma menor sexualmente assediada seria uma norma para um diretor cuja a equipe de dezenas de pessoas permitiu e o encorajou a fazer isso. 
Eu estava ciente de que é algo universal, em que um diretor pode tocar e assediar suas atrizes à vontade e a indústria do cinema permite isso. Quando eu o co…